Instituições de longa permanência para idosos: a realidade no Brasil/ Long-stay institutions for the elderly: the reality in Brazil/ Instituciones de larga permanencia para personas mayores: la realidad en Brasil

Autores

Palavras-chave:

Idoso, Cuidadores, Instituição de Longa Permanência para Idosos.

Resumo

Objetivo: caracterizar os aspectos de funcionamento, os serviços ofertados e a infraestrutura das instituições de longa permanência para idosos no Brasil. Método: estudo descritivo seccional. Foram sorteados, dois municípios por cada região, atendendo aos critérios de inclusão. Assim, a amostra do estudo foi composta por 11 municípios das cinco regiões do país, incluindo instituições públicas, privadas e filantrópicas. Resultados: foi identificado que 47% destas instituições possuem responsáveis técnicos de nível superior e uma porcentagem significativa que não possuem nenhuma formação. Na maioria destas instituições prevalece o atendimento do médico (88%) e do enfermeiro (66%). Em relação a infraestrutura, 75% apresentam condições físicas satisfatórias. Considerações finais: as instituições incluídas nessa pesquisa atendem as condições estabelecidas pela RDC 283, principalmente nos aspectos de infraestrutura. No entanto, além de requisitos mínimos para funcionamento, esses serviços devem ofertar uma assistência integral e de qualidade, que contemple as necessidades dessa população institucionalizada.

Biografia do Autor

Vivianni Barros Wanderley, Grau Técnico Natal e Parnamirim.

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Potiguar. Graduada em Saúde Coletiva, pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Pós-Graduada em Enfermagem Ginecológica e Obstétrica. Atualmente atuando como Coordenadora de Enfermagem na instituição Grau Técnico Natal e Parnamirim.

Isaac Newton Machado Bezerra, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Graduado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN, Residente Programa de Residência Multiprofissional de Interiorização de Atenção à Saúde- PRMIAS no Centro Acadêmico de Vitória / Universidade Federal de Pernambuco-UFPE

Isac Davidson Santiago Fernandes Pimenta, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Graduado em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Saúde Coletiva pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN)

Gerson da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Graduado  em Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Flávia Christiane de Azevedo Machado, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Docente do Departamento de Saúde Coletiva da Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Docente do Programa de Pós-Graduação em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde- QualiSaude

Vilani Medeiros de Araújo Nunes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Saúde Coletiva. Natal/RN;Docente do Programa de Pós-Graduação em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde- QualiSaude

Grasiela Piuvezam, Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN

Doutora em Ciências da Saúde pela Universidade Federal do Rio Grande do Norte-UFRN. Professora Adjunta da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Departamento de Saúde Coletiva. Natal/RN.Coordena o grupo de pesquisa do CNPq-UFRN Laboratório de Estudos Epidemiológicos (LEEp) e é Coordenadora adjunto do grupo de pesquisa do CNPq-UFRN Melhoria da Qualidade em Serviços de Saúde (QualiSaúde), que atua em rede com o grupo CalidadSalud na Espanha (Universidad de Murcia) e no México (Instituto Nacional de Salud Pública)Coordenadora do Programa de Pós-Graduação em Gestão da Qualidade em Serviços de Saúde- QualiSaude

Referências

Ministério da Saúde (BR). Resolução da Diretoria Colegiada - RDC/ ANVISA Nº 283, de 26 de setembro de 2005. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2005.

Roquete FF, Batista CCRF, Arantes RC. Demandas assistenciais e gerenciais das instituições de longa permanência para idosos: uma revisão integrativa (2004-2014). Rev bras geriatr gerontol. 2017; 20(2):286-299.

Rodrigues L, Perrugia L, Rodrigues A, Cláudio L. Idosos em instituições de longa permanência: um discurso da adaptação frente a um novo território. Unesc rev. 2018; 2(1):1-5.

Oliva-Magaña M, Moreno-Torres A, Blanco-Súarez M, González-Sábado R, Moreno-Oliva L. Estrategia formativa de la autoestima positiva en el adulto mayor institucionalizado del municipio Manzanillo. Multimed. 2016; 20(1):1-12

Ferreira LL, Cochito TC, Caíres F, Marcondes LP, Saad PCB. Capacidade funcional de idosos institucionalizados com e sem doença de Alzheimer. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2014; 17(3):567–73.

Leal MCC, Apóstolo JLA, Mendes AMOC, Marques APO. Prevalência de sintomatologia depressiva e fatores associados entre idosos institucionalizados. Acta Paul Enferm. 2014; 27(3):208–14.

Miranda GMD, Mendes ACG, Silva ALA. Population aging in Brazil: current and future social challenges and consequences. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2016; 19(3):507–19.

Mourão LF, Xavier DAN, Neri AL, Luchesi KF. Estudo da associação entre doenças crônicas naturais do envelhecimento e alterações da deglutição referidas por idosos da comunidade. Audiol Commun Res. 2016; 21:e1657.

Shier V, Khodyakov D, Cohen LW, Zimmerman S, Saliba D. What Does the Evidence Really Say About Culture Change in Nursing Homes? Gerontologist. 2014; 54(Suppl1):S6–16.

Silva JFC, Marques EM, Nobre TTX, Bezerra INM, Lima JCS. Doenças crônicas e sonolência diurna excessiva em pessoas idosas. Rev Bras Promoç Saúde. 2018; 31(3):1–10.

Leiva-Saldaña A, Sánchez-Ramos JL, León-Jariego JC, Palacios-Gómez L. Factores predictores de deterioro cognitivo en población mayor de 64 años institucionalizada y no institucionalizada. En Clin. 2016; 26(2):129-136.

Brasil. Ministério da Previdência e Assistência Social. Secretaria de Políticas de Assistência Social. Portaria n. 73, de 10 de maio de 2001. Define as normas de funcionamento de serviços de atenção ao idoso no Brasil. Diário Oficial da União, Brasília, 14 maio 2001. Seção 1, p. 174-84.

Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Características das instituições de Longa Permanência para Idosos. Região Nordeste [Internet]. Brasília (DF): IPEA; 2008 [citado 2018 ago. 3]. 348 p. Disponível em: http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/livros/Livro__CaractdasInstituicoesRegiao_Nordeste.pdf

Porto AL, Leal CBM, Rios MA, Fernandes TSS, Fernandes ESF, Ferreira RBS. Características sociodemográficas e custo de hospitalizações por fratura de fêmur em idosos na Bahia. J Health NPEPS. 2019; 4(2):297-309.

Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas. Características das Instituições de Longa Permanência para Idosos - Região Nordeste. Rio de Janeiro: IPEA; 2008.

Von Elm E, Altman DG, Egger M, Pocock SJ, Gøtzsche PC, Vandenbroucke JP, et al. Strengthening the reporting of observational studies in epidemiology (STROBE) statement: guidelines for reporting observational studies. BMJ. 2007; 335(7624):806–8.

Vitorelli DLFK, Ribeiro EM, Morais RJH, Siepierski CT, Silva JV, Mendes MA. Instituições de longa permanência como alternativa no acolhimento das pessoas idosas. Rev salud pública. 2017; 19(2): 210-214.

Fátima L, Vicentini de Oliveira D, Nascimento Júnior JRA, Pivetta NRS, Viana DA, Ruas G. Hábitos de vida associados ao perfil funcional respiratório de idosos institucionalizados. Saber Científico. 2018; 7(1):57-67.

Carballo-Rodríguez A, Gómez-Salgado J, Casado-Verdejo I, Ordás B, Fernández D. Estudio de prevalencia y perfil de caídas en ancianos institucionalizados. Gerokomos. 2018; 29(3):110-116.

Andrade FLJP, Lima JMR, Fidelis KNM, Jerez-Roig J, Lima KC. Cognitive impairment and associated factors among institutionalized elderly persons in Natal, Rio Grande do Norte, Brazil. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2017; 20(2):186–96.

Carvalho VL. Perfil das instituições de longa permanência para idosos situadas em uma capital do Nordeste. Cad Saúde Colet. 2014; 22(2):184–91.

Alves MB, Menezes MR, Felzemburg RDM, Silva VA, Amaral JB. Instituições de longa permanência para idosos: aspectos físico-estruturais e organizacionais. Esc Anna Nery. 2017; 21(4):e20160337.

Amador LMP, Moreno MCC, González GG. Evaluación de la calidad de la atención en salud y enfermería en un Hogar de Ancianos. Rev Cubana Enferm. 2018; 24(2):1-12.

Lini EV, Portella MR, Doring M, Santos MIPO. Instituições de longa permanência para idosos: da legislação às necessidades. Rev Rene. 2015; 16(2):284-93.

Salcher EBG, Portella MR, Scortegagna HM. Cenários de instituições de longa permanência para idosos: retratos da realidade vivenciada por equipe multiprofissional. Rev Bras Geriatr Gerontol. 2015; 18(2):259-72.

Santos ACW, Hammersc KSA, Girondi JBR, Schier J, Ferreira JM, Dacoregio BM, Percepção da equipe multiprofissional sobre o registro no prontuário do residente da instituição de longa permanência para idosos. Cienc enferm. 2018; 24(10).

Damaceno DG, Chirelli MQ, Lazarini CA. A prática do cuidado em instituições de longa permanência para idosos: desafio na formação dos profissionais. Rev bras geriatr gerontol. 2019; 22(1):e180197.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Saúde da Pessoa Idosa. Portaria nº 2.529/GM de 19 de outubro de 2006. Institui a Internação Domiciliar no âmbito do SUS. Diário Oficial da União; Brasília; 20 out. 2006 [acesso em 2018 Set 23].

Donabedian A. The Quality of Care: How Can It Be Assessed? JAMA J Am Med Assoc. 1989; 260(12):1743-8.

Saturno-Hernández P. Métodos y herramientas para la realización de ciclos de mejora de la calidad en servicios de salud. Instituto Nacional de Salud Pública; 2015.

Downloads

Publicado

01/06/2020

Como Citar

Wanderley, V. B., Bezerra, I. N. M., Pimenta, I. D. S. F., da Silva, G., Machado, F. C. de A., Nunes, V. M. de A., & Piuvezam, G. (2020). Instituições de longa permanência para idosos: a realidade no Brasil/ Long-stay institutions for the elderly: the reality in Brazil/ Instituciones de larga permanencia para personas mayores: la realidad en Brasil. Journal Health NPEPS, 5(1), 321–337. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/4183

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)