Manifestações e tratamento da necrólise epidérmica tóxica e da síndrome de Stevens Johnson/ Manifestations and treatment of toxic epidermic necrolysis and Stevens Johnson's syndrome/ Manifestaciones y tratamiento de la necrolisis epidérmica tóxica...

Autores

  • Cristina Ferreira Roviello Universidade São Caetano do Sul (USCS)
  • Francisco Sandro Menezes Rodrigues Departamento de Farmacologia. Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP).
  • João Antônio Bertolini Gonçalves Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais. Instituto Superior de Medicina e Dermatologia – ISMD.
  • Renato Ribeiro Nogueira Ferraz Universidade São Caetano do Sul (USCS). Programa de Mestrado Profissional em Administração - Gestão em Sistemas de Saúde (PMPA-GSS) - Universidade Nove de Julho (UNINOVE)

Palavras-chave:

Enfermagem, Dermatologia, Sinais e Sintomas, Tratamento, Gestão em Saúde.

Resumo

Objetivo: identificar as manifestações clínicas da necrólise epidérmica tóxica (NET) e síndrome de Stevens Johnson (SSJ). Método: trata-se de uma revisão narrativa. A busca dos artigos utilizou a ferramenta Publish or Perish, que ranqueia os trabalhos com base no número de citações recebidas. Foram realizadas duas buscas, pois apesar das doenças se relacionarem, possuem diagnósticos diferentes. Na primeira, os descritores utilizados foram: “necrólise epidérmica tóxica” e “manifestações clínicas”, e na segunda os descritores foram: “Síndrome de Stevens-Johnson” e “manifestações clínicas”. Resultados: após a leitura dos 12 artigos selecionados, entendeu-se que a patogênese da necrólise epidérmica tóxica e Síndrome de Stevens Johnson se dá pela hipersensibilidade tardia a fármacos. As manifestações clínicas se dão pelo aparecimento do eritema cutâneo com formação de máculas, pápulas, vesículas e bolhas associadas ou isoladas, como placas de urticária ou eritema extenso. Na NET é possível notar desprendimento extenso da epiderme maior que 30% da superfície corpórea, conhecido como sinal de Nikolsky, com acometimento de mucosas. Conclusão: A NET e SSJ são farmacodermias graves, com baixas incidências, mas elevada mortalidade. O reconhecimento precoce das doenças e a retirada do fármaco causador são essenciais para conduzir o tratamento, diminuindo por sua vez a taxa de mortalidade.

Referências

Santos NDM, Ribeiro JLA, Watanabe EAMT, Bergamaschi FPR. Diagnóstico de enfermagem evidenciados em pacientes com feridas: uma revisão integrativa. Anais dos Eventos da enfermagem UEMS. 2017; 1(1):8–14.

Martínez-Cabriales SA. Actualidades en farmacodermias severas: síndrome de Stevens-Johnson (SSJ) y necrólisis epidérmica tóxica (NET). Gac Med Mex. 2015; 151:777–87.

Brinca A, Andrade P, Xavier MM, Gonçalo M, Figueiredo A. Síndrome de Stevens-Johnson e Necrólise Epidérmica Tóxica– casuística de 10 anos. Revista SPDV. 2011; 69(3):403.

Calistru AM, Lisboa C, Cunha AP, Azevedo F. Toxidermias– estudo dos casos internados num hospital central (2000- 2010). Revista SPDV. 2011; 69(4):585.

Chávez-Lemus FA, Reynoso-von Drateln C, Rodríguez-Martínez N. Prevalencia de las farmacodermias en pacientes hospitalizados en el Servicio de Dermatología de la UMAE del Centro Médico Nacional de Occidente. Periodo 2004-2012. Dermatol Rev Mex. 2014; 58(4):339–45.

Nagao-Dias AT, Barros-Nunes P, Coelho HL, Solé D. Reações alérgicas a medicamentos. J Pediatr. 2004; 80(4):259–66.

Antunes J, Lestre S, Gonçalves A, Borges A, Viseu R, Baptista I. Necrólise epidérmica tóxica– Valproato de sódio e vancomicina? Rev Port Imunoalergologia. 2011; 19(2):101-10.

Bulisani ACP, Sanches GD, Guimarães HP, Lopes RD, Vendrame LS, Lopes AC. Síndrome de Stevens-Johnson e necrólise epidérmica tóxica em medicina intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2006; 18(3):292– 7.

Arguijo MB, Díaz GB, Gallego RB, Francés EC, García VC, Torrijos LT, et al. Cuidados enfermeros en paciente geriátrico con síndrome de Stevens-Johnson relacionado con levofloxacino: a propósito de un caso. Gerokomos. 2010; 21(3):118–122.

Monge RB, Morales KE. Sindrome de Stevens-Johnson y necrólisis epidérmica tóxica. Rev Med Costa Rica & Controamerica. 2014; 71(610):305–8.

Oliveira FL, Silveira LK, Morais TS, Serra MCVF. Necrólise epidérmica tóxica e síndrome de Stevens Johnson: atualização. Rev Bras Queimaduras. 2012; 11(1):26– 30.

Emerick MFB, Rodrigues MMT, Pedrosa DMAS, Novaes MRCG, Gottems LBD. Síndrome de Stevens-Johnson e Necrólise Epidérmica Tóxica em um hospital do Distrito Federal. Rev Bras Enferm. 2014; 67(6):898–904.

Downloads

Publicado

01/06/2019

Como Citar

Roviello, C. F., Rodrigues, F. S. M., Gonçalves, J. A. B., & Ferraz, R. R. N. (2019). Manifestações e tratamento da necrólise epidérmica tóxica e da síndrome de Stevens Johnson/ Manifestations and treatment of toxic epidermic necrolysis and Stevens Johnson’s syndrome/ Manifestaciones y tratamiento de la necrolisis epidérmica tóxica. Journal Health NPEPS, 4(1), 319–329. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3214

Edição

Seção

Artigo de Revisão/ Review Article/ Artículo de Revisión