Reflexão sobre a classificação de risco como tendência para o pronto-socorro infantil/ Reflection on risk classification as a trend for the infant emergency room/ La reflexión sobre la calificación de riesgo como una tendencia para la emergencia del niño

Autores

  • Renato Rodrigues Rosa Corpo de Bombeiros Militar de Goiás
  • Karynne Borges Cabral Universidade Federal de Goiás
  • Cristiane Chagas Teixeira Universidade Federal de Goiás
  • Fernando Duarte Cabral Faculdade Objetivo de Rio Verde-GO

Palavras-chave:

Medição de Risco, Serviços Médicos de Emergência, Pediatria.

Resumo

Objetivo: explanar acerca da classificação de risco como uma tendência para o serviço de pronto-socorro infantil. Método: trata-se de um ensaio teórico-reflexivo, realizado no período de maio de 2017 a outubro de 2018, fundamentando na literatura encontrada nas bases de dados: PubMed, CINAHL e LILACS. Os descritores utilizados foram: “Medição de Risco”, “Serviços Médicos de Emergência”, “Serviço Hospitalar de Emergência”, “Pediatria”, “Identificação da Emergência”; “Triagem” e “Superlotação”. Foram utilizados como critérios de inclusão: publicações em português, inglês e espanhol, no período de 2000 a 2016, com textos completos disponíveis gratuitamente. Excluídas as publicações que não se relacionavam à temática do estudo e que apresentassem duplicidade. Resultados: a classificação de risco mostra-se como tendência, com possibilidade de avançar, uma vez que a solução de muitos dos fatores que contribuem para a superlotação dos prontossocorros acarretaria maiores custos financeiros do que a implantação da classificação de risco infantil. Considerações Finais: a classificação de risco pode contribuir para a organização dos atendimentos ao cliente pediátrico que, procura por atendimento em prontos-socorros sem critérios clínicos.

Biografia do Autor

Renato Rodrigues Rosa, Corpo de Bombeiros Militar de Goiás

Graduado em Administração e Medicina. Sargento do Corpo de Bombeiros Militar de Goiás, Santa Helena de Goiás – Goiás, Brasil. 

Karynne Borges Cabral, Universidade Federal de Goiás

Mestre em Enfermagem e Doutoranda em Enfermagem pela Universidade Federal de Goiás, Goiânia - Goiás, Brasil.

Cristiane Chagas Teixeira, Universidade Federal de Goiás

Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Goiás, Goiânia - Goiás, Brasil.

Fernando Duarte Cabral, Faculdade Objetivo de Rio Verde-GO

Fisioterapeuta. Especialista em Unidade de Terapia Intensiva. Docente da Faculdade Objetivo de Rio Verde, Goiás, Brasil.

Referências

Domiciano V, Fonseca AS. Tempo médio para o atendimento do cliente em um departamento de emergência de um hospital privado. Nursing (São Paulo). 2008; 11(119):182-8.

Tomberg JO, Cantarelli KJ, Guanilo MEE, Pai DD. Acolhimento com avaliação de risco no pronto socorro: caracterização dos atendimentos. Cienc Cuid Saude. 2013; 12(1):80-7.

Silva LG, Matsuda LM. Um olhar para a qualidade no processo de atendimento em um serviço de urgência público. Cienc Cuid Saude. 2012; 11(suplem):121-28.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS. Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência. Brasília: Secretaria de Atenção à Saúde. Brasília: Ministéio da Saúde; 2009.

Moura ACF, Lopes AMS, Portela ALF, Sousa ID, Sousa SNS. Implantação do acolhimento com classificação de risco: um relato de experiência. Rev Multip Saúde HSM. 2013; 1(2):72-82.

Bellucci Júnior JA, Matsuda LM. Implantação do acolhimento com classificação de risco em serviço hospitalar de emergência: atuação do enfermeiro. Cienc Cuid Saude. 2012; 11(2):396-401.

Nascimento ERPd, Hilsendeger BR, Neth C, Belaver GM, Bertoncello KCG. Acolhimento com classificação de risco: avaliação dos profissionais de enfermagem de um serviço de emergência. Rev Eletrônica Enferm. 2011; 13(4):597-03.

