Benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem/ Benefits of integrative and complementary practices in nursing care/ Beneficios de las prácticas integrativas y complementarias en el cuidado de enfermería

Autores

  • Dayana Senger Mendes Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Fernanda Santos de Moraes Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS),
  • Gabrielli de Oliveira Lima Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Paula Ramos da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Thiago Almirante Cunha Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Maria da Graça Oliveira Crossetti Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Fernando Riegel Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Palavras-chave:

Terapias complementares, Enfermagem Holística, Cuidados em enfermagem.

Resumo

Objetivo: caracterizar os benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem. Método: revisão integrativa realizada nas bases de dados Scielo, Lilacs, PudMed e BVS. Os descritores de busca foram terapias complementares, cuidados em enfermagem, enfermagem holística, toque terapêutico, acupuntura, fitoterapia, aromaterapia, homeopatia. Encontrou-se 4421 artigos disponíveis nos idiomas Português, Espanhol e Inglês; publicados entre os anos 2006 e 2018. Destes foram selecionados 21 artigos. Resultados: entre os benefícios das práticas integrativas foi evidenciado o relaxamento e bem estar, alívio da dor e da ansiedade, diminuição de sinais e sintomas de doenças, estimula o contato profissional-paciente, redução do uso de medicamentos, fortalecimento do sistema imunológico, melhoria da qualidade de vida e diminuição de reações adversas. Considerações finais: É preciso protagonismo, empoderamento e preparo da enfermagem para a implementação das PICs em sua prática diária qualificando as práticas assistenciais e reduzindo os custos hospitalares.

Biografia do Autor

Dayana Senger Mendes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Acadêmica de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Enfermagem (EEUFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Fernanda Santos de Moraes, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS),

Acadêmica de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Enfermagem (EEUFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Gabrielli de Oliveira Lima, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Acadêmica de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Enfermagem (EEUFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Paula Ramos da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Acadêmica de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Enfermagem (EEUFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Thiago Almirante Cunha, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Acadêmico de Enfermagem. Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Enfermagem (EEUFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil.

Maria da Graça Oliveira Crossetti, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Pofessora Titular do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica (DEMC) da Escola de Enfermagem da UFRGS. Doutora em Filosofia da Enfermagem (UFSC). Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Escola de Enfermagem (EEUFRGS). Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Brasil

Fernando Riegel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Enfermagem pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Mestre em Educação (UNISINOS).

Referências

Junior ET. Práticas Integrativas e Complementares em Saúde, uma nova eficácia para o SUS. Estud av. 2016; 30(86):99-112.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de implantação de serviços de Práticas Integrativas e Complementares no SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2018.

Medeiros R, Lima PT. Acesso às terapias complementares cresce no SUS. Einstein: Educ Contin Saúde. 2010; 8(1): 40-1.

Organização Pan-Americana da Saúde. OMS atualiza a Estratégia sobre medicina tradicional; 2014.

Borges MR, Madeira LM, Azevedo VMGO. As práticas integrativas e complementares na atenção à saúde da mulher: uma estratégia de humanização da assistência no Hospital Sofia Feldman. Rev Min Enferm. 2011; 15(1):105-113.

Malafaia LM, Magalhães GM, Alvim NAT. Implementação de Práticas Integrativas e Complementares de Saúde em Instituições Hospitalares do Município do Rio de Janeiro: limites e possibilidades no cuidado de enfermagem. Anais 16º Pesquisando em Enfermagem. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2009; 1(1):1-2.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria N° 971, de 03 de maio de 2006. Aprova a Polícia Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) no Sistema Único de Saúde; 2006.

Brasil. Ministério da Saúde. Portaria N° 702, de 21 de março de 2018. Altera a Portaria de Consolidação nº 2/GM/MS, de 28 de setembro de 2017, para incluir novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares – PNPIC; 2018.

Conselho Federal de Enfermagem. Cofen manifesta apoio as práticas integrativas e complementares. Brasília; 2018 [acesso em 2019 jan]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/cofen-manifesta-apoio-as-praticas-integrativas-e-complementares_61201.html

Cooper HM. The integrative research review: a systematic approach. Beverly Hills: Sage; 1984.

Brasil. Lei N° 9.610, de 19 de fevereiro de 1998. Altera, atualiza e consolida a legislação sobre direitos autorais e dá outras providências; 1998.

Alves KYA, Assis YMS, Salvador PTCO, Nascimento CPA, Tourinho FSV, Santos VEP. Práticas Integrativas e Complementares no Tratamento Oncológico e o papel da enfermagem. Rev pesqui cuid fundam. 2015; 7(4):3163-3174.

Bastos RAA, Lopes AMC. A fitoterapia na Rede Básica de Saúde: o olhar da enfermagem. Rev Bras Cienc Saude. 2010; 14(2):21-8.

Magalhães MGM, Alvim NAT. Práticas Integrativas e Complementares no Cuidado de Enfermagem: Um enfoque ético. Esc Anna Nery. 2013; 17(4): 646-653.

Lima JF, Ceolin S, Pinto BK, Zilmmer JGV, Muniz RM, Schwartz E. Uso de terapias integrativas e complementares por pacientes em quimioterapia. Av enferm. 2015; 33 (3):372-380.

Caires JS, Andrade TA, Amaral JB, Calansans TA, Rocha MDS. A utilização das terapias complementares nos cuidados paliativos: benefícios e finalidades. Cogitare Enferm. 2014; 19(3):514-520.

Salles LF, Homo RFB, Silva MJP. Práticas integrativas e complementares: situação do seu ensino na graduação de enfermagem no Brasil. Rev Saúde. 2014; 8(3):1-4.

Abreu AVA, Reis PED, Gomes IP, Rocha PRS. Manejo não farmacológico da dor em pacientes com câncer: revisão sistemática. Onl Braz Jour Nurs. 2009 ; 8 (1):1-9.

Mafetoni RR, Shimo AKK. Métodos não farmacológicos para alívio da dor no trabalho de parto: revisão integrativa. Rev Min Enferm. 2014; 18(2):505-512.

Hoga LAK, Reberte LM. Técnicas corporais em Grupo de Gestantes: a experiência dos participantes. Rev Bras Enferm. 2006; 59(3):308-313.

Nelson JP. Being in Tune With Life Complementary Therapy Use and Well-Being in Residential Hospice Residents. J holistic nurs. 2006;24(3):152-61.

Villela MPC, Lemos MES. Os cuidados do enfermeiro-acupunturista ao paciente com angina estável: uma relação rumo a integralidade da assistência. Rev Min Enferm. 2010; 14(4):577-586.

Pereira RDM, Alvim NAT, Pereira CD, Gomes Junior SC. Acupuntura na hipertensão arterial sistêmica e suas contribuições sobre diagnósticos de enfermagem. Esc Anna Nery. 2017; 21(1):1-7.

Goyatá SLT, Avelino CCV, Santos SVM, Souza Jr DI, Gurgel MDSL, Terra FS. Effects from acupuncture in treating anxiety: integrative review. Rev Bras Enferm. 2016;69(3):564-71.

Tornoe K, Danbolt LJ, Kvigne KK, Sorlie V. A mobile hospice nurse teaching team’s experience: training care workers in spiritual and existential care for the dying - a qualitative study. MBC Care: Research Article. 2015; 14(43):1-9.

Lee WP, Wu PY, Lee MY, Ho LH, Shih WM. Music listening alleviates anxiety and physiological responses in patients receiving spinal anesthesia. Complement Ther Med. 2017; 8(13):1-6.

Soares MCS, Gonçalves CC, Junior HPOS, Silveira MFA. Humanización a través del toque: una pesquisa cualitativa con talleres. Onl Braz Jour Nurs. 2009; 8(1):1-7.

Beuter M, Alvim NAT. Expressões lúdicas no cuidado hospitalar sob a ótica de enfermeiras. Esc Anna Nery. 2010; 14(3):567-574.

. Pereira RDM. Acupuntura como tecnologia aplicada ao cuidado de enfermagem a adultos hipertensos: um estudo experimental [Dissertation]. [Rio de Janeiro (RJ)]: Escola de Enfermagem Anna Nery, Universidade Federal do Rio de Janeiro; 2015. 114p.

Esper MV, Gnatta JR, Silva MJP. Caracterização da produção científica sobre meditação na área da saúde e na Enfermagem: revisão de literatura. Cad Naturologia Terapias Complementares. 2016; 5(8):39-46.

Freitag VL, Dalmolin IS, Badke MR, Andrade A. Benefícios do Reiki em população idosa com dor crônica. Texto Contexto Enferm. 2014; 23(4):1032-40.

Silva LB, Lima IC, Bastos RA. Terapias Complementares e Integrativas: Conhecimento e utilização pelos docentes do curso de enfermagem de uma Instituição Pública. Rev saúde coletiva UEFS. 2016; 5(1): 40-45

Zdanski AD, Vargas NRC, Ceolin T, Heck RM, Haeffner R, Viegas CRS. A Enfermagem diante da utilização de plantas medicinais no tratamento complementar da hipertensão arterial sistêmica e das dislipidemias. Rev Min Enferm. 2010; 14(4):473-478.

Domingos TS, Braga EM. Significado da massagem com aromaterapia em saúde mental. Acta paul enferm. 2014; 27(6):579-84.

Villela MPC, Lemos MES. Os Cuidados do Enfermeiro-acupunturista ao paciente com angina estável: uma relação rumo a integralidade da assistência Rev Min Enferm. 2010; 14(4):577-586.

Downloads

Publicado

01/06/2019

Como Citar

Mendes, D. S., Moraes, F. S. de, Lima, G. de O., Silva, P. R. da, Cunha, T. A., Crossetti, M. da G. O., & Riegel, F. (2019). Benefícios das práticas integrativas e complementares no cuidado de enfermagem/ Benefits of integrative and complementary practices in nursing care/ Beneficios de las prácticas integrativas y complementarias en el cuidado de enfermería. Journal Health NPEPS, 4(1), 302–318. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3452

Edição

Seção

Artigo de Revisão/ Review Article/ Artículo de Revisión