Avaliação nutricional e dietética de pré-escolares de Montes Claros, Minas Gerais/ Dietary and nutritional assessment of pre-school children in Montes Claros, Minas Gerais/ Evaluación dietética y nutricional de preescolar en Montes Claros, Minas Gerais

Autores

  • Miriam Gonçalves de Souza Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.
  • Rubia Rafaela Ribeiro das Flores Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.
  • Patrícia Dáwylla de Freitas Soares Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.
  • Letícia Josyane Ferreira Soares Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.
  • Priscila Avelar Monteiro Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.
  • Ana Maria de Jesus Teixeira Alves Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.
  • Suzy Alice de Souza Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.
  • Maria Cecília Nascimento Arcanjo Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.
  • Fernanda Gabriele Santos Rocha Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.
  • Rodrigo Pereira Prates Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM.
  • Paula Karoline Soares Farias Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.

Palavras-chave:

Avaliação Nutricional, Consumo de Alimentos, Criança, Macronutrientes, Micronutrientes.

Resumo

Objetivo: avaliar o estado nutricional e o consumo alimentar das principais fontes de macro e micronutrientes ingeridos por pré-escolares. Método: trata-se de estudo exploratório-descritivo, transversal e com abordagem quantitativa, composto por 269 crianças de ambos os sexos com idade entre 3 e 5 anos dos centros municipais de educação infantil de Montes Claros, Minas Gerais. Realizou-se inquérito alimentar e a avaliação antropométrica no ambiente escolar, mediante a autorização dos pais e/ou responsáveis. Resultados: verifica-se que a maioria das crianças se encontram eutróficas de acordo com todos os critérios avaliados. No inquérito alimentar, apenas o consumo de calorias totais e ferro encontrava-se adequado para a faixa etária. Entre os macronutrientes, o consumo de carboidratos, lipídeos e proteínas estava acima do valor recomendado. Dentre os micronutrientes, observa-se o consumo aumentado de zinco, sódio e vitamina C. No entanto, a ingestão de micronutrientes como o cálcio, magnésio, vitaminas A, D e E encontrava-se abaixo do recomendado, além das fibras. Conclusão: observa-se que o estado nutricional das crianças está adequado, porém há inadequação na ingestão alimentar. Este fator pode contribuir com o aumento no índice de sobrepeso e obesidade, e estar associado com as deficiências nutricionais.

Biografia do Autor

Miriam Gonçalves de Souza, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Nutricionista pela Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Rubia Rafaela Ribeiro das Flores, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Nutricionista pela Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Patrícia Dáwylla de Freitas Soares, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

Mestre em Produção Animal na linha de Tecnologia de Alimentos de Origem Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais. Especialista em Nutrição Materno-Infantil (AWM - Faculdades Integradas). Bacharel em Nutrição pela Faculdade de Saúde Ibituruna. Atua como nutricionista na Secretaria Municipal de Educação de Rubelita.

Letícia Josyane Ferreira Soares, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

Mestre em Produção Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

Priscila Avelar Monteiro, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.

Nutricionista pela Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM. Mestranda em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.

Ana Maria de Jesus Teixeira Alves, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.

Mestranda em Ciencias da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES.

Suzy Alice de Souza, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Nutricionista pela Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Maria Cecília Nascimento Arcanjo, Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG.

Mestranda em Produção Animal na linha de Tecnologia de Alimentos de Origem Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais.  Bacharel em Nutrição pela Faculdade de Saúde Ibituruna.

Fernanda Gabriele Santos Rocha, Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Acadêmica da Faculdade de Saúde Ibituruna - FASI.

Rodrigo Pereira Prates, Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM.

Mestre em Ciências Fisiológicas da Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri - UFVJM.

Paula Karoline Soares Farias, Universidade Estadual de Montes Claros - Unimontes.

Doutoranda em Ciencias da Saúde pela Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES. Mestre em Produção Animal na linha de Tecnologia de Alimentos de Origem Animal pela Universidade Federal de Minas Gerais (2016). Especialista em Nutrição Clínica pelo Centro Educacional São Camilo (Belo Horizonte - 2015). Bacharel em Nutrição pela Faculdade de Saúde Ibituruna (FASI - 2014). Atua como nutricionista na Secretaria Municipal de Educação de Montes Claros.

Referências

Pereira AS, Peixoto NGA, Nogueira Neto JF, Lanzillotti HS, Soares EA. Estado nutricional de pré-escolares de creche pública: um estudo longitudinal. Cad saúde Colet. 2013; 21(2):140-147.

Carmo MCL, Castro LCV, Novais JF. Educação nutricional para préescolares: uma ferramenta de intervenção. Em Extensão. 2013; 12(2): 64-74.

Oliveira MN, Sampaio TMT, Costa EA. Educação nutricional de préescolares – um estudo de caso. Oikos. 2014; 25(1): 93-113.

Chen K, Zhang X, Li TY, Chen L, Wei XP, Qu P, et al. Effect of vitamin A, vitamin A plus iron and multiple micronutrient-fortified seasoning powder on infectious morbidity of preschool children. Nutrition. 2011; 27(4): 428–434.

Bigio RS, Verly Júnior E, Castro MA, César CLG, Fisberg RM, Marchioni DML. Determinantes do consumo de frutas e hortaliças em adolescentes por regressão quantílica. Rev Saúde Pública. 2011; 45(3): 448–56.

Costa FP, Machado SH. O consumo de sal e alimentos ricos em sódio podeinfluenciar na pressão arterial das crianças? Ciênc Saúde Colet. 2010; 15(1): 1383-1389.

Sarno F, Claro RM, Levy RB, Bandoni DH, Monteiro CA. Estimativa de consumo de sódio pela população brasileira, 2008-2009. Rev Saúde Pública. 2013; 47(3): 571-578.

Cabrera TFC, Correia IFL, Santos DO, Pacagnelli FL, Prado MTA, Silva TD, et al. Analisys of the prevalence of overweight and obesity and the level of physical activity in children and adolescents of a southwestern city of São Paulo. Rev bras crescimento desenvolv hum. 2014; 24(1): 67-72.

Salvador CCZ, Kitoko PM, Gambardella AMD. Nutritional status of children and adolescents: factors associated to overweight and fat accumulation. Rev bras crescimento desenvolv hum. 2014; 24(3): 313- 319.

Valmórbida JL,Vitolo MR. Factors associated with low consumption of fruits and vegetables by preschoolers of low socio-economiclevel. J Pediatr. 2014; 90(5): 464-71.

Juzwiak CR, Castro PM, Batista SHSS. A experiência da oficina permanente de educação alimentar e em saúde (OPEAS): formação de profissionais para a promoção da alimentação saudável nas escolas. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(4): 1009-1018.

Silva GL, Taddei JAAC, Konstantyner T, Toloni MHA. Percepções de educadores de creches acerca de práticas cotidianas na alimentação de lactentes: impacto de um treinamento. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(2): 545-52.

Teixeira PDS, Reis BZ, Vieira DAS, Costa D, Costa JO, Raposo OFF, et al. Intervenção nutricional educativa como ferramenta eficaz para mudança de hábitos alimentares e peso corporal entre praticantes de atividade física. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(2): 347-56.

Pedraza DF, Queiroz D, Gama JF. Avaliação do consumo alimentar de crianças brasileiras assistidas em creches: uma revisão sistemática. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2015; 15(1): 17-31.

Brito-Silva FK, Oliveira APP, Santanada-Silva LC. Avaliação antropométrica de pacientes com suspeita de erros inatos do metabolismo. Rev Bras Saúde Mater Infant. 2012; 12(3): 297-305.

Ferreira-Marim MM, Fabbro ALD. Estado nutricional avaliado pormedidas antropométricas em préescolares atendidos pelo Programa de Saúde da Família de Ribeirão Preto-SP. Medicina. 2012; 45(1): 23- 30.

Gomes CO, Soares NA, Leão LL, Prates RP, Soares LJF, Almeida L, et al. Caracterização antropométrica e análise dietética de escolares da zona urbana e rural. Rev eletrônica acervo saúde. 2017; 9(4): 1203-1208.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional - SISVAN / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica, p. 76, 2011. Disponível em: . Acesso em: 17 fev 2019.

Netto RSM, Teixeira PDS, Reis BZ, Vieira DAS, Costa D, Costa JO. Ações Educativas para Promoção de Hábitos Alimentares Saudáveis: relato de uma experiência. Revista de Extensão Universitária UFS. 2013; 1(2): 191-199.

Gil AC. Métodos e técnicas de pesquisa social. Atlas, ed. 5, São Paulo, 1995.

Instituto Brasileiro de Estatística e Estatística. IBGE. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/ mg/montes-claros/panorama. Acesso em: 28 set 2018.

Organização Mundial da Saúde – OMS. Curvas de Crescimento da Organização Mundial da Saúde. Disponível em:. Acesso em: 09 set 2018.

Fisberg M, Barros MJL. O papel dos nutrientes no crescimento e desenvolvimento infantil. São Paulo: SARVIER; 2008.

Barreto CTG, Cardoso AM, Coimbra JR, Carlos EA. Estado nutricional de crianças indígenas Guarani nos estados do Rio de Janeiro e São Paulo, Brasil. Cad Saúde Pública. 2014; 30(3): 657-662.

Silva DAS, Nunes HG. Prevalência de baixo peso, sobrepeso e obesidade em crianças pobres do Mato Grossodo Sul. Rev bras epidemiol. 2015; 18(2): 466-475.

Conde WL, Borges C. The risk of incidence and persistence of obesity among Brazilian adults according to their nutritional status at the end of adolescence. Rev bras epidemiol. 2011; 14(1): 71-79.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE. Pesquisa de Orçamentos Familiares: antropometria e estado nutricional de crianças, adolescentes e adultos do Brasil. Brasília (DF). 2010. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 18.

Spinelli MGN, Morimoto JM, Freitas APG, Barros CM, Dias DHS, Pioltine MB, et al. Estado nutricional e consumo alimentar de pré-escolares e escolares de escola privada. Rev Ciênc Saúde. 2013; 6(2): 94-10.

Favaro TR, Santos RV, Cunha GM, Leite IC, Coimbra Jr CEA. Obesidade e excesso de peso em adultos indígenas Xukuru do Ororubá, Pernambuco, Brasil: magnitude, fatores socioeconômicos e demográficos associados. Cad Saúde Pública. 2015; 31(8): 1685-1697.

Burrows TL, Martin RJ, Collins CE. A systematic review of the validity of dietary assessment methods in children when compared with the method of Doubly Labeled Water. J Am Diet Assoc. 2010; 110(10): 1501- 1510.

Leal KK, Schneider BC, França GVA, Gigante DP, Santos I, Assunção MCF. Qualidade da dieta de pré-escolares de 2 a 5 anos residentes na área urbana da cidade de Pelotas, RS. Rev paul pediatr. 2015; 33(3): 310-317.

Resende MA, Pereira DA, Marins SS. Cuidados na alimentação de crianças em instituições de educação infantil. Fam saúde desenvolv. 2007; 8(1):32- 41.

Vicenzi K, Henn RL, Weber AP, Backes V, Paniz VMV, Donatti T, et al. Insegurança alimentar e excesso de peso em escolares do primeiro ano do Ensino Fundamental da rede municipal de São Leopoldo, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad Saúde Pública. 2015; 31(5): 1084-1094.

Jaime PC, Stopa SR, Oliveira TP, Vieira ML, Szwarcwald CL, Malta DC. Prevalência e distribuição sociodemográfica de marcadores dealimentação saudável, Pesquisa Nacional de Saúde, Brasil 2013. Epidemiol Serv Saúde. 2015; 24(2): 267-276.

Cavalcanti DS, Vasconcelos PN, Muniz VM, Santos MF, Osório MM. Iron intake and its association with iron-deficiency anemia in agricultural workers' families from the Zona da Mata of Pernambuco, Brazil. Rev Nutr. 2014; 27(2): 217- 227.

Bortolini GA, Vitolo MR. Relação entre deficiência de ferro e anemia em crianças de até 4 anos de idade. J Pediatr. 2010; 86(6): 488-492.

Cobayashi F. Cálcio: seu papel na nutrição e saúde. Compacta Nutr. 2004; 5(2): 3-18.

Madruga JG, Adami FS, Bosco SM, Conde SR. Consumo de cálcio e vitamina D em pré-escolares. Rev UNINGÁ. 2014; 42: 27-31.

Bueno AL, Czepielewski MA. O recordatório de 24 horas como instrumento na avaliação do consumo alimentar de cálcio, fósforo e vitamina D em crianças e adolescentes de baixa estatura. Rev Nutr. 2010. 23(1): 65-73.

Severo JS, Morais JBS, Freitas TEC, Cruz KJC, Oliveira ARS, Poltronieri F, et al. Aspectos Metabólicos e Nutricionais do Magnésio. Nutr Clín Diet Hosp. 2015; 35(2): 67-74.

Batista AM, Silva EM, Silva EIG. Consumo alimentar de magnésio, potássio e fósforo por adolescentes de uma escola pública. Rev saúde pesq. 2016; 9(1): 73-82.

Pedraza DF, Rocha ACD, Sousa CPCS. Crescimento e deficiências de micronutrientes: perfil das crianças assistidas no núcleo de creches do governo da Paraíba, Brasil. Ciênc Saúde Colet. 2013; 18(11): 3379- 3390.

Brasil. Ministério da Saúde. Centro Brasileiro de Análise e Planejamento. Pesquisa Nacional de Demografia e Saúde da Criança e da Mulher – PNDS 2006: dimensões do processo reprodutivo e da saúde da criança. Brasília: Ministério da Saúde; 2009. Disponível em: . Acesso em: 15 mai 2019.

Mariath AB, Giachini RM, Lauda LG, Grillo LP. Estado de ferro e retinol sérico entre crianças e adolescentes atendidos por equipe da Estratégia de Saúde da Família de Itajaí, SantaCatarina. Ciênc Saúde Colet. 2010; 15(2): 509-516.

Boni A, Pugliese C, Cláudio CC, Patin RV, Oliveira FLC. Vitaminas antioxidantes e prevenção da arteriosclerose na infância. Rev Paul Pediatr. 2010; 28(4): 373-380.

Luna RCP, Nascimento CCC, Bandeira GTP, Oliveira AF, Monteiro MGCA, Barbosa FPT, et al. Baixo consumo habitual de alimentos fonte de vitamina E em população infantil. Rev Inst Adolfo Lutz. 2011; 70(2): 213-219.

Adami FS, Bagattini A, Vogel P, Rosolen MD, Dal Bosco SM. Relação entre o consumo de macronutrientes e antioxidantes entre crianças e adolescentes com estado nutricional. Rev UNINGÁ. 2015; 44(1): 37-42.

Nascimento VF, Bachiega P, Lemes AG, Mendes FMM. Estado nutricional de profissionais em ambiente préescolar. Revista Eletrônica Gestão & Saúde. 2015; 6(1):323-335.

Downloads

Publicado

01/06/2019

Como Citar

de Souza, M. G., das Flores, R. R. R., Soares, P. D. de F., Soares, L. J. F., Monteiro, P. A., Alves, A. M. de J. T., de Souza, S. A., Arcanjo, M. C. N., Rocha, F. G. S., Prates, R. P., & Farias, P. K. S. (2019). Avaliação nutricional e dietética de pré-escolares de Montes Claros, Minas Gerais/ Dietary and nutritional assessment of pre-school children in Montes Claros, Minas Gerais/ Evaluación dietética y nutricional de preescolar en Montes Claros, Minas Gerais. Journal Health NPEPS, 4(1), 166–181. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3339

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)