Barbosa MC, Prata-Barbosa A, Cunha AJ, Lopes CS. CLARIPED: um Novo Instrumento para Classificação de Risco em Emergências Pediátricas. Rev Paul Pediatr. 2016; 34.

Benahmed N, Laokri S, Zhang WH, Verhaeghe N, Trybou J, Cohen L, et al. Determinants of nonurgent use of the emergency department for pediatric patients in 12 hospitals in Belgium. Eur J Pediatr. 2012; 171(12):1829-37.

Meneghetti FK. O que é um Ensaio-Teórico? RAC. 2011; 15(2):320-32.

Ministério da Saúde (BR). HumanizaSUS: acolhimento com avaliação e classificação de risco - um paradigma ético-estético no fazer em saúde. Brasília: Ministério da Saúde. SecretariaExecutiva. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização; 2004.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Humanização. Brasília-DF: Ministéio da Saúde; 2013. Available from: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/p ublicacoes/politica_nacional_hum anizacao_pnh_folheto.pdf.

Lima LMB, Almeida NMGS. Procura da emergência pediátrica pelas mães: implicações para a superlotação. Saúde debate. 2013; 37(96):51-61.

Rati RMS, Goulart LMHF, Alvim CG, Mota JAC. “Criança não pode esperar”: a busca de serviço de urgência e emergência por mães e suas crianças em condições não urgentes. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(12):3663-72.

Australian Government. Department of Health and Ageing. Emergency triage education kit 2007 [cited 2015 Jan 19]. Available from: http://www.health.gov.au/intern et/main/publishing.nsf/Content/3 87970CE723E2BD8CA257BF0001DC 49F/$File/Triage%20Education%20 Kit.pdf.

Murray M, Bullard M, Grafstein E; CTAS Natioanal Working Group; CEDIS National Working Group. Revisions to the Canadian Emergency Department Triage and Acuity Scale implementation guidelines. CJEM. 2004; 6(6):421- 7.

Grupo de Triagem de Manchester. Triagem do serviço de urgência. 2ª ed. Manchester - Portugual: BMJ Publisching; 2002.

Farrohknia N, Castrén M, Ehrenberg A, Lind L, Oredsson S, Jonsson H, et al. Emergency Department Triage Scales and Their Components: A Systematic Review of the Scientific Evidence. Scand J Trauma Resusc Emerg Med. 2011;19:42.

Benavente RAS. Sistema de triaje en urgencias generales. Universitad Internacional de Andalucía [Internet]. 2014 [cited 2015 Jan 19 ]. Available from:http://dspace.unia.es/bitstr eam/handle/10334/2764/0561_Se rrano.pdf?sequence=1.

Hohenhaus SM. Someone whatching over me: observations in pediatric triage. J Emerg Nurs. 2006; 32(5):398-03.

Cheema B, Stephen C, Westwood A. Paediatric triage in South Africa. S Afr J Child Health. 2013; 7(2):43-45.

Chang YC, Ng CJ, Wu CT, Chen LC, Chen JC, Hsu KH. Effectiveness of a five-level Paediatric Triage System: an analysis of resource utilisation in the emergency department in Taiwan. Emerg Med J. 2013; 30(9):735-9

Baracat ECE. Protocolos de triagem e classificação de risco em emergência pediátrica. Rev Paul Pediatr. 2016; 34(3):249-50.

Downloads

Publicado

01/06/2019

Como Citar

Rosa, R. R., Cabral, K. B., Teixeira, C. C., & Cabral, F. D. (2019). Reflexão sobre a classificação de risco como tendência para o pronto-socorro infantil/ Reflection on risk classification as a trend for the infant emergency room/ La reflexión sobre la calificación de riesgo como una tendencia para la emergencia del niño. Journal Health NPEPS, 4(1), 330–340. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3327

Edição

Seção

Ensaio Teórico-Reflexivo/ Reflective Analysis/ Artículo de Reflexión