Percepções de mulheres sobre a participação paterna em grupos de gestantes/ Women's perceptions of paternal participation in groups for pregnant women/ Percepción de mujeres sobre la participación paterna en los grupos de mujeres embarazadas

Autores

Palavras-chave:

Paternidade, Educação em Saúde, Gestação

Resumo

Objetivo: apresentar a percepção de mulheres sobre a participação paterna em grupos de gestantes. Método: estudo exploratório, descritivo e com abordagem qualitativa. A coleta dos dados ocorreu no ano de 2018, por meio de entrevistas semiestruturadas em uma unidade de atenção primária à saúde, com mulheres que participaram de grupos de gestantes na referida unidade e que tiveram a presença do companheiro/marido/pai em pelo menos um desses encontros. Para a análise dos dados, utilizou-se a técnica de análise temática. Resultados: participaram do estudo cinco mulheres, cujos dados obtidos foram agrupados em cinco categorias, o grupo de gestantes: potência para o cuidado; presença do acompanhante como apoio emocional; o cuidado do parceiro na gestação, parto e puerpério; construção da maternidade versus paternidade; co-responsabilização, gênero e papéis na sociedade. Conclusão: por meio do conhecimento adquirido nos grupos, as mulheres identificaram que os companheiros/maridos/pais se sentiram mais preparados para o momento do parto e puerpério, contribuindo para a participação ativa da figura paterna, consequentemente melhorando sua experiência de maternar.

Biografia do Autor

Caroline Santini Rauber, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Graduada em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria em 2016. Enfermeira Obstetra, especialista em Atenção Materno Infantil e Obstetrícia pela Residência Multiprofissional em Saúde - GHC (2019). Mestranda no Programa de Po?s-Graduac?a?o em Enfermagem (PPGENF) na modalidade mestrado profissional pela Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA). Atualmente atua no Centro Obstétrico da Irmandade Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre.

Emiliane Nogueira de Souza, Fundação Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre

Possui graduação em Enfermagem pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM). Doutorado em Ciências da Saúde: cardiologia e ciências cardiovasculares (UFRGS). Mestrado em Ciências da Saúde: cardiologia (IC/FUC). Atuação como enfermeira assistencial em unidade de terapia intensiva adulto (ICFUC). Atualmente é professor adjunto na UFSCPA. Preceptora da Residência Integrada em Saúde - Intensivismo (UFCSPA / ISCMPA). Exerceu tutora do PET - Rede de Atenção à Urgência e Emergência. Atuou como coordenadora do PPGEnf - Mestrado profissional da UFCSPA de 2015 a 2017, no qual é professora permanente na linha de pesquisa Práticas inovadoras e tecnologias de enfermagem na atenção à saúde.Coordena projeto com financiamento da FAPERGS e do convênio CAPES/COFEN. Líder do Grupo de Estudos das Evidências do Processo de Enfermagem e Taxonomias GEEPET. Tem experiência nas seguintes áreas de enfermagem: cardiologia, terapia intensiva, processo e taxonomias de enfermagem (NNN).

Shana Vieira Telo, Hospital Nossa Senhora da Conceição

Enfermeira graduada pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) em 2004. Mestre em Enfermagem pela UFRGS. Com formação em Saúde da Família e Comunidade na modalidade Residência com ênfase em Saúde da Família e Comunidade. Atualmente é enfermeira do Serviço de Saúde Comunitária do GHC.

Referências

Cardoso VEPS, Silva Júnior AJ, Bonatti AF, Santos GWS, Ribeiro TAN. A participação do parceiro na rotina pré-natal sob a perspectiva da mulher gestante. Rev Fund Care Online. 2018; 10(3):856-862.

World Health Organization. WHO Recommendations on antenatal care for a positive pregnancy experience. Geneva: WHO; 2016.

Cofen. Decreto nº 94.406/87. Regulamenta Lei nº 7498 de 25 de Junho de 1986 que dispõe sobre o exercício da enfermagem, e dá outras providências. Diário Oficial da União, 09 Mar 1987.

Ministério de Saúde (BR). Atenção ao pré-natal de baixo risco: caderno de atenção básica número 32. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.

Ribeiro JP, Gomes GC, Silva BT, Cardoso LS, Silva PA, Strefling ISS. Participação do pai na gestação, parto e puerpério: refletindo as interfaces da assistência de enfermagem. Espaço saúde. 2015; 16(3):73-82.

Brasil. Lei 11.108 de 7 de abril de 2005. Altera a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para garantir às parturientes o direito à presença de acompanhante durante o trabalho de parto, parto e pós-parto imediato, no âmbito do Sistema Único de Saúde – SUS. Diário Oficial da União, Brasília, 8 de abril de 2005.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008; 24(1):17-27.

Minayo MC, Deslandes SF, Gomes R. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 3. ed. Rio de Janeiro: Vozes; 2011.

Santos DSS, Rosário CR, Brito HES, Soares TM, Bispo TCF. Importância da participação paterna no pré-natal para compreensão do parto e puerpério: uma revisão sistemática. Rev bras saúde funcional. 2018; 5(2):55-68.

Matos MG, Magalhães AS, Féres-Carneiro T, Machado RN. Construindo o vínculo pai-bebê: a experiência dos pais. Psico-USF. 2017; 2(22):261-271.

Holanda SM, Castro RCMB, Aquin PS, Pinheiro AKB, Lopes LG, Martins ES. Influência da participação do companheiro no pré-natal: satisfação de primíparas quanto ao apoio no parto. Texto & contexto enferm. 2018; 27(2):e3800016.

Nogueira AG, Araúja CLF, Correia LOGS. A percepção das mulheres sobre a participação do acompanhante no trabalho de parto. Braz J Health Rev. 2020; 4(3):11316-27.

Climaco LCC, Vilela ABA, Yarid SD, Boery EM. Pré-natal masculino: um relato de experiência no contexto da educação em saúde. Enferm Foco. 2020; 11(2): 198-203.

Medeiros RMS, Coutinho SPM, Maia AMCS, Sousa AR, Oliveira MT, Rosário CR, Passos NCR. Pré-natal masculino: desafios na prática de enfermagem na atenção básica à saúde. REVISA. 2019; 8(4):394-405.

Bernardi D. Paternidade e cuidado: “novos conceitos”, velhos discursos. Psic Rev São Paulo. 2017; 26(1): 59-80.

Queiroz MVO, Menezes GMD, Silva TJP, Brasil EGM, Silva RM. Grupo de gestantes adolescentes: contribuições para o cuidado no pré-natal. Rev Gaúch Enferm. 2016; 37(esp).

Sousa CMF, Silva MAM, Sousa CAJ, Nour GFA, Moreira ACA. Percepção dos pais sobre sua participação no parto e nascimento. Enferm Foco. 2020; 11(4):29-34.

Cavalcanti TRL, Holanda VR. Participação paterna no ciclo gravídico-puerperal. Enferm Foco. 2019; 10(1):93-98.

Vendrúsculo CT, Kruel CS. A história do parto: do domicílio ao hospital; das parteiras ao médico; de sujeito a objeto. Disciplinarum Scientia. 2015; 1(16):95-107.

Colares SCS, Martins RPM. Maternidade: uma construção social além do desejo. Rev Univ Vale Rio Verde. 2016; 6(1):42-47.

Rezende CB. Histórias de parto e a ultrassonografia como marco narrativo no Rio de Janeiro. Sex Salud Soc (Rio J). 2017; 27:7-24.

Bitencourt SM. A maternidade para um cuidado de si: desafios para a construção da equidade de gênero. Estud sociol. 2019; 24(47):261-281.

Demarchi RF, Nascimento VF, Borges AP, Terças ACP, Grein TAD, Baggio E. Percepção de gestantes e puérperas primíparas sobre maternidade. Rev Enferm UFPE on line. 2017; 11(7):2663-2673.

Andrade CJ, Praun L, Avoglia HRC. O trabalho para mulheres egressas da licença maternidade: (re)pensando as transformações profissionais no contexto de educação. Sem Ciên Soc Hum. 2020; 41(249).

Downloads

Publicado

29/05/2021

Como Citar

Rauber, C. S., Souza, E. N. de, & Telo, S. V. (2021). Percepções de mulheres sobre a participação paterna em grupos de gestantes/ Women’s perceptions of paternal participation in groups for pregnant women/ Percepción de mujeres sobre la participación paterna en los grupos de mujeres embarazadas. Journal Health NPEPS, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5083

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale