Ensino estruturado no cotidiano de estudantes inseridos no espectro autista: compreensão de pais/cuidadores/ Structured teaching in the daily life of students on the autistic spectrum: understanding of parents/caregivers/ Enseñanza estructurada en el cotidiano de estudiantes insertados en el espectro autista: comprensión de padres/cuidadores

Autores

  • Francidalma Soares Sousa Carvalho Filha Docente da Universidade Estadual do Maranhão
  • Iel Marciano de Moraes Filho Universidade Paulista - Campus Brasília - Departamento de Enfermagem
  • Ana Maria Soek Professora Orientadora da Pós-Graduação em Educação da Fael. Professora do Setor de Educação da UFPR.
  • Najra Danny Pereira Lima
  • Marcus Vinicius da Rocha Santos da Silva Conselho Regional do Paraná – COREN-PR.
  • Lucas Monteiro Lima Universidade Federal de Goiás
  • Mayara Cândida Pereira Universidade Paulista (UNIP) Campus Brasília-DF-Brasil.
  • Thais Vilela de Sousa Universidade Federal de Goiás. Goiânia – Go- Brasil

Palavras-chave:

Transtorno do Espectro Autista, Cuidadores, Ensino, Pais, Educação

Resumo

Objetivo: analisar a compreensão de pais/cuidadores de estudantes no espectro autista acerca do uso/aplicação dos princípios do ensino estruturado no cotidiano educacional de seus filhos/pessoas cuidadas, bem como as dificuldades no processo ensino-aprendizagem. Método: estudo avaliativo, exploratório e com abordagem quanti-qualitativa, realizado em Caxias, Maranhão, no período de março e dezembro de 2017, junto a 32 pais/cuidadores de estudantes no espectro autista que integram a rede regular de ensino pública ou privada. Os dados foram coletados por meio de um formulário e entrevista. Para analisá-los, utilizou-se a análise de conteúdo proposta por Bardin. Resultados: predominou participantes do sexo feminino, entre 26 a 35 anos, casadas, que realizam atividades ocupacionais como professor, auxiliar administrativo e autônomo. A maior parte dos estudantes apresentava entre três e sete anos, do ensino público e com participação das atividades propostas na escola. Organizaram-se as informações em três categorias: Dificuldades cotidianas apresentadas por estudantes com transtorno do espectro autista, Acompanhamento do estudante nas atividades educacionais, e Conhecimento e uso do ensino estruturado no cotidiano escolar. Considerações finais: a maioria dos participantes desconhece os princípios do ensino estruturado, embora seu uso possa melhorar as relações interpessoais, repercutir no aprimoramento da aprendizagem, estabelecimento de rotinas e seguimento de instruções.

Biografia do Autor

Francidalma Soares Sousa Carvalho Filha, Docente da Universidade Estadual do Maranhão

                    Enfermeira. Doutora em Saúde. Docente da Universidade Estadual do Maranhão. 

Iel Marciano de Moraes Filho, Universidade Paulista - Campus Brasília - Departamento de Enfermagem

                           

Ana Maria Soek, Professora Orientadora da Pós-Graduação em Educação da Fael. Professora do Setor de Educação da UFPR.

                     Pedagoga. Mestre em Educação pela UFPR. Especialista em: Neuropsicologia; Organização do Trabalho Pedagógico; e Tutoria EaD e Novas Tecnologias. Professora Orientadora da Pós-Graduação em Educação da Fael. Professora do Setor de Educação da UFPR

Najra Danny Pereira Lima

                 Enfermeira. Mestre em Análise do Comportamento Aplicada. 

Marcus Vinicius da Rocha Santos da Silva, Conselho Regional do Paraná – COREN-PR.

             Enfermeiro. Especialista em Docência do Ensino Superior e Gestão em Saúde. Enfermeiro Fiscal do Conselho Regional do Paraná – COREN-PR. 

Lucas Monteiro Lima, Universidade Federal de Goiás

    Fisioterapeuta. Mestrado em Ciências da Saúde. Liga de Hipertensão Arterial/Universidade Federal de Goiás.

Mayara Cândida Pereira, Universidade Paulista (UNIP) Campus Brasília-DF-Brasil.

