Olhares e abordagens sobre crianças trans/ Looks and approaches on trans children/ Miradas y enfoques sobre niños(as) trans

Mariluci Vieira Gomes de Souza Gonçalves, Neil Franco

Resumo


Objetivo: conhecer possíveis olhares e abordagens sobre crianças trans. Método: ensaio teórico reflexivo, baseado em levantamento bibliográfico, utilizando-se a combinação de vários descritores: “criança trans”, “transexualidade infantil”, “transexualismo infantil”, “criança transexual”, “transexualidade na infância” e “universo trans infantil”. Resultados: foram encontradas 11 publicações entre os anos de 2005 e 2018, indicando recente interesse investigativo sobre a temática. Com base no material, foram construídas três categorias de descrição e análise, com ênfase em estudos sobre transexualidade nas mídias e vivências trans. A patologização desse fenômeno foi pouco exaltada no levantamento. Os dados também apontaram o campo das ciências humanas como mais interessada nessa temática, seguida das ciências da saúde, em que as investigações se sustentam em abordagens qualitativas de pesquisa e, sua maioria, propõe interrelações entre fontes empíricas, bibliográficas e/ou documentais.  Conclusão: além da pouca produção sobre a temática nas mais diversas áreas pesquisadas, os estudos predominantemente ressaltam as memórias acerca da infância de adultos(as) trans, não se propondo a trabalhar com as crianças no momento em que vivem a construção do gênero.


Palavras-chave


Transexualismo; Identidade de Gênero; Criança.

Texto completo:

PDF

Referências


Costa T. Psicanálise com crianças. Rio de Janeiro: Jorge Zahar; 2007.

Franco N, Ferreira NVC. Escritas de si: gênero e sexualidades em suspensão. Teoria Soc. 2018; 25(1): 61-81.

Bento B. Transviad@s: gênero, sexualidade e direitos humanos. Salvador: EDUFBA; 2017.

Franco N, Cicillini GA. Travestis, transexuais e transgêneros na escola: um estado de arte. Cad Pesqui. 2016; 23(2): 122-37.

Bento B. O que é transexualidade? São Paulo: Brasiliense; 2012.

Benedetti MR. Toda feita: o corpo e o gênero das travestis. Rio de Janeiro: Garamond; 2005.

Monteiro FSCT, Araújo AMM, Guedelho CJL, Beserra CVEA, Machado CS. Transexualidade infantil na psicologia: uma revisão bibliográfica. Mangaio Acad. 2017; 2(3): 1-8.

Severino AJ. Metodologia do trabalho científico. 24ª ed. São Paulo: Cortez; 2016.

Denzin NK, Lincoln YS. A disciplina e a prática da pesquisa qualitativa. In: Denzin NK, Lincoln YS, et al. O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. 2ª ed. Tradução de Sandra Regina Netz. Porto Alegre: Artmed; 2007.

Elian IT, Barbosa NF. Tomboy e Ma vie en rose: cinema, gênero, sexualidade e educação. Temporis(Ação). 2015; 15(1):30-44.

Rodrigues CM, Barros SC. Transexualidade na infância: reflexões a partir do documentário “Meu eu secreto – histórias de crianças trans”. Bagoas - Estudos Gays: Gen Sexual. 2016; 10(14): 297-320.

Louro GL. Cinema e sexualidade. Educ Real. 2008; 33(1):81-97.

Arana AP, Magalhães, JC. Filhos transgêneros merecem aceitação, respeito e amor: análise da reportagem do site Dicas de Mulher. Momento: Dial Educ. 2018; 27(1):335-50.

Kennedy N. Crianças transgênero: mais do que um desafio teórico. Cronos. 2010; 11(2):1-41.

Jesus JG. Crianças trans: memórias e desafios teóricos. In: Anais do III Seminário Internacional Enlaçando Sexualidades. Salvador: Universidade do Estado da Bahia; 2013. p. 1-14.

Oliveira LMR. Fronteiras, tensões e prazeres na vivência infantojuvenil de gênero: um estudo etnográfico e mãe-biográfico a respeito da vivência trans durante a infância: 18º REDOR – Perspectivas Feministas de Gênero; 2014.

Oliveira LMR. Maria/Pedro: um estudo sobre vivências, identificações e variações de gênero no período da infância. RBSE. 2018; 17(49): 81-96.

Zanette JE, Felipe J. Dos enigmas da infância: quando a transexualidade tensiona os scripts de gênero. In: Albuquerque SS, Felipe J, Corso LV. Para pensar a Educação Infantil em tempos de retrocessos: lutamos pela educação infantil. Porto Alegre: Evangraf; 2017.

Marchi MIC, Vanin MRLC. O reencontro com a identidade de gênero: contribuições da visão sistêmica novo-paradigmática e do psicodrama infantil. Estud Psicol. 2005; 22(2):175-85.

Dias MMF, Cavalcante DRR, Targino LS, Albuquerque Filho MC, Cayana EG. Transtorno de identidade de gênero infantil. Campina Grande: Anais do XII Colóquio Nacional Representações de Gênero e Sexualidades; 2016. p. 1-9.

Colapinto J. Sexo trocado: a história real do menino criado como menina. Rio de Janeiro: Ediouro; 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010