Conhecimentos, atitudes e práticas de mulheres frente ao exame preventivo do câncer do colo uterino/ Knowledge, attitudes and practices of women in the face of preventive cervical cancer test/ Conocimiento, actitudes y practicas de mujeres en la cara...

Anthagoras Dantas de Mesquita, Karla Katrine Neri Teles, Suelem Cristina Barroso da Silva, Frankllin Ramon da Silva, Leila Keury Costa Lima, Ruth Silva Lima da Costa, Eder Ferreira de Arruda

Resumo


Objetivo: identificar os conhecimentos, atitudes e práticas de mulheres frente ao exame preventivo do câncer do colo uterino. Método: trata-se de um estudo transversal, desenvolvido junto a 160 mulheres atendidas em uma unidade de saúde do Acre. Os dados foram coletados através de entrevista e analisados a partir do programa Statical Package for the Sciences. Resultados: a maioria das mulheres estavam na faixa etária de 30 a 40 anos, com ensino médio completo, casadas, renda familiar de um salário mínimo, não faziam uso de tabaco ou álcool, com início da vida sexual após os 15 anos e sem histórico de infecção sexualmente transmissível. Entre as participantes, 53,1% demostraram ter conhecimento adequado sobre o câncer, bem como 97,5% e 58,8% possuindo atitudes e práticas adequadas, respectivamente. Conclusão: é essencial a continuidade das ações integradas de educação em saúde, a fim de prevenir e controlar a doença, bem como garantir a continuidade do acesso, adesão e conhecimento das mulheres sobre a importância do exame.


Palavras-chave


Atenção Primária à Saúde; Diagnóstico; Saúde da Mulher.

Texto completo:

PDF

Referências


Figueiredo MC, Melo Júnior JM, Segati KD. Prevalência de lesões precursoras para o câncer de colo de útero nas regiões e sua relação com a cobertura do programa de rastreamento. Femina. 2014; 42(6):295-302.

Bray F, Ferlay J, Soerjomataram I, Siegel RL, Torre LA, Jemal A. Global Cancer Statistics 2018: Globocan estimates of incidence and mortality worldwide for 36 cancers in 185 countries. CA Cancer J Clin. 2018; 68(6):394-424.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da

Silva (INCA). Estimativa 2018: incidência de câncer no Brasil. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2017.

Aguilar RP, Soares DA. Barreiras à realização do exame Papanicolau: perspectivas de usuárias e profissionais da estratégia de saúde da família da cidade de Vitória da Conquista - BA. Physis. 2015; 25(2):359-379.

Organização Mundial da Saúde (OMS). Nota de orientação da OPAS/OMS: prevenção e controle de amplo alcance do câncer do colo do útero: um futuro mais saudável para meninas e mulheres. Washington, DC: OPAS, 2013.

Mirzaie-Kashani E, Bouzari M, Talebi A, Arbabzadeh-Zavareh F. Detection of Human Papillomavirus in Chronic Cervicitis, Cervical Adenocarcinoma, Intraepithelial Neoplasia and Squamus Cell Carcinoma. Jundishapur J Microbiol 2014; 7(5):1-5.

Stewart B, Wild C. World cancer report. 1st ed. Lyon: IARC press; 2014.

Costa RSL, Rodrigues MV, Souza TN. Fatores que levam a não adesão ao exame preventivo do câncer do colo uterino em uma unidade de saúde do Acre em 2014. DêCiência em Foco. 2018; 2(2):5-18.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Resultados do Censo 2010: Rio Branco. Rio de Janeiro: IBGE; 2012.

Brenna SMF, Hardy E, Zeferino LC, Namura I. Conhecimento, atitude e prática do exame de Papanicolaou em mulheres com câncer de colo uterino. Cad Saúde Pública. 2001; 17(4):909-14.

Sena LX, Souza NA, Gradella DBT. Conhecimento, atitude e prática do exame Papanicolau por mulheres do norte do Espírito Santo. Enc Biosfera. 2018; 15(27):102-12.

Silva RCG, Silva ACO, Peres AL, Oliveira SR. Profile of women with cervical cancer attended for treatment in oncology center. Rev Bras Saude Mater Infant. 2018; 18(4):695-702.

Dias EG, Santos DDC, Dias ENF, Alves JCS, Soares LR. Perfil socioeconômico e prática do exame de prevenção do câncer do colo do útero de mulheres de uma unidade de saúde. Rev Saude e Desen. 2015; 7(4):135-146.

Silva MAS, Teixeira EMB, Ferreira RAP, Cestari MEW, Cardelli AAM. Fatores relacionados a não adesão à realização do exame de Papanicolau. Rev Rene. 2015; 16(4):532-539.

Akinyemiju T, Ogunsina K, Sakhuja S, Ogbhodo V, Braithwaite D. Life-course socioeconomic status and breast and cervical cancer screening: analysis of the WHO's Study on Global Ageing and Adult Health (SAGE). BMJ Open. 2016; 6:1-10.

Rimande-Joel R, Ekenedo G. Knowledge, Belief and Practice of Cervical Cancer Screening and Prevention among Women of Taraba, North-East Nigeria. Asian Pac J Cancer P. 2019; 20(11):3291-3298.

Conde CR, Lemos TMR, Ferreira MLSM. Características sociodemográficas, individuales y de programación de las mujeres con cáncer cervical. Enferm glob. 2018; 17(49):348-380.

Lopes NC, Aragão FBA, Pereira JFS, Oliveira KCC, Boas DP, Silva EC et al. Exame de colpocitologia oncótica: conhecimento e prática de usuárias de uma unidade básica de saúde em Formosa da Serra Negra – MA. Braz J Surg Clin. 2017; 20(1):49-53.

Oliveira AC, Pessoa RS, Carvalho AMC, Magalhães RLB. Fatores de risco e proteção à saúde de mulheres para prevenção do câncer uterino. Rev Rene. 2014; 15(2):240-48.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Diretrizes brasileiras para o rastreamento do câncer do colo do útero. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Ministério da Saúde (BR). Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (INCA). Causas e Prevenção: Bebidas Alcoólicas. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2019.

Mayadev J, Li CS, Lim J, Valicenti R, Alvarez EA. Alcohol abuse decreases pelvic control and survival in cervical cancer: an opportunity for lifestyle intervention to improve outcomes. Am J Clin Oncol. 2017; 40(5):451–457.

Rozario S, Silva IF, Koifman RJ, Silva IF. Caracterização de mulheres com câncer cervical atendidas no Inca por tipo histológico. Rev Saúde Pública. 2019; 53:88.

Bellaminutti S, Seraceni S, De Seta F, Gheit T, Tommasino M, Comar M. HPV and Chlamydia trachomatis co-detection in young asymptomatic women from high incidence area for cervical cancer. Med Virol. 2014; 86(11):1920-1925.

Camporiondo MP, Farchi F, Ciccozzi M, Denaro A, Gallone D, Maracchioni F, et al. Detection of HPV and co-infecting pathogens in healthy Italian women by multiplex real-time PCR. Infez Med. 2016; 24(1):12-17.

Parthenis C, Panagopoulos P, Margari N, Kottaridi C, Spathis A, Pouliakis A, et al. The association between sexually transmitted infections, human papillomavirus, and cervical cytology abnormalities among women in Greece. Int J Infect Dis. 2018; 73:72-77.

Mapanga W, Girdler-Brown B, Singh E. Knowledge, attitudes and practices of young people in Zimbabwe about cervical cancer and HPV, current methods of screening and vaccination. BMC Cancer. 2019; 19(1):1-14.

Silva BL, Santos RNLC, Ribeiro FF, Anjos UU, Ribeiro KSQS. Prevenção do câncer de colo uterino e ampliação da faixa etária de risco. Rev enferm UFPE online. 2014; 8(6):1482-90.

Vasconcellos SA, Muniz RM, Viegas AC, Cardoso DH, Amaral DED, Barboza MCN. Mulher com câncer do colo do útero: trajetória terapêutica. J Health NPEPS. 2016; 1(1):17-30.

Zeledón PIZ, Turcios MCL. Conocimientos y factores culturales de mujeres que intervienen en la realización del papanicolaou en Nicaragua. J Health NPEPS. 2017; 2(1):206-217.

Silva RGM, Nascimento VF, Santos POF, Ferreira MZJ. Teste de Papanicolau: realização e conhecimento de acadêmicas de enfermagem. Rev epidemiol controle infecç. 2019; 9(1):81-86.

Souza KR, Paixão GPN, Almeida ES, Souza AR, Lírio JGS, Campos LM. Educação popular como instrumento participativo para a prevenção do câncer ginecológico: percepção de mulheres. Rev Cuid. 2015; 6(1):892-899.

Ebu NI, Amissah-Essel S, Asiedu C, Akaba S, Pereko KA. Impact of health education intervention on cervical cancer knowledge and perception and screening for women in Ghana. BMC public health. 2019; 19(1505):1-11.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010