Conhecimento de enfermeiros na abordagem à vítima de traumatismo cranioencefálico/ Knowledge of nurses in the approach to the victim of cranioencephalic traumatism/ Conocimiento de enfermeras en el enfoque de la víctima del traumatismo cranioencefálico

Autores

  • Fabiana Rezer Centro Universitário São Camilo Faculdade do Norte de Mato Grosso
  • Bruno Felipe Oliveira Pereira Faculdade do Norte de Mato Grosso
  • Wladimir Rodrigues faustino Faculdade do Norte de Mato Grosso

Palavras-chave:

Traumatismos Craniocerebrais, Enfermeiras e Enfermeiros, Cuidados de Enfermagem

Resumo

Objetivo: verificar o conhecimento de enfermeiros sobre o traumatismo cranioencefálico e a Escala de Coma de Glasgow. Método: estudo exploratório e com abordagem quantitativa, realizado entre novembro e dezembro de 2019, a partir de entrevistas com enfermeiros atuantes em serviços hospitalares de urgência e emergência. A coleta de dados ocorreu com aplicação de dois instrumentos. Para análise dos dados, utilizou-se a análise do percentual de concordância. Resultados: 90% dos enfermeiros já atenderam pacientes com traumatismo cranioencefálico e 95% referem estar preparados para esse atendimento. Grande parte dos enfermeiros dizem que existem barreiras no atendimento às vítimas de traumatismo crânio encefálico (60%), como equipe despreparada (20%) e falta de estrutura (40%). Em relação a classificação do traumatismo, 70% acertaram quanto ao leve, 95% ao moderado e 75% ao grave. Conclusão: o estudo aponta a importância dos enfermeiros se manterem atualizados no atendimento às vítimas de traumatismo cranioencefálico, além da necessidade de educação permanente e aperfeiçoamento da equipe, para melhoria do atendimento e segurança do paciente.

Referências

Munivenkatappa A, Agrawal A, Shukla DP, Kumaraswamy D, Devi BI. Traumatic brain injury: does gender influence results? Int J CritIllnInj Sci. 2016; 6(2):70-3.

Peeters W, Brande RVD, Polinder S, Brazinova A, Steyberg EW, Lingsma HF, Maas AIR. Epidemiology of traumatic brain injury in Europe. Acta neurochir. 2015; 157(10):1683-96.

Marinho CSR, Santos JNA, Morais Filho LA, Valença CN, Santos EGO, Bay Júnior OG. Acidente de trânsito: análise dos casos de traumatismo cranioencefálico. Enferm Glob. 2019; 54:343-52.

Salazar LRM, Rubiano AM, Miranda HRA, Miranda WC, Cerra GA, Rivera MAB, et al. Severe traumatic brain injury: pre-hospital care, surgical treatment and multimodal monitoring. Bull Emerg Trauma. 2016; 4(1):8-23.

Sousa RM, Fernandes L, Graça EP, Gomes OV. Epidemiologia de traumatismo craniencefálico em um hospital. Rev Soc Bras Clín Méd. 2018; 16(1): 21-24.

Silva ZA, Pio TM, Maia LFS. Trauma cranioencefálico: intervenções do enfermeiro no atendimento pré-hospitalar. Rev Recien. 2019; 9(27):46-53.

Santos JEB, Costa JBC, Arcanjo HS, Pinto JR. Accidents with motorcycles: a view of nurses of the urgent mobile care services. Rev Pesqui (Univ Fed Estado Rio J Online). 2020; 12(1):400-405.

Santos MAS, Santos LGE, Oliveira GFSM, Miranda LM. Assistência de enfermagem ao paciente politraumatizado. Cad Grad Ciênc Hum Soc Unit. 2018; 4(02):11-22.

Freitas FFB, Mattos GSS, Cavalcante AC, Pinheiro MBGN, Sousa MNA. Papel do enfermeiro no serviço de acolhimento e classificação de risco no setor de urgência e emergência. Rev Interdisciplin Saúde. 2015; 2(3):314-333.

Camargo DR, Luz L, Aquino ROS, Gomes RMJ, Oliveira ZG. A comunicação na enfermagem como estratégia de liderança na assistência. Enferm Brasil. 2011; 10(5):309-313.

Boratelli FR. Conhecimento dos enfermeiros sobre o processo de cuidar do paciente com traumatismo cranioencefálico [dissertação]. Natal: Universidade Federal do Rio Grande do Norte; 2010, p.181.

Machado MH, Aguiar Filho W, Lacerda WF, Oliveira E, Lemos W, Wermelinger M, et al. Características gerais da enfermagem: o perfil sócio demográfico. Enferm foco. 2016; 7(esp):9-14.

Conselho Federal de Enfermagem. Pesquisa perfil da enfermagem no Brasil. 2015. [Acesso em 08 de junho de 2020]. Disponível em: http://www.cofen.gov.br/perfilenfermagem/index.html.

Quaresma AS, Xavier DM, Cezar-Vaz MR. O papel do enfermeiro na classificação de risco nos serviços de urgência e emergência. Rev Enferm Atual InDerme. 2019; 87(esp):2-10.

Sousa TV, Melchior LMR, Bezerra MLR, Carvalho Filha FSS, Santos OP, Pereira MC, et al. Conhecimento de enfermeiros sobre sepse e choque séptico em um hospital escola. J Health NPEPS. 2020; 5(1):132-146.

Liba YHAO, Lemes AG, Oliveira PR, Nascimento VF, Fonseca PIMN, Volpato RJ, et al. Percepções dos profissionais de enfermagem sobre o paciente pós-tentativa de suicídio. J Health NPEPS. 2016; 1(1):109-121.

Varghese R, Chakrabarty J, Menon G. Nursing management in adults with severe traumatic brain injury: a narrative review. Indian J Crit Care Med. 2017; 21(10):684-697.

Oyesanya TO, Brown RL, Turkstra LS. Caring for patients with traumatic brain injury: a survey of nurses' perceptions. J Clin Nurs. 2017; 26(11-12):1562-1574.

Soares CB, Veras D, Siqueira JD, Martins ENX, Sousa KMO, Alves ÉSRC. Condutas de enfermeiros ao paciente vítima de traumatismo cranioencefálico. Temas saúde. 2017; 17(1):81-103.

Oliveira DMP, Pereira CU, Freitas ZMP. Conhecimento do enfermeiro sobre avaliação neurológica do paciente com trauma cranioencefálico. Rev enferm UFPE on line. 2016; 10 (supl. 5):4249-4254.

Santos WC, Vancini-Campanharo CR, Lopes MCBT, Okuno MFP, Batista REA. Avaliação do conhecimento de enfermeiros sobre a escala de coma de Glasgow em um hospital universitário. Einstein (São Paulo). 2016; 14(2):213-218.

Mattar I, Liaw SY, Chan MF. Nurses’ self-confidence and attitudes in using the Glasgow Coma Scale: a primary study. Nurs Crit Care. 2015; 20(2):98-107.

Barros WCTS, Dal Sasso GTM, Alvarez AG, Ramos SF, Martins SR. Aplicativo para avaliação do nível de consciência em adultos: produção tecnológica em enfermagem. Cogitare enferm. 2019; 24:e60338.

Werlanga SL, Badkebc MR, Freitaga VL, Silva GS, Federizzie DS, Ribeiro MV. Enfermagem na Assistência ao Traumatismo Cranioencefálico em um Hospital Universitário. J Health Sci. 2017; 19(2):177-82.

Pereira KC, Ferreira WFS. Classificação de riscos no atendimento de urgência e emergência: contribuição do enfermeiro. Rev jurid Uniandrade. 2020; 31(1):1-12.

Downloads

Publicado

2020-12-01

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Como Citar

Conhecimento de enfermeiros na abordagem à vítima de traumatismo cranioencefálico/ Knowledge of nurses in the approach to the victim of cranioencephalic traumatism/ Conocimiento de enfermeras en el enfoque de la víctima del traumatismo cranioencefálico. (2020). Journal Health NPEPS, 5(2). https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/4603

Artigos Semelhantes

1-10 de 341

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.