Prevalência de doenças diagnosticadas pela triagem neonatal em uma região de Mato Grosso, Brasil/ Prevalence of diseases diagnosed by biological neonatal screening in Mato Grosso, Brazil/ Prevalencia de enfermedades diagnosticadas por cribado biológico neonatal en Mato Grosso, Brasil

Autores

  • Kaynara Borges Oliveira Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia
  • Débora Oliveira Jesús Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia
  • Maria Fernanda Spegiorin Salla Brune Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)
  • Fernando Riegel Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Alessandra Vaccari Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)
  • Maximilian Wilhelm Brune Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia

Palavras-chave:

Saúde da Criança, Recém-Nascido, Triagem Neonatal, Doenças Metabólicas

Resumo

Objetivo: analisar a prevalência de doenças diagnosticadas pela triagem neonatal em uma região de Mato Grosso, Brasil. Método: estudo descritivo e quantitativo, com análise do rastreamento neonatal de 4057 recém-nascidos em dez municípios de Mato Grosso, a partir de dados secundários do serviço de referência em triagem neonatal do estado. Resultados: entre os pacientes diagnosticados, verificou-se prevalência de hipotireoidismo congênito (1:1014), fibrose cística (1:2029), fenilcetonúria (1:4057) e anemia falciforme (1:4057). Conclusão: o percentual de cobertura da triagem neonatal da região estudada foi considerado abaixo da média deste estado e país. As doenças com maior ocorrência foram hipotireoidismo congênito e fibrose cística.

Biografia do Autor

Kaynara Borges Oliveira, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia

Acadêmica do Curso de Farmácia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT - Campus Universitário do Araguaia

Débora Oliveira Jesús, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia

Acadêmica do Curso de Farmácia da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Maria Fernanda Spegiorin Salla Brune, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT)

Doutora em Bioquímica pela Universidade Federal de Viçosa (UFV). Professora do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Araguaia.

Fernando Riegel, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Doutor em Enfermagem (UFRGS). Mestre em Educação (UNISINOS). Professor do Departamento de Enfermagem Médico-Cirúrgica da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Alessandra Vaccari, Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS)

Professora do Departamento de Enfermagem Materno-infantil. Disciplina de Cuidado em Enfermagem ao Recém-nascido, Criança e Adolescente da Escola de Enfermagem da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Maximilian Wilhelm Brune, Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) - Campus Universitário do Araguaia

Doutor em Parasitologia pela Universidade Federal de Minas Gerias (UFMG). Professor do Instituto de Ciências Biológicas e da Saúde da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT) – Campus Araguaia.

Referências

Camargo CC, Fernandes GMA, Chiepe KCMB. Doenças identificadas na triagem neonatal ampliada. