Conhecimento de homens universitários sobre câncer de pênis e práticas preventivas/ knowledge of university men about penile cancer and preventive practices/ Conocimiento de hombres universitarios sobre cáncer de pene y prácticas preventivas

Autores

Palavras-chave:

Neoplasias Penianas, Masculinidade, Saúde do homem, Prevenção de Doenças, Prevenção Primária.

Resumo

Objetivo: descrever o conhecimento de homens universitários sobre câncer de pênis e práticas preventivas. Método: estudo descritivo, exploratório e com abordagem quantitativa, realizado em 2017, na Universidade Federal de Mato Grosso. Utilizou-se amostragem não probabilística, por acessibilidade. Para coleta de dados, utilizou-se questionário estruturado autoaplicável elaborado pelos próprios pesquisadores. Resultados: foram entrevistados 57 indivíduos, com idade média de 24 anos. Destes, 77,19% já ouviram falar sobre o câncer de pênis e somente 28,07% realizam o autoexame respectivo. O principal meio de obtenção de informação em educação e saúde apontada pelos acadêmicos foi a internet (31,82%) e 43,18% dos entrevistados associaram a higiene íntima como forma de prevenção ao carcinoma do pênis. No entanto, o serviço da atenção primária não éa preferência ao buscar atendimento, acessando prioritariamente serviços hospitalares e farmácias. A maioria já ouviu falar sobre o câncer de pênis e sabem que a higiene íntima com água e sabão é a maneira mais eficaz de prevenção. Conclusão: observa-se a necessidade de estabelecer medidas educativas a fim de esclarecer essa população sobre o câncer de pênis como medida de estabelecimento de cultura de cuidado.

Biografia do Autor

Marcelo Fermanian Catunda Siqueira

Enfermeiro. Pós-graduado (lato sensu) em Gestão Pública. Auxiliar Administrativo Municipal da Prefeitura de Barra do Garças, Mato Grosso, Brasil

Matheus Barreto da Silva Álvares

Enfermeiro. Pós-graduado (lato sensu) em Segurança Pública, Policial Militar. Iporá, Goiás, Brasil.

Rildo Rodrigues Costa Junior

Graduando em enfermagem pela Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia.

Alisséia Guimarães Lemes, Universidade Federal de Mato Grosso

Enfermeira, doutoranda em enfermagem psiquiátrica pela EERP-USP. Profa. Assistente II na Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia. Barra do Garças, MT, Brasil.

Pâmela Roberta de Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso

Enfermeira. Mestre. Professora da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Campus Universitário do Araguaia (CUA), Departamento de Enfermagem. Barra do Garças, Mato Grosso, Brasil.

Elias Marcelino da Rocha, Universidade Federal de Mato Grosso

Enfermeiro, mestre em Ciências da Saúde, docente na Universidade Federal de Mato Grosso, Campus Universitário do Araguaia. Barra do Garças, MT, Brasil.

Referências

IBGE. Estatísticas de Gênero. [Internet]. 2010 [citado 15 de janeiro de 2018]; Disponível em: https://ww2.ibge.gov.br/apps/sn ig/v1/?loc=0&cat=-1,-2,- 3,128&ind=4707

Lourenço RA, Lins RG. Saúde do homem: aspectos demográficos e epidemiológicos do envelhecimento masculino. Rev Hosp Univ Pedro Ernesto. 2010; 9(Supl.1):12–9.

Schwarz E, Gomes R, Couto MT, Moura EC, Carvalho SA, Silva SFC. Política de saúde do homem. Rev Saúde Pública. 2012; 46:108–16.

Oliveira MM, Daher DV, Silva JLL, Andrade SSCA. A saúde do homem em questão: busca por atendimento na atenção básica de saúde. Ciênc Saúde Coletiva. 2015; 20(1):273–8.

Augusto Filho RF. Avaliação do autocuidado em grupos de saúde do homem na estratégia saúde da família [Mestrado]. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará; 2014.

Araujo JS, Xavier ÉCL, Conceição VM, Silva SED, Rodrigues ILA, Vasconcelos EV. Os atos representacionais do falo no cotidiano do homem penectomizado: a amputação, religiosidade e a família. Rev pesqui cuid fundam. 2014; 6(2):462–73.

Gomes R, Nascimento EF, Araújo FC. Por que os homens buscam menos os serviços de saúde do que as mulheres? As explicações de homens com baixa escolaridade e homens com ensino superior. Cad saúde pública. 2007; 23(3):565–74.

Carneiro LMR, Santos MPAS, Macena RHM, Vasconcelos TB. Atenção integral à saúde do homem: um desafio na atenção básica. Rev bras promoç saúde. 2016; 29(4):554-563.

Pozzati R, Beuter M, Rocha LS, Santos NO, Budó MLD, GirardonPerlini NMO. O cuidado na saúde dos homens: realidade e perspectivas. Rev enferm UERJ. 2013; 21(4):540–5.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas Estratégicas. Perfil da morbimortalidade masculina no Brasil [Internet]. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Xavier ÉCL, Silva SED, Vasconcelos EV, Araujo JS, Santos Alves P, Cunha NMF. Câncer de pênis: sob a ótica da representação social de pacientes submetidos à amputação de pênis e suas implicações para o cuidado de si. Interfaces Cient Saúde Ambiente. 2014; 3(1):39–46.

Correia AS, Silva GVF, Chagas HM, Nascimento ÍMR, Lessa MHC, Júnior TRC. Câncer de pênis: Resultados de uma Campanha de Prevenção. Rev Port: Saúde Soc. 2018; 3(1):628–38.

Costa S, Rodrigues R, Barbosa L, Silva J, Brandão JOC, Medeiros CSQ. Câncer de pênis: epidemiologia e estratégias de prevenção. Cad Grad - Ciênc Bio Saúde Facipe. 2013; 1(2):23–33.

Figliuolo G, Lima SNP, Costa SP, Silva JM, Paiva CS, Bezerra JNA, et al. Perfil clínicoepidemiológico associado a fatores de risco de pacientes com câncer de pênis atendidos em um Hospital de Referência Oncológica em Manaus. Rev Bras Oncol Clín. 2015; 11(40).

Guimarães JTF, Oliveira FBM, Silva MVRS, Branco TB, Miranda RHS, Soares KSS, et al. Avaliação do conhecimento de homens acerca do câncer de pênis e práticas preventivas. Rev eletrônica acervo saúde. 2017; Esp 8:S803–S810.

Fiúza ALC, Pinto NMA, Galinari TN, Barros VAM. Difusão de tecnologia e sexismo nas Ciências Agrárias. Ciênc rural. 2009; 39(9):2614–20.

Vasconcellos ECC, Brisolla SN. Presença feminina no estudo e no trabalho da ciência na Unicamp. Cad Pagu. 2009; (32):215–65.

Mesquita AM. Rastreamento de sintomas depressivos entre acadêmicos de cursos da área da saúde [Monografia]. Barra do Garças: Universidade Federal de Mato Grosso; 2016.

Werner MEC, Siqueira MFC, Lemes AG. Consumo alcoólico entre universitários. Vamos discutir essa ideia? Rev Eletrônica Interdiscip. 2015; 1(13).

Pinheiro P. Doenças sexualmente transmissíveis [Internet]. MD. Saúde. 2018 [citado 17 de agosto de 2018]. Disponível em: http://www.mdsaude.com/2012/ 06/o-que-e-dst.html

Pinheiro MM, Queiroz LLC, Queiroz RCCS, Lima JMMP. HPV e o desenvolvimento de neoplasias: uma revisão integrativa de literatura. Rev ciênc saúde. 2013;15(1).

Pinto VM, Basso CR, Barros CRS, Gutierrez EB. Fatores associados às infecções sexualmente transmissíveis: inquérito populacional no município de São Paulo, Brasil. Ciênc saúde coletiva. 2018; 23(7):2423–32.

Chaves JN, Câmara JT, Silva KSM, Pedrosa AO, Santos FJL. Avaliação do conhecimento dos homens sobre o câncer de pênis. Rev Augustus. 2018; 22(43):182– 9.

Chaux A, Cubilla AL. Advances in the pathology of penile carcinomas. Hum Pathol. 2012; 43(6):771–89.

Shabbir M, Barod R, Hegarty PK, Minhas S. Primary prevention and vaccination for penile cancer. Ther Adv Urol. 2013; 5(3):161–9.

Rodrigues AFF. Câncer de pênis: aspectos imunológicos. FACIDER. 2013; 2(2).

Jacobowski B, Jung GS, Schuelter-Trevisol F. Comportamento de Risco para HIV e DST entre Professores Universitários. DST J Bras Doenças Sex Transm. 2010; 199– 205.

Pinho MD, Berquó E, Oliveira KA, Lopes F, Lima LCA, Pereira N. Juventudes, raça e vulnerabilidades. Rev Bras Estud Popul. 2013; 19(2):277–94.

Castro EL, Caldas TA, Morcillo AM, Pereira EMA, Velho PENF. O conhecimento e o ensino sobre doenças sexualmente transmissíveis entre universitários. Ciênc saúde coletiva. 2016; 21(6):1975–84.

Vieira KLD, Gomes VLO, Borba MR, Costa CFS. Atendimento da população masculina em unidade básica saúde da família: motivos para a (não) procura. Esc Anna Nery. 2013; 17(1):120–7.

Silva RS, Silva ACM, Nascimento SG, Oliveira CM, Bonfim CV. Aspectos demográficos e epidemiológicos da mortalidadepor câncer no pênis. Acta Paul Enferm. 2014; 27(1):44–7.

Couto MT, Gomes R. Homens, saúde e políticas públicas: a equidade de gênero em questão. Ciênc saúde coletiva. 2012; 17(10):2569–78.

Leal AF, Figueiredo WS, NogueiraSilva GS. O percurso da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde dos Homens (PNAISH), desde a sua formulação até sua implementação nos serviços públicos locais de atenção à saúde. Ciênc saúde coletiva. 2012; 17(10):2607–16.

Figueiroa MN, Menezes MLN, Monteiro EMLM, Andrade ÂRL de, Fraga DPF, Oliveira MV. A formação relacionada com a sexualidade humana na perceção de estudantes de enfermagem. Rev enferm ref. 2017; serIV(15):21–30.

Moya Peñafiel MJ, Palacio Melo L, Gonzalez G, Henriquez GJ. Cáncer de pene: patología infrecuente en la consulta Médica. “Reporte de dos Casos y Revisión Literaria”. Rev Méd Risaralda. 2016; 22(2):109–12.

Silva FA, Silva IR. Sentidos de saúde e modos de cuidar de si elaborados por homens usuários de Unidade Básica de Saúde - UBS. Ciênc Saúde Coletiva. 2014; 19(2):417–28.

Silvestre JCC, Rocha PAC, Silvestre BC, Cabral RV, Trevisol FS. Uso da internet pelos pacientes como fonte de informação em saúde e a sua influência na relação médicopaciente. Rev Assoc Méd Rio Gd do Sul. 2012; 56(2):149–55.

Boreki V. 80% usam internet para fazer buscas sobre saúde [Internet]. Gazeta do Povo. 2011 [citado 22 de janeiro de 2018]. Disponível em: http://www.gazetadopovo.com.b r/saude/80-usam-internet-parafazer-buscas-sobre-saudedukyya76lkzf6ggxpwkvmz4ge

Magalhães AB. Cuidado com a automedicação! Blog da Saúde [Internet]. 18 de agosto de 2014 [citado 22 de janeiro de 2018]; Disponível em: http://www.blog.saude.gov.br/g eral/34296-cuidado-com-aautomedicacao

Blog da Saúde. Especialistas recomendam cautela com informações sobre saúde na internet [Internet]. Portal Brasil. 2014 [citado 22 de janeiro de 2018]. Disponível em: http://www.brasil.gov.br/saude/ 2014/11/especialistasrecomendam-cautela-cominformacoes-sobre-saude-nainternet

Melo MC, Fonseca CMF, Vasconcellos-Silva PR. Internet e mídias sociais na educação em saúde: o cenário oncológico. Cad tempo presente. 2017; (27):69– 83

Castro SA. Diagnóstico sobre a influência da mídia no conhecimento escolar e no cotidiano de alunos do ensino médio. Rev Horiz Cient. 2011; 5(2):1–26.

Freitas MEM, Soares T, Souza LPS, Alcântara DDF, Silva CSO, Barbosa HA. Exame de toque retal: a percepção de homens quanto à sua realização. Rev enferm UFPI. 2015; 4(4):8–13.

Nascimento VF, Lemes AG. Saúde do homem: sentimento de masculinidade comprometida. Rev Eletrônica Gestão & Saúde. 2014; 5(1):80-90.

Nascimento VF, Bachiega P, Lemes AG, Demarchi RF, Maciel MM. Estilo de vida de homens de uma comunidade no sudeste de Mato Grosso, Brasil. Rev Eletrônica Gestão & Saúde. 2014; 5(3):961-76.

Silva CAB, Olinda QB. O impacto do imaginário na prevenção de cânceres genitais. Rev bras promoç saúde. 2010; 23(2):99– 100.

Martins JDS, Azevedo OA. Autoexame como estratégia de prevenção/detecção precoce do câncer genital masculino entre universitários. Life Style J. 2016; 3(1):35–48.

Modesto AAD, Lima RLB, D’Angelis AC, Augusto DK. Um novembro não tão azul: debatendo rastreamento de câncer de próstata e saúde do homem. Interface (Botucatu). 2018; 22(64):251–62.

Downloads

Publicado

01/06/2019

Como Citar

Fermanian Catunda Siqueira, M., Barreto da Silva Álvares, M., Rodrigues Costa Junior, R., Guimarães Lemes, A., de Oliveira, P. R., & da Rocha, E. M. (2019). Conhecimento de homens universitários sobre câncer de pênis e práticas preventivas/ knowledge of university men about penile cancer and preventive practices/ Conocimiento de hombres universitarios sobre cáncer de pene y prácticas preventivas. Journal Health NPEPS, 4(1), 92–112. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3116

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale