Experiências vividas por enfermeiros sobre os cuidados paliativos no ambiente domiciliar/ Experiences lived by nurses on palliative care in the domiciliary environment/ Experiencias vividas por enfermeras sobre los cuidados paliativos en el ámbito del hogar

Autores

  • Sandy Alves Vasconcellos
  • Aline da Costa Viegas Hospital Escola HE/UFPEL/EBSERH
  • Rosani Manfrin Muniz Universidade Federal de Pelotas
  • Daniela Habekost Cardoso Universidade Federal de Pelotas
  • Norlai Alves Azevedo Universidade Federal de Pelotas
  • Débora Eduarda Duarte do Amaral Universidade Federal de Pelotas

Palavras-chave:

Cuidados Paliativos, Enfermagem, Serviços de Assistência Domiciliar, Morte

Resumo

Objetivo: conhecer as experiências vivenciadas por enfermeiros sobre os cuidados paliativos no contexto domiciliar. Método: trata-se de um estudo qualitativo do tipo descritivo, realizado com nove enfermeiros das equipes de atenção domiciliar de um hospital do Sul do Brasil.  A coleta de dados aconteceu nos meses de setembro a novembro de 2017, conforme critérios de inclusão e exclusão do estudo. A técnica de coleta de dados empregada foi a entrevista semiestruturada. Os dados foram analisados por meio de análise de conteúdo. Resultados: a partir da análise, elencou-se duas unidades temáticas: “cuidados paliativos: princípios e práticas na visão dos enfermeiros” e “término da vida em casa ou no hospital: entre dúvidas ou certezas”. Conclusão: as experiências atuando nos cuidados paliativos mudaram as perspectivas iniciais, de salvar ou curar, aprendidas durante a formação como enfermeiro. Essas experiências também levaram a acreditar que o ambiente domiciliar é o ideal para morrer, mesmo na compreensão que o paciente deve ser o protagonista do seu final de vida.

Biografia do Autor

Sandy Alves Vasconcellos

Enfermeira. Especialista em oncologia.

Aline da Costa Viegas, Hospital Escola HE/UFPEL/EBSERH

Enfermeira. Doutora em Ciências. Universidade Federal de Pelotas.

Rosani Manfrin Muniz, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira. Doutora em Enfermagem. Professora na  faculdade de enfermagem da Universidade Federal de Pelotas.

Daniela Habekost Cardoso, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira. Especialista em Oncologia, Mestre em Ciências. Doutoranda pelo Programa de pós graduação em enfermagem da Universidade Federal de Pelotas.

Norlai Alves Azevedo, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira. Doutora em Medicina e Ciências da Saúde. Professora na faculdade de enfermagem da Universidade Federal de Pelotas

Débora Eduarda Duarte do Amaral, Universidade Federal de Pelotas

Enfermeira especialista em Oncologia. Doutora em Ciências. Universidade Federal de Pelotas.

Referências

World Health Organization. Palliative Care, 2018. [internet] 2018 [acesso em 2019 set 10] Disponível em: https://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/palliative-care.

Harris R. Epidemiology of Chronic Disease: Global Perspectives.Massachusetts-EUA: Jones & Bartlett Learning; 2019.

Ribeiro JR, Poles K. Cuidados Paliativos: Prática dos Médicos da Estratégia Saúde da Família. Rev bras educ med. 2019; 43(3):62-72.

Braga PP, Sena RR, Seixas CT, Castro EAB, Andrade AM, Silva YC. Oferta e demanda na atenção domiciliar em saúde. Ciênc Saúde Colet. 2015; 21(3):903-912.

Melo AL, Backes DS, Ben, LWD. Protagonismo do enfermeiro em serviços de assistência domiciliar – Home Care. Enferm Foco. 2016; 7(1):66-70.

Kappaun NRC. Reflexões sobre o cuidar na terminalidade: uma perspectiva da atividade [Tese]. Rio de Janeiro: Fundação Osvaldo Cruz Escola Nacional de Saúde Pública Sergio Arouca na Fundação Osvaldo Cruz; 2019. 129p.

Universidade Federal de Pelotas. Carta de Serviço ao cidadão. Pelotas, 2018. [internet] 2018 [acesso em 2019 set 22]. Disponível em: http://novo.heufpel.com.br/wp-content/uploads/sites/5/2018/05/carta_de_servicos_2018.pdf

Bardin L. Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70; 2016.

Brasil. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. RESOLUÇÃO Nº 466, DE 12 DE DEZEMBRO DE 2012: diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. Brasília; 2012.

Oliveira MC, Gelbecke FL, Rosa LM, Vargas MAO, Reis JBG. Cuidados paliativos: visão de enfermeiros de um hospital de ensino. Enferm Foco. 2016; 7(1):28-32.

Pereira DG, Fernandes J, Ferreira LS, Rabelo RO, Pessalacia JDR, Souza RS. Significados dos cuidados paliativos na ótica de enfermeiros e gestores da atenção primária à saúde. Rev enferm UFPE on line. 2017; 11(supl.3):1357-1364.

Kehl KA. How hospice staff members prepare family caregivers for the patient’s final days of life: An exploratory study. Palliat med. 2015; 29(2):128–137.

McCorkle R, Jeon S, Ercolano E, Lazenby M, Reid A, Davies M, Viveiros D, Gettinger S. An Advanced Practice Nurse Coordinated Multidisciplinary Intervention for Patients with Late-Stage Cancer: A Cluster Randomized Trial. J palliat med. 2015; 18(11):962-969.

Kovács MJ. A caminho da morte com dignidade no século XXI. Rev bioét. 2014; 22(1):94-104.

Machado RS, Lima LAA, Silva GRF, Monteiro CFS, Rocha SS. Finitude e morte na sociedade ocidental: uma reflexão com foco nos profissionais de saúde. Cult cuid. 2016; 20(45):91-97.

Vicensi MC. Reflexão sobre a morte e o morrer na UTI: a perspectiva do profissional. Rev Bioét. 2016; 24(1):64-72.

Costa RSL, Lima RSM, Félix TC, Mota TMSC, Tavares EA, Queiroz GJC, et al. Sentimentos e expectativas de mulheres frente ao diagnóstico de câncer de mama. J Health NPEPS. 2020; 5(1):290-305.

Ministério da Saúde (BR). Portaria n. 849/GM, de 27 de março de 2017. Inclui a Arteterapia, Ayurveda, Biodança, Dança Circular, Meditação, Musicoterapia, Naturopatia, Osteopatia, Quiropraxia, Reflexoterapia, Reiki, Shantala, Terapia Comunitária Integrativa e Yoga à Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares. Diário Oficial da União, Brasília, 28 mar. 2017. Seção 1, p. 68.

Beulke SL, Vannucci L, Salles LF, Turrini RNT. Reiki no alívio de sinais e sintomas biopsicoemocionais relacionados à quimioterapia. Cogitare enferm. 2019; 24: e56694.

Arrieira ICO, Thofehrn MB, Milbrath VM, Schwonke CRGB, Cardoso DH, Fripp JC. O sentido da espiritualidade na transitoriedade da vida. Esc Anna Nery. 2017; 21(1):1-6.

Schiavon AB, Muniz RM, Azevedo NA, Cardoso DH, Matos MR, Arrieira ICO. Profissional da saúde frente a situação de ter um familiar em cuidados paliativos por câncer. Rev gaúch enferm. 2016; 37(1): e55080.

Kehl KA. How hospice staff members prepare family caregivers for the patient’s final days of life: An exploratory study. Palliat Med. 2015; 29(2):128–137.

Matos MR, Muniz RM, Viegas AC, Przylynski DS, Holz AW. Significado da atenção domiciliar e o momento vivido pelo paciente oncológico em cuidados paliativos. Rev Eletr Enferm. 2016; e1179.

Phongtankuel V, Scherban BA, Reid MC, Finley A, Martin A, Dennis J, Adelman RD. Why Do Home Hospice Patients Return to the Hospital? A Study of Hospice Provider Perspectives Veerawat. J Palliat Med. 2016; 19(1):51-56.

Downloads

Publicado

04/12/2020

Como Citar

Vasconcellos, S. A., Viegas, A. da C., Muniz, R. M., Cardoso, D. H., Azevedo, N. A., & Amaral, D. E. D. do. (2020). Experiências vividas por enfermeiros sobre os cuidados paliativos no ambiente domiciliar/ Experiences lived by nurses on palliative care in the domiciliary environment/ Experiencias vividas por enfermeras sobre los cuidados paliativos en el ámbito del hogar. Journal Health NPEPS, 5(2). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/4728

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)