Independência funcional e o estado confusional de pessoas sujeitas a programa de reabilitação/ Functional Independence of people presenting confusional state subject to rehabilitation/ Independencia functional y el estado de confusión de las personas sujetas a programa de rehabilitación

Autores

  • Andreia Maria Lima Universidade Fernando Pessoa
  • Maria Salomé Martins Ferreira Instituto Politécnico de Viana do Castelo
  • Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins Escola Superior de Enfermagem do Porto
  • Carla Silvia Fernandes Escola Superior de Enfermagem do Porto
  • Maria Teresa Ferreira Moreira Universidade Fernando Pessoa
  • Tânia Marisa Pinto Rodrigues Centro Hospitalar Universitário São João

Palavras-chave:

Enfermagem, Reabilitação, Independência, Confusão, Pessoas Acamadas

Resumo

Objetivo: conhecer a influência do estado confusional na recuperação da independência funcional do paciente sujeito a reabilitação. Método: estudo descritivo-correlacional, quantitativo e longitudinal, com amostragem não probabilística, de tipologia acidental. Critérios de inclusão: medida de independência funcional ?90 e pacientes sujeitos a imobilidade. Critérios de exclusão: pacientes portadores de doenças neoplásicas e com uma escala de coma de Glasgow <11. Para a coleta de dados, utilizou-se um questionário sociodemográfico e as escalas NEECHAM e MIF. Resultados: os dados da amostra (n=40), revelam idade de 76,48 anos, em sua maioria mulheres, casadas, com o primeiro ciclo e em média estiveram sujeitos a 49,60 dias de imobilidade. O estado confusional teve uma melhoria significativa da 1ª avaliação na admissão, na qual 52,2% dos indivíduos apresentavam-se com confusão moderada a severa, para a 2ª avaliação na alta, em que 85% apresentavam-se não confusos.  A independência funcional registou uma melhoria de 38,03%. Conclusão: a confusão é um problema neuropsiquiátrico que interfere na atenção e a cognição, nomeadamente na capacidade de percepção. No entanto, mesmo os participantes confusos, quando submetidos a um programa de enfermagem de reabilitação tendem a recuperar a independência funcional.

Biografia do Autor

Andreia Maria Lima, Universidade Fernando Pessoa

Enfermeira, Enfermeira Especialista e Enfermagem de Reabilitação, Pós-graduada em Psicologia da Saúde, Pós-graduada em Gestão em Enfermagem, Mestre em Enfermagem de Reabilitação, a frequentar o 4.º do Doutoramento em Ciências de Enfermagem

Maria Salomé Martins Ferreira, Instituto Politécnico de Viana do Castelo

Enfermeira, Enfermeira Especialista e Enfermagem de Reabilitação, Professora Doutora em Psicologia da Saúde

Maria Manuela Ferreira Pereira da Silva Martins, Escola Superior de Enfermagem do Porto

Enfermeira, Enfermeira Especialista e Enfermagem de Reabilitação, Professora Doutora em Ciências de Enfermagem

Carla Silvia Fernandes, Escola Superior de Enfermagem do Porto

Enfermeira, Enfermeira Especialista e Enfermagem de Reabilitação, Professora Doutora em Ciências de Enfermagem

Maria Teresa Ferreira Moreira, Universidade Fernando Pessoa

Enfermeira, Professora Doutora em Enfermagem

Tânia Marisa Pinto Rodrigues, Centro Hospitalar Universitário São João

Enfermeira, Enfermeira Especialista e Enfermagem de Reabilitação, Pós-graduada em Gestão em Enfermagem, Mestre em Enfermagem de Reabilitação, a frequentar o 4.º do Doutoramento em Ciências de Enfermagem

Referências

Lima AMN, Ferreira MSM, Martins MMFPS, Fernades CS. Influência dos cuidados de enfermagem de reabilitação na recuperação da independência do paciente. J Health NPEPS. 2019; 4(2):28-43.

Camões M, Fernandes F, Silva B, Rodrigues T, Costa N, Bezerra P. Exercício físico e qualidade de vida dos idosos: diferentes contextos sociocomportamentais. Motricidade. 2016; 12(1):96-105.

Edelmuth SVCL, Sorio GN, Sprovieri FAA, Gali JC, Peron SF. Comorbilidades, intercorrências clínicas e fatores associados à mortalidade em pacientes idosos internados por fatura de quadril. Rev Bras Ortop. 2018; 53(5):543-551.

Instituto Nacional de Estatistica (PT). Mantém-se o agravamento do envelhecimento demográfico, em Portugal, que só tenderá a estabilizar daquia a cerca de 40 anos. Lisboa; 2017 [acesso em 2020 Mar. 31] Disponível em: https://www.ine.pt/xportal/xmain?xpid=INE&xpgid=ine_destaques&DESTAQUESdest_boui=277695619&DESTAQUESmodo=2&xlang=pt

Direção Geral de Saúde (DGS). Estratégia nacional para o envelhecimento ativo e saudável 2017-2025. Lisboa; 2017 [acesso em 2020 Mar. 31] Disponível em: https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/07/ENEAS.pdf

Ordem dos Enfermeiros (OE). Classificação Internacional para a prática de Enfermagem – Versão 2015. Lisboa: Lusodidacta; 2016.

Ministério da Saúde (PT). Retrato da saúde. Lisboa: Ministério da Saúde; 2018.

Piredda M, Bartiromo C, Capuzzo MT, Matarese M, Marinis MG. Nursing care dependence in the experiences of advanced cancer impatientes. Eur J Oncol Nurs. 2016; 20(2):125-132.

