Planejamento em saúde: utilização de uma ferramenta inteligente na gestão municipal do SUS/ Planificación sanitaria: uso de una herramienta inteligente en la gestión municipal del SUS/ Health planning: use of an intelligent tool in SUS municipal management

Autores

Palavras-chave:

Planejamento Estratégico, Saúde Pública, Indicadores Básicos de Saúde

Resumo

Objetivo: avaliar como uma ferramenta inteligente pode contribuir para o monitoramento dos indicadores de saúde municipal. Método: estudo descritivo, realizado no município de São José, Santa Catarina, Brasil. A coleta de dados ocorreu em janeiro 2021. Para análise dos dados, foi realizada estatística descritiva. Os dados foram organizados de acordo com o os indicadores de saúde de pactuação nacional alcançados nos anos de 2017-2019, disponibilizado pelo Estado de Santa Catarina. Foram respeitados todos os aspectos éticos. Resultados: o desenvolvimento e a aplicação da ferramenta inteligente permitiram realizar análises de tendência, o alcance das metas e indicadores, da pactuação nacional possibilitando aos diretores uma visão sistêmica de planejamento em saúde na esfera municipal. Conclusão: o planejamento estratégico e a programação local de saúde através do desenvolvimento de uma ferramenta inteligente, permitiram a transformação das relações entre oferta e demanda dos serviços, redirecionando a reorganização das práticas de saúde, dirigindo-as à solução dos problemas.

Biografia do Autor

Sabrina da Silva de Souza, UFSC

Enfermeira, doutora em enfermagem. UFSC.

Ana Cláudia da Cunha

Enfermeira

Referências

Arantes PLF. Planejamento estratégico e gestão por resultados: o caso do Ministério da Saúde. Physis. 2016; 26(3):981-1007.

Brasil. Presidência da República. Decreto n. 7.508, de 28 de junho de 2011. Regulamenta a Lei no 8.080, de 19 de setembro de 1990, para dispor sobre a organização do Sistema Único de Saúde - SUS, o planejamento da saúde, a assistência à saúde e a articulação interfederativa, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, 29 jun. 2011. Seção 1:1.

Pereira BS, Tomasi E. Instrumento de apoio à gestão regional de saúde para monitoramento de indicadores de saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(2):411-418.

Kleba ME, Krauser IM, Vendruscolo C. O planejamento estratégico situacional no ensino da gestão em saúde da família. Texto contexto - enferm. 2011; 20(1):184-193.

Medeiros CRG, Saldanha OMFL, Grave MTQ, Koetz LCE, Dhein G, Castro LC, et al. Planejamento regional integrado: a governança em região de pequenos municípios. Saúde soc. 2017; 26(1):129-140.

Albuquerque C, Martins M. Indicadores de desempenho no Sistema Único de Saúde: uma avaliação dos avanços e lacunas. Saúde debate. 2017; 41(spe):118-137.

Ferreira GSA, Salgado JW, Costa AL. Construção e análise de indicadores de desempenho do acesso à atenção especializada do SUS. Saúde debate. 2019; 43(123):1003-1014.

Carrapato P, Correia P, Garcia B. Determinante da saúde no Brasil: a procura da equidade na saúde. Saúde soc. 2017; 26(3):676-689.

Secretaria Estadual da Saúde (SC). Indicadores para pactuação interfederativa de metas 2017-2021. Disponível em: http://200.19.223.105/cgi-bin/dh?mortalidade/mortalidade.def.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 466, de 12 de dezembro de 2012. Aprova as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisa envolvendo seres humanos. 2012.Disponível em: https://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf.

Conselho Nacional de Saúde. Resolução n. 510, de 7 de abril de 2016. Dispõe sobre as normas aplicáveis a pesquisas em Ciências Humanas e Sociais cujos procedimentos metodológicos envolvam a utilização de dados diretamente obtidos com os participantes ou de informações identificáveis ou que possam acarretar riscos maiores do que os existentes na vida cotidiana; 2016.

Comissão Intergestores Tripartite. Resolução n. 08, de 24 de novembro de 2016. Dispõe sobre o processo de pactuação interfederativa de indicadores para o período 2017-2021, relacionados a prioridades nacionais em saúde; 2016.

Comissão Intergestores Tripartite. Resolução n. 45, de 25 de julho de 2019. Altera o anexo da Resolução nº 08, de 24 de novembro de 2016.

Comissão Intergestores Bipartite. Deliberação n.87, de 06 de agosto de 2020. Aprova as metas do rol dos indicadores interfederativos do Estado de Santa Catarina, período para 2020, conforme Resolução CIT 08 de 24 de novembro de 2016, que dispõe sobre o processo de pactuação interfederativa indicadores para o período de 2017 a 2021 de acordo com as prioridades nacionais de saúde; 2020.

Ministério da Saúde (BR). Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores: 2016. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Pactuação Interfederativa 2017-2021: fichas de indicadores. Disponível em: https://ti.saude.rs.gov.br/bi/file/fichas.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

Ministério da Saúde (BR). Caderno de Diretrizes, Objetivos, Metas e Indicadores-2013-2015. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Conselho Nacional de Secretários de Saúde. Nota Técnica 17 – Aids, indicadores operacionais. Disponível em: https://www.conass.org.br/guiainformacao/notas_tecnicas/NT-17-AIDS-Indicadores-operacionais.pdf.

Fichas de Qualificação: PQA-VS 2020. Disponível em: https://portalarquivos.saude.gov.br/images/pdf/2020/May/19/Fichas-Qualifica----o-PQA-VS-2020---Final.pdf.

Índice de Desempenho do Sistema Único de Saúde (IDSUS). Fichas simplificadas dos indicadores. Disponível em: http://idsus.saude.gov.br/simplificadas.html.

Fichas de Qualificação da RIPSA - 2012. Disponível em: http://fichas.ripsa.org.br/2012/c-1/?l=pt_BR.

Secretaria Estadual da Saúde (SC). Relatório Anual de Gestão 2017. Disponível em: https://www.saude.sc.gov.br/index.php/documentos/informacoes-gerais/planejamento-em-saude/relatorios-de-gestao-1/relatorios-de-gestao-estadual/12426-relatorio-de-anual-de-gestao-2017/file.

Relatório de Pactuação do SISPACTO, 2017. Disponível em: http://aplicacao.saude.gov.br/sispacto/faces/relatoriosExterno/relatorioExternoPactuacao.jsf?faces-redirect=true.

Secretaria Estadual de Saúde (SC). Série histórica dos indicadores de pactuação interfederativa para o ano de 2018. Disponível em: https://www.cosemssc.org.br/pactuacao-de-indicadores-2018/.

Comissão Intergestores Bipartite. Deliberação n. 120, de 19 de junho de 2019. Aprova as metas do rol dos indicadores interfederativos do Estado de Santa Catarina, período de 2019. Disponível em: https://www.saude.sc.gov.br/index.php/legislacao/deliberacoes-cib/deliberacoes-2019-cib?limit=20&limitstart=140.

Souza SS. Acesso e cobertura na Atenção Primária à Saúde: uma análise dos indicadores de tuberculose no Brasil. Enferm Comunitaria. 2019; 15:e12395.

Suplici SER, Souza SS, Cunha AC, Zamprogna KM, Laurindo DLP. Associação entre casos de Aids em menores de cinco anos e cobertura da atenção básica. Rev enferm Cent-Oeste Min. 2020; 10:e3908.

Souza SS, Cunha AC, Suplici SER, Zamprogna KM, Laurindo DLP. Influência da cobertura da Atenção Primária no enfrentamento da COVID-19. J Health NPEPS. 2021; 6(1):1-21.

Lima KWS de, Antunes JLF, Silva ZP. Percepção dos gestores sobre o uso de indicadores nos serviços de saúde. Saúde Soc. 2015; 24(1):61-71.

Lima FA, Lima SC. Construindo cidades saudáveis: a instrumentalização de políticas públicas intersetoriais de saúde a partir do Planejamento Estratégico Situacional. Saúde soc. 2020; 29(2):e200058.

Fiorati RC, Arcêncio RA, Souza LB. As iniquidades sociais e o acesso à saúde: desafios para a sociedade, desafios para a enfermagem. Rev latinoam enferm. 2016; 24:e2683.

Pereira BS, Tomasi E. Instrumento de apoio à gestão regional de saúde para monitoramento de indicadores de saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(2):411-418.

Silva RM, Bessa Jorge MS, Silva Júnior AG. Planejamento, gestão e avaliação nas práticas de saúde. Fortaleza: EdUECE; 2015.

Tanaka OY, Tamaki EM. O papel da avaliação para a tomada de decisão na gestão de serviços de saúde. Ciênc saúde coletiva. 2012; 17(4):821-828.

Grimm SCA, Tanaka OY. Painel de Monitoramento Municipal: bases para a construção de um instrumento de gestão dos serviços de saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2016; 25(3):585-594.

Downloads

Publicado

29/05/2021

Como Citar

de Souza, S. da S., Cunha, A. C. da, Prim Laurindo, D. L., de Souza, A. G., Landt Simioni, S. R., & da Silva, F. M. (2021). Planejamento em saúde: utilização de uma ferramenta inteligente na gestão municipal do SUS/ Planificación sanitaria: uso de una herramienta inteligente en la gestión municipal del SUS/ Health planning: use of an intelligent tool in SUS municipal management. Journal Health NPEPS, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5281

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale