Influência dos cuidados de enfermagem de reabilitação na recuperação da independência funcional do paciente/ Influence of rehabilitation nursing care on the recovery of functional independence of the patient/ Influencia de los cuidados de...

Andreia Maria Novo Lima, Maria Salomé Martins Ferreira, Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins, Carla Sílvia Fernandes

Resumo


Objetivo: conhecer a influência dos cuidados de enfermagem de reabilitação na recuperação da independência funcional do paciente. Método: estudo descritivo-correlacional, quantitativo, transversal e com amostragem não probabilística de tipologia acidental. Critérios de inclusão: medida independência funcional ≤90 e doentes sujeitos à imobilidade. Critérios de exclusão: portadores de doenças neoplásicas e com alterações do estado de consciência. Para a coleta de dados foi utilizado questionário sóciodemografico e a Escala MIF. Resultados: os dados da amostra (n=40), revelam uma média de idades de 76,4 anos, na sua maioria mulheres (57,5%), casadas (55%), com o primeiro ciclo de escolaridade (70%), e estiveram sujeitos em média a 49,6 dias de imobilidade. A independência funcional teve uma melhoria significativa da 1ª (46,69) para a 2ª avaliação (94,61). Conclusão: a imobilidade tende a prejudicar a qualidade de vida e saúde da pessoa, exigindo intervenção profissional. Essas pessoas sob cuidados de enfermeiros de reabilitação, recuperaram 36,98% da sua independência funcional.


Palavras-chave


Enfermagem; Reabilitação; Área de Dependência-Independência; Pessoas Acamadas.

Texto completo:

PDF

Referências


Ferreira CAAC. Qualidade de vida do doente com cirrose hetática [dissertação]. Coimbra: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra; 2013. 211 p.

Henriques GCCC. Reabilitação e cirurgia cardíaca – Revisão sistemática da literatura [dissertação]. Bragança: Instituto Politécnico de Bragança – Escola Superior de saúde; 2016. 123 p.

Fábio SRC, Coletto FA, Neto OMP, Okubo PCMI, Moro CHC, Martins SCO. Rotinas no AVC – Pré-Hospital e Hospitalar. Lisboa: Ministério da Saúde; 2018.

Edelmuth SVCL, Sorio GN, Sprovieri FAA, Gali JC, Peron SF. Comorbilidades, intercorrências clínicas e fatores associados à mortalidade em pacientes idosos internados por fatura de quadril. Rev Bra de Ortop. 2018; 53(5):543-551.

Piredda M, Bartiromo C, Capuzzo MT, Matarese M, Marinis MG. Nursing care dependence in the experiences of advanced cancer impatientes. Eur j of oncol nurs. 2016; 20(2):125-132.

Wibelinger LM, Schneider RH, Tonial A, Oliveira G, Klein B, Capitânio. Avaliação da força muscular (torque muscular) de flexores e extensores de joelho em indivíduos idosos socialmente ativos. RBCEH. 2009; 6(2):284-292.

Phipps W. (2009). Enfermagem médico-cirúrgica – conceitos e prática clínica. 8.ª ed. Loures: Lusociência; 2009.

Ordem dos Enfermeiros (OE). Classificação Internacional para a prática de Enfermagem – Versão 2015. Lisboa: Lusodidacta; 2016.

Ministério da Saúde. Retrato da saúde. Lisboa: Ministério da Saúde; 2018.

Sibinelli M, Maioral DC, Falcão ALE, Kosour C, Dragosavac D, Lima NMFV. The effets of orthostatism in adult intensive care unit patients. Rev Bras Ter Intensiva. 2012; 24(1):64-71.

Mendes, R.; Chaves, C. Alterações da mobilidade após internamento prolongado em cuidados intensivos: A situação no Hospital Amato Lusitano. Rev saúde amato lusitano. 2012; 31:6-12.

Ordem dos Enfermeiros (OE). Cuidados à Pessoa com Alterações da Mobilidade – Posicionamentos, Transferências e Treino de Deambulação. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros; 2013.

Andrade LT, Araújo EG, Pimenta AKR, Soares DM, Machado CTC. Papel da Enfermagem na reabilitação física. Rev Bras Enferm. 2010; 63(6):1056-1060.

Ordem dos Enfermeiros (OE). Regulamento dos padrões de qualidade dos cuidados especializados em enfermagem de reabilitação. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros; 2011.

Associação Portuguesa dos Enfermeiros de Reabilitação (APER). Contributos para o Plano Nacional de Saúde 2011-2016. Porto; 2010 [acesso em 2019 set. 25]. Disponível em: https://aper.pt/ficheiros/documentos/aper2.pdf

Preto LSR, Gomes JRL, Novo AFM, Mendes MER, Molina JG. Efeitos de um programa de reabilitação no aptidão funcional de idosos institucionalizados. Referência. 2016; 5(8):55-63.

Laíns J. Sistema uniformizado de dados para reabilitação médica. Coimbra; 1991 [acesso em 2019 set. 25]. Disponível em: http://rihuc.huc.min-saude.pt/handle/10400.4/541

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da Versão Brasileira da Medida de Independência Funcional. São Paulo; 2004 [acesso em 2019 set. 25]. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/099b/2c7f18d14c453b5b859784bdf3d6bb63133c.pdf

Base de Dados Portugal Contemporâneo. Esperança de vida á nascença: total e por sexo (base: triénio a partir de 2001). Lisboa; 2019 [acesso em 2019 out. 26]. Disponivel em: https://www.pordata.pt/Portugal

Campos A. Portuguesas vivem cada vez mais tempo, mas com menos saúde. Lisboa; 2019 [acesso em 2019 out. 26]. Disponivel em: http://repositorio.esepf.pt/bitstream/20.500.11796/2214/2/TM_2015_EEMarciaRainhaAnexos.pdf

Petronilho F. Autocuidado: Conceito Central da Enfermagem. 1.ª ED. Coimbra: Formasau, 2012.

Januário JC. Resultados das intervenções do Enfermeiro de Reabilitação na Pessoa no Serviço de Medicina Interna dos Hospitais da Universidade de Coimbra [dissertação]. Coimbra: Faculdade de Economia – Universidade de Coimbra; 2013. 102 p.

Ordem dos Enfermeiros. Diário da República. Regulamento n.º 350, 2.ª série, n.º 119, de 22 jun. 2015: Regulamento dos Padrões de Qualidade dos Cuidados Especializados em Enfermagem em Enfermagem de Reabilitação. [internet] 2015 [acesso em 2019 Set 25]. Disponivel em: https://www.ordemenfermeiros.pt/arquivo/legislacao/Documents/LegislacaoOE/RegulamentoPadQualidadeCuidEspecializEnfReabilitacao_DRJun2015.pdf

Benvegnu AB, Gomes LA, Souza CT, Cuadros TBB, Pavão LW, Ávila SN. Avaliação da medida de independência funcional de indivíduos com sequelas de acidente vascular cerebral. Rev Ciênc Saúde. 2008; 1(2):71-77.

Fernandes CA, Gomes, JÁ, Magalhães BM, Lima AMN. Produção de conhecimento em enfermagem de reabilitação portuguesas – scoping review. J health NPEPS. 2019; 4(1):282-301.

Macêdo AML, Cerchiari EAN, Alvarenga MRM, Faccenda O, Oliveira MAC. Avaliação funcional de idosos com deficit cognitivo. Acta paul enferm. 2012; 25(3):358-363.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010