Phipps W. Enfermagem médico-cirúrgica – conceitos e prática clínica. Loures: Lusociência; 2009.

Carrilho L, Gameiro C, Ribeiro A. Envelhecer no concelho de Oeiras: Estudo numa população institucionalizada. Anál Psicol. 2015; 1(35):121-135.

Fontoni MR, Oliveira WL, Kaneta CN. Winnicotti e o desafio do atendimento a pacientes idosos em estado confusional. Psicol Saúde Doenças. 2014; 15(3): 816-827.

Ordem dos Enfermeiros (PT). Cuidados à Pessoa com Alterações da Mobilidade – Posicionamentos, Transferências e Treino de Deambulação. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros; 2013.

Ministério da Saúde (PT). Medicina Física e de Reabilitação. Lisboa; 2017 [acesso em 2020 Mar. 31]. Disponível em: https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/03/2017-01-27-RNEHRMedFisicaReabVersaoFinal.pdf

Laíns J. Sistema uniformizado de dados para reabilitação médica. Coimbra; 1991 [acesso em 2019 set. 25]. Disponível em: http://rihuc.huc.min-saude.pt/handle/10400.4/541

Prado ARA, Ramos RL, Ribeiro OMPL, Figueiredo NMA, Martins MM, Machado WCA. Bath for dependent patients: theorizing aspects of nursing care in rehabilitation. Rev Bras. Enferm. 2017; 70(6):1337-42.

Diário da República (PT). Regulamento das competências especificas do enfermeiro especialista em Enfermagem de Reabilitação. Lisboa; 2019 [acesso em 2020 Mar. 31]. Disponível em: https://dre.pt/application/conteudo/122216893

Base de Dados Portugal Contemporâneo. Esperanc?a de vida a? nascenc?a: total e por sexo (base: trie?nio a partir de 2001). Lisboa; 2019 [acesso em 2019 out. 26]. Disponivel em: https://www.pordata.pt/Portugal

Neves H, Silva A, Marques P. Tradução e adapatação cultural da escala de confusão de NEECHAM. Rev. Enf. Ref. 2011; 3(3):105-112.

Riberto M, Miyazaki MH, Jucá SSH, Sakamoto H, Pinto PPN, Battistella LR. Validação da Versão Brasileira da Medida de Independência Funcional. São Paulo; 2004 [acesso em 2019 set. 25]. Disponível em: https://pdfs.semanticscholar.org/099b/2c7f18d14c453b5b859784bdf3d6bb63133c.pdf

Fontoni MR, Oliveira WL, Kaneta CN. Winnicitt and the challeng in care of elderly patients with confusional state. Psic Saúde & Doenças. 2014; 15(3):816-827.

Ordem dos Enfermeiros. Padrões de qualidade dos cuidados especializados em enfermagem de reabilitação. Lisboa; 2018 [acesso em 2020 mar. 15]. Disponível em: https://www.ordemenfermeiros.pt/media/8141/ponto-4_regulamento-dos-padr%C3%B5es-qualidade-ceer.pdf

Tineo JPA, Ascencio LAC, Moya CRR, Caballero SP, Aguilar CAC, Alva RV. Factores associados a síndrome confusional agudo em adultos mayores internados em emergência de um hospital terciário. Na Fac Med. 2013; 74(3):193-7.

Sistema Nacional de Saúde. Rede Nacional de Especialidade Hospitalar e de Referenciação – Medicina Física de Reabilitação. Lisboa; 2017 [acesso em 2020 mar. 15]. Disponível em: https://www.sns.gov.pt/wp-content/uploads/2017/03/2017-01-27-RNEHRMedFisicaReabVersaoFinal.pdf

Ordem dos Enfermeiros. Regulamento dos padrões de qualidade dos cuidados especializados em enfermagem de reabilitação. Lisboa: Ordem dos Enfermeiros; 2011.

Azevedo PMDS, Gomes BP, Pereira JATP, Carvalho FMN, Ferreira SP, Pires AI, et al. Functional dependence at discharge from the intensive care unit, relevance for rehabilitation nursing. Rev Enferm Ref. 2019; 5(20):37-46.

Pereira DM, Tamaki EM, Andrade SMO, Rapello VG, Reis FA, Junior SCS. Functional Independence of elderly patients who received invasive mechanical ventilation: importance for the clinical outcome and effects of hospitalization. ConScoentiae Saúde. 2018; 17(2):135-143.

Dornelles SQ, Signori LU, Corrêa LQ, Silveira DF, Guerreiro LF, Teixeira AO. Effects of hospitalization on functional capacity and quality of life of cardimetabolic patients. ConSientiae Saúde. 2014; 13(1):101-109.

Ganefianty A, Yona S. A nursing rehabilitation program to improve the quality of life of patients with meningioma: A narrative review. Belitung nurs j. 2019; 5(2):60-64.

Azevedo PMDS, Gomes BP. Effects of early in the functional rehabilitation of critically ill patients: a systematic review. Rev Enferm Ref. 2015; 5:129-138.

Downloads

Publicado

04/12/2020

Como Citar

Lima, A. M., Ferreira, M. S. M., Martins, M. M. F. P. da S., Fernandes, C. S., Moreira, M. T. F., & Rodrigues, T. M. P. (2020). Independência funcional e o estado confusional de pessoas sujeitas a programa de reabilitação/ Functional Independence of people presenting confusional state subject to rehabilitation/ Independencia functional y el estado de confusión de las personas sujetas a programa de rehabilitación. Journal Health NPEPS, 5(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/4440

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)