       Enfermeira. Doutoranda   em   Gerontologia da Universidade Católica de Brasília). Mestre em Gerontologia. Coordenadora   do   Curso   de Enfermagem   da   Universidade Paulista (UNIP) Campus Brasília-DF-Brasil. 

Thais Vilela de Sousa, Universidade Federal de Goiás. Goiânia – Go- Brasil

     Enfermeira. Mestre e Doutoranda em Enfermagem pelo Programa de Pós-Graduação em Enfermagem da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Goiás. Goiânia – Go- Brasil 

Referências

Cunha E. Autismo na escola: um jeito diferente de aprender, um jeito diferente de ensinar–ideias e práticas pedagógicas. Rio Janeiro: Wak Ed; 2013.

Caldeira CL, Françoia CR. O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais e os critérios do Transtorno de Personalidade Borderline. Psicol Argumento. 2019; 35(90).

Zaqueu LCC, Teixeira MCTV, Alckmin-Carvalho F, Paula CS. Associações entre sinais precoces de autismo, atenção compartilhada e atrasos no desenvolvimento infantil. Psicol Teor Pesqui. 2015; 31(3):293–302.

Call NA, Delfs CH, Reavis AR, Mevers JL. Factors influencing treatment decisions by parents for their children with autism spectrum disorder. Res Autism Spectr Disord. 2015; 15:10–20.

Rossi CCG. Implementing TEACCH educational intervention principles and communication strategies for persons with autism. Rev Logop Foniatría Audiol. 2007; 27(4):173–85.

Leon V, Osório LVC. O método TEACCH. Transtornos do Espectro do Autismo. in: Schwartzman JS, Araújo CA. Transtornos do espectro do autismo. São Paulo: Memnon; 2011.

Melo DCF, Silva JH. Trajetórias escolares de pessoas com deficiências na educação básica: qual lugar da educação especial? Rev Ibe Est Ed. 2020; 15(esp.1):948-65.

Silva HMC, Carvalho Filha FSS, Sousa AD, Silva MVRS, Lima NDP. Transtorno do espectro do autismo: o cotidiano de cuidadores informais e pessoas cuidadas. ReonFacema. 2017; 2(4):310-315.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades. Disponível em: . Acesso em: 15 de abril de 2020.

Bardin L Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2016.

Gomes CGS, Mendes EG. Escolarização inclusiva de alunos com autismo na rede municipal de ensino de Belo Horizonte. Rev Bras Educ Espec. 2010; 16(3):375–96.

Segeren L, Fernandes FDM. Correlation between verbal communication of children with autism spectrum disorders and the level stress of their parents. Audiol Res. 2016; 21:e1611.

Misquiatti ARN, Brito MC, Ferreira FTS, Assumpção Júnior FB. Sobrecarga familiar e crianças com transtornos do espectro do autismo: perspectiva dos cuidadores. Rev CEFAC. 2015; 17(1):192–200.

Carvalho TR, Barham EJ. Instrumentos para avaliar a coparentalidade: uma comparação de suas propriedades psicométricas. Aval Psicol. 2016; 15(2):207-15.

Salehi F, Raji P, Mahmoodian M, Dadgar H, Baghestani AR. Quality of Life of Mothers of Children With Autism Spectrum Disorders and Its Relationship With Severity of Disorder and Child’s Occupational Performance. J Mod Rehabil. 2017; 11(3):167-174.

Mattiazzi ÂL, Roth-Hoogstraten A, Fedosse E, Filha VAVS. Quality of life of mothers of children with Autistic Spectrum Disorder. Res Soc Dev. 2019; 8(11):e268111467.

Ebert M, Lorenzini E, Silva EF. Mães de crianças com transtorno autístico: percepções e trajetórias. Rev Gauch Enferm. 2015; 36(1):49–55.

Ribeiro S. O impacto do autismo na família. Rev Autismo. 2011; 1.

Constantinidis TC, Pinto AS. Revisão Integrativa sobre a Vivência de Mães de Crianças com Transtorno de Espectro Autista. Rev Psicol Saúde. 2020; 12(2):89-103.

Lima RC, Couto MCV, Solis FP, Oliveira BDC, Delgado PGG. Atenção psicossocial a crianças e adolescentes com autismo nos CAPSi da região metropolitana do Rio de Janeiro. Saúde soc. 2017; 26(1):196–207.

Carvalho Filha FSS, Castro RP, Vilanova JM, Silva MVRS, Moraes Filho IM, Sousa TVS. Aplicação da teoria de Callista Roy a pais/Cuidadores de crianças autistas: uma proposta intervencionista. Rev Enferm Atual Derme. 2020; 94(32):e-20081.

Campos LK, Fernandes FDM. Perfil escolar e as habilidades cognitivas e de linguagem de crianças e adolescentes do espectro do autismo. CoDAS. 2016; 28(3):234–43.

Luiz SAM, Moraes JCP. A participação do autista nas aulas de Educação Física: entre três olhares docentes. Rev Digit. 2016; 21(215).

Lourenço D, Leite T. Práticas de Inclusão de Alunos com perturbações do espetro do autismo. Da Investig às práticas. 2015; 5(2):63–86.

Fiorini BS. O aluno com transtornos do espectro do autismo na Educação Infantil: caracterização da rotina escolar [dissertação]. Marília: Universidade Estadual Paulista (UNESP); 2017. 147p.

Gomes PTM, Lima LHL, Bueno MKG, Araújo LA, Souzac NM. Autismo no Brasil, desafios familiares e estratégias de superação: revisão sistemática. J Pediatr. 2015; 91(2):111–21.

Carvalho-Filha FSS, Silva HMS, Castro RP, Moraes-Filho IM, Nascimento FLSC. Coping e estresse familiar e enfrentamento na perspectiva do transtorno do espectro do autismo. Rev Cient Sena Aires. 2018; 7(1):23-30.

Veloso SPE. A intervenção educativa nos alunos com perturbação do espectro do autismo [dissertação]. Lisboa: Instituto Superior de Educacao e Ciencias; 2014. 111p.

Carvalho-Filha FSS, Cardoso BDA, Moraes-Filho IM, Nascimento FLSC, Silva MVRS, Pereira MC, et al. O uso de aplicativos digitais no processo ensino-aprendizagem de crianças no espectro do autismo: uma revisão integrativa. Rev Enferm Atual Derme. 2020; 90(21):49–56.

Provost M. Using Bibliotherapy to Support Children’s Friendships with Peers with Autism Spectrum Disorder [dissertação]. San Diego: San Diego State University; 2017. 32p.

Moreira MTF, Lima AMN, Guerra M. Sobrecarga do cuidador informal de crianças com transtorno do espectro do autista. J Health NPEPS. 2020; 5(1):38–51.

Rodrigues JMC, Spencer E. A criança autista: um estudo psicopedagógico. Rio Janeiro: Wak Ed; 2010.

Proença MFR, Moraes Filho IM, Santos CCT, Rodrigues TPR, Cangussu DDD, Souto OB. A tecnologia assistiva aplicada aos casos de Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). REAS. 2019; (31):e541.

Silva VF. A presença de alunos autistas em salas regulares, a aprendizagem de ciências e a alfabetização científica: percepções de professores a partir de uma pesquisa fenomenológica [dissertação]. Bauru: Universidade Estadual Paulista (UNESP); 2016. 187p.

Moraes Filho IM, Negreiros CTF, Silva SRS, Rodrigues MR, Pereira MC, Sousa TV, et al. Perfil psicopatológico de atendimentos em serviço de saúde mental do entorno do Distrito Federal. Nursing (São Paulo). 2020; 23(262):3633-3637.

Souza TC, Corrêa CC, Martins A, Maximino LP. Teleducação em linguagem infantil na instrumentalização do profissional da educação e saúde. J Health NPEPS. 2020; 5(2):317-336.

Downloads

Publicado

29/05/2021

Como Citar

Carvalho Filha, F. S. S., Moraes Filho, I. M. de, Soek, A. M., Lima, N. D. P., Silva, M. V. da R. S. da, Lima, L. M., Pereira, M. C., & Sousa, T. V. de. (2021). Ensino estruturado no cotidiano de estudantes inseridos no espectro autista: compreensão de pais/cuidadores/ Structured teaching in the daily life of students on the autistic spectrum: understanding of parents/caregivers/ Enseñanza estructurada en el cotidiano de estudiantes insertados en el espectro autista: comprensión de padres/cuidadores. Journal Health NPEPS, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5000

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)