Efeitos da manobra de hiperinsuflação manual seguida da compressão descompressão torácica manual em pacientes oncológicos/ Effects of manual hyperinflation maneuver followed by manual chest compression and decompression in oncological patients/ Efectos...

Autores

  • Suzane Ketlyn Martello Hospital Erasto Gaertner
  • Débora Melo Mazzo Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais
  • Woldir Wosiack Filho Hospital Erasto Gaertner
  • Cesar Costa Hospital Erasto Gaertner
  • Juliana Carvalho Schleder Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais

Palavras-chave:

Oncologia, Cuidados Críticos, Fisioterapia, Respiração Artificial.

Resumo

Objetivo: avaliar os efeitos da manobra de hiperinsuflação manual (HM) isolada e associada à compressão descompressão torácica manual (CDTM) sobre a mecânica respiratória e os sinais vitais de pacientes oncológicos sob ventilação mecânica invasiva (VMI). Método: ensaio clínico não randomizado, com 23 pacientes oncológicos internados no Hospital Erasto Gaertner nos períodos de janeiro a junho de 2011 e agosto a dezembro de 2016, hemodinamicamente estáveis e sob VMI. Os dados de volume corrente (VC), volume minuto (Vmin), pressão de pico (Ppico), frequência cardíaca (FC) e saturação periférica de oxigênio (SpO2) foram avaliados antes da aplicação das manobras (AV1), imediatamente após a aplicação da HM (AV2) e 10 min após a aplicação da CDTM (AV3). Resultados: a SpO2 apresentou alteração significante estatisticamente entre a AV1 e AV2 (p=0,010), cujas medianas foram 99 (96–100) e 100 (97–100), respectivamente, evolução atribuída à manobra de HM isolada. A Ppico e FC mantiveram-se estáveis. Conclusão: a associação da HM à CDTM não gerou alterações significativas sobre a mecânica respiratória e os sinais vitais de pacientes oncológicos sob VMI. Porém, a manobra de HM de forma isolada, mostrou-se eficaz na melhora da SpO2 nessa população, sem causar alterações hemodinâmicas significativas.

Biografia do Autor

Suzane Ketlyn Martello, Hospital Erasto Gaertner

Possui graduação em Fisioterapia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2011), especialização em Acupuntura pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2015), Mestrado em Tecnologia em Saúde pela Escola Politécnica da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2015) e especialização em Cancerologia (especialização profissional / residência) pelo Hospital Erasto Gaertner (2017).

Débora Melo Mazzo, Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais

Graduada em Fisioterapia pelo Centro de Ensino Superior de Campos Gerais (2005). Possui Pós Graduação em Fisioterapia Hospitalar pela Faculdade Inspirar (2014), em Fisioterapia em Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica pelo INSG - Faculdade América do Sul (2016) e especialista em Fisioterapia em Terapia Intensiva Neonatal e Pediátrica pela ASSOBRAFIR. Mestre em Ciências da Saúde pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (2018).

 

Woldir Wosiack Filho, Hospital Erasto Gaertner

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Tuiuti do Paraná(1986), especialização em Especialização em Fisioterapia Respiratória pela Universidade Tuiuti do Paraná(1990), mestrado em Engenharia de Produção pela Universidade Federal de Santa Catarina(2002).

Cesar Costa, Hospital Erasto Gaertner

Possui graduação em Fisioterapia pela Universidade Tuiuti do Paraná (1984), especialização em Fisioterapia Oncológica pela Liga Paranaense de Combate ao Câncer (1992), Bacharel em Direito pelo Centro Universitário UnidomBosco - Curitiba.

Juliana Carvalho Schleder, Hospital Universitário Regional dos Campos Gerais

Possui graduação em Fisioterapia pelo Centro de Ensino Superior dos Campos Gerais (2005). É Especilalista em Fisioterapia Oncológica pela Sociedade Brasileira de Fisioterapia em Cancerologia (2008). Mestre em Tecnologia em Saúde pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná na área de concentração de Bioengenharia (2011). Doutora em Fisiologia na Universidade Federal do Paraná (2018).

Referências

Carvalho CRR, Junior CT, Franca SA. III Consenso Brasileiro de Ventilação Mecânica Ventilação mecânica: princípios, análise gráfica e modalidades ventilatórias. J Bras Pneumol. 2007; 33(2):54–70.

Dias CM, Siqueira TM, Faccio TR, Gontijo LC, Salge JASB, Volpe MS. Efetividade e segurança da técnica de higiene brônquica: hiperinsuflação manual com compressão torácica. Rev Bras Ter Intensiva. 2011; 23(2):190–8.

Naue WS, Forgiarini Junior LA, Dias AS, Vieira SRR. Chest compression with a higher level of pressure support ventilation: effects on secretion removal, hemodynamics, and respiratory mechanics in patients on mechanical ventilation. J Bras Pneumol. 2014; 40(1):55–60.

Ntoumenopoulos G, Presneill J, McElholum M, Cade J. Chest physiotherapy for the prevention of ventilator-associated pneumonia. Intensive Care Med. 2002; 28(7):850–6.

Jerre CG, Thelso R, Silva DJ, Beraldo MA, Gastaldi PA, Kondo C, et al. III CBVM - Fisioterapia no paciente sob ventilação mecânica. J Bras Pneumol. 2007; 33(Supl 2):142–50.

Stiller K. Physiotherapy in intensive care: an updated systematic review. Chest. 2000; 118(6):1801–13.

Windsor H, Harrison G, Nicholson T. “Bag squeezing”: a physiotherapeutic technique. Med J Aust. 1972; 2(1):829–32.

Moreira MR, Padilha KG. Ocorrências Iatrogênicas com Pacientes Submetidos à Ventilação Mecânica em Unidade de Terapia Intensiva. Acta Paul Enferm. 2001; 14(2):10–8.

Oliveira ABF, Dias OM, Mello MM, Araújo S, Dragosavac D, Nucci A, et al. Fatores associados à maior mortalidade e tempo de internação prolongado em uma unidade de terapia intensiva de adultos. Rev Bras Ter Intensiva. 2010; 22(3):250–6.

Martins RHG, Dias NH, Braz JRC, Castilho EC. Complicações das vias aéreas relacionadas à intubação endotraqueal. Rev Bras Otorrinolaringol. 2004; 70(5):671-7.

Ramsay MAE, Savege TM, Simpson BRJ, Goodwin R. Hospital Topics Controlled Sedation with Alphaxalone-Alphadolone. Br Med J. 1974; 22:656–9.

Margareth S, Lobo A, Rezende E, Mendes CL. Suporte Hemodinâmico. Consenso Bras Monit e Suporte Hemodinâmico - Parte V. 2006; 18:161–76.

Via FD, Oliveira RARA, Dragosavac D. Effects of manual chest compression and descompression maneuver on lung volumes, capnography and pulse oximetry in patients receiving mechanical ventilation. Brazilian J Phys Ther. 2012; 16(5):354–9.

Hodgson C, Denehy L, Ntoumenopoulos G, Santamaria J, Carroll S. An investigation of the early effects of manual lung hyperinflation in critically ill patients. Anaesth Intensive Care. 2000; 28(3):255–61.

Lemes DA, Alvitos K, Sixel B. Mechanical ventilator as a physical therapy device in intensive care unit. Eur Respir J. 2006; 28(50):730.

Lemes DAS, Guimarães FS. O Uso da Hiperinsuflação como Recurso Fisioterapêutico em Unidade de Terapia Intensiva. Rev Bras Ter Intensiva. 2007; 19(2):221-225.

Ortiz TA, Forti G, Volpe MS, Carvalho CRR, Amato MBP, Tucci MR. Estudo experimental sobre a eficiência e segurança da manobra de hiperinsuflação manual como técnica de remoção de secreção. J Bras Pneumol. 2013; 39(2):205–13.

Cavalcante LA, Mont’Alverne DGB. Applicability of bag squeezing and zeep maneuvers in mechanically ventilated patients. Rev Bras Ter intensiva. 2010; 22(2):186–91.

Nunes GS, Botelho GV, Schivinski CIS. Hiperinsuflação manual: revisão de evidências técnicas e clínicas. Fisioter em Mov. 2013; 26(2):423–35.

Maxwell LJ, Ellis ER. The effect of circuit type, volume delivered and “rapid release” on flow rates during manual hyperinflation. Aust J Physiother. 2003; 49(1):31–8.

Jones AYM, Hutchinson RC, Oh TE. Effects of bagging and percussion on total static compliance of the respiratory system. Physiotherapy. 1992; 78(2):661–5.

Magalhães B, Fernandes C, Santos C, Lígia L, Juan Miguel Martinez-Galiano. Autogestão das complicações associadas ao tratamento de quimioterapia: uma scoping review. J Health NPEPS. 2019; 4(2):370-404.

Downloads

Publicado

13/06/2020

Como Citar

Martello, S. K., Mazzo, D. M., Wosiack Filho, W., Costa, C., & Schleder, J. C. (2020). Efeitos da manobra de hiperinsuflação manual seguida da compressão descompressão torácica manual em pacientes oncológicos/ Effects of manual hyperinflation maneuver followed by manual chest compression and decompression in oncological patients/ Efectos. Journal Health NPEPS, 5(1), 276–289. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/3996

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale