Avaliação da atenção básica: estudo ecológico dos indicadores de pactuação em Santa Catarina/ Evaluation of basic care: ecological study of pactuation indicators in Santa Catarina/ Evaluación de cuidados básicos: estudio ecológico de los indicadores de pactuación en Santa Catarina

Autores

Palavras-chave:

Avaliação em Saúde, Indicadores Básicos de Saúde, Enfermagem

Resumo

Objetivo: avaliar a cobertura de atenção básica nos municípios de Santa Catarina e o alcance dos indicadores de pactuação. Método: estudo ecológico transversal, usando a técnica de análise espacial, realizada no período de 2017 e 2018, no estado de Santa Catarina. Para a análise, utilizou-se média, mediana e desvio padrão para todos os indicadores do estudo. Resultados: o estudo apresentou três blocos de observação, o primeiro ocupou em analisar os indicadores diretamente correlacionados à cobertura de atenção básica, o segundo, aos indicadores inversamente correlacionados e o por último, aqueles que não foram influenciados. Conclusão: apesar da cobertura populacional estimada pelas equipes de atenção básica não influenciar todos os indicadores interfederativos, há uma relação positiva se comparado à melhoria de alguns deles. O desempenho dos municípios com melhor cobertura populacional estimada pelas equipes de atenção básica nem sempre apresentam os melhores indicadores de saúde.

Biografia do Autor

Sabrina da Silva de Souza, UFSC

Enfermeira, doutora em enfermagem. UFSC.

Referências

Mazzi RAP, Marques HR. Cuidados paliativos oncológicos domiciliares como uma nova prática em saúde influenciando no desenvolvimento local. Interações. 2018; 19(4):727-38.

Souza SS. Acesso e cobertura na Atenção Primária à Saúde: uma análise dos indicadores de tuberculose no Brasil. Enfermería Comunitaria. 2019; 15:e12395.

Recktenwaldt M, Junges JR. A organização e a prática da Vigilância em Saúde em municípios de pequeno porte. Saúde Soc. 2017; 26(2):367-81.

Lima KWS, Antunes JLF, Da Silva ZP. Percepção dos gestores sobre o uso de indicadores nos serviços de saúde. Saúde Soc. 2015; 24(1):61-71.

Ministério da Saúde (BR). Manual de planejamento no SUS /Ministério da Saúde, Fundação Oswaldo Cruz. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2016.

Comissão Intergestores Tripartite. Resolução CIT No 08/2016. Pactuação interfederativa 2017/2021. Indicadores para pactuação de metas.

Carrapato P, Correia P, Garcia B. Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde Soc. 2017; 26(3):676-89.

De Carvalho ALB, Souza MF, Shimizu HE, Senra IMVB, Oliveira KC. A gestão do SUS e as práticas de monitoramento e avaliação: possibilidades e desafios para a construção de uma agenda estratégica. Ciênc Saúde Colet. 2012; 17(4):901-11.

Diretoria de Vigilância Epidemiológica (SC). Secretaria de Saúde de Santa Catarina. Tabnet [Internet]. 2019 [acesso em 2021 fev 05]. Disponível em: http://tabnet.dive.sc.gov.br/.

QGIS Development Team. QGIS Geographic Information System. Open Source Geospatial Foundation Project [Internet] 2015 [acesso em 2019 dez 01]. Disponível em: http://www.qgis.org/.

Guimarães RM. A teoria da equidade reversa se aplica na atenção primária à saúde? Evidências de 5564 municípios brasileiros. Rev panam salud pública. 2018; 24; 42: e128.

Borges DB, Lacerda JT. Ações voltadas ao controle do Diabetes Mellitus na Atenção Básica: proposta de modelo avaliativo. Saúde debate. 2018; 42(116):162-78.

Albuquerque C, Martins M. Indicadores de desempenho no Sistema Único de Saúde: uma avaliação dos avanços e lacunas. Saúde debate. 2017; 41(spe):118-37.

Malta DC, Santos MAS, Stopa SR, Vieira JEB, Melo EA, Reis AAC. A Cobertura da Estratégia de Saúde da Família (ESF) no Brasil, segundo a Pesquisa Nacional de Saúde, 2013. Ciênc Saúde Colet. 2016; 21(2):327-38.

Santos L. Região de saúde e suas redes de atenção: modelo organizativo-sistêmico do SUS. Ciênc Saúde Colet. 2017; 22(4):1281-9.

Ribeiro TH, Magri CL, Santos AL. Hospitalizações por Diabetes Mellitus em adultos e relação com expansão Atenção Primária no Paraná. Saúde pesqui. 2019; 12(2):323-31.

Governo de Santa Catarina (SC). Secretaria do Estado de Saúde. Comissão Intergestores Bipartite. Deliberação 087/CIB/2020. Aprova as metas do rol dos indicadores interfederativos do Estado de Santa Catarina, período para 2020, conforme resolução CIT 08 de 24 de novembro de 2016, que dispõe sobre o processo de pactuação interfederativa indicadores para o período de 2017 a 2021 de acordo com as prioridades nacionais de saúde. Agosto de 2020.

Silva BS, Souza KC, Souza RG, Rodrigues SB, Oliveira VC, Guimarães EAA. Condições de estrutura e processo na implantação do Sistema de Informação de Imunização do Brasil. Rev bras enferm. 2020; 73(4):e20180939.

Suplici SER, Souza SS, Cunha AC, Zamprogna KM, Laurindo DLP. Associação entre casos de Aids em menores de cinco anos e cobertura da atenção básica. Rev enferm Cent Oeste Min. 2020; 10:e3908.

Souza SS, Cunha AC, Suplici SER, Zamprogna KM, Laurindo DLP. Influência da cobertura da Atenção Primária no enfrentamento da COVID-19. J Health NPEPS. 2021; 6(1):1-21.

Downloads

Publicado

29/05/2021

Como Citar

de Souza, S. da S., Palha, P. F., Cunha, A. C., Laurindo, D. L. P., Rabelo Suplici, S. E., & Zamprogna, katheri M. (2021). Avaliação da atenção básica: estudo ecológico dos indicadores de pactuação em Santa Catarina/ Evaluation of basic care: ecological study of pactuation indicators in Santa Catarina/ Evaluación de cuidados básicos: estudio ecológico de los indicadores de pactuación en Santa Catarina. Journal Health NPEPS, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5002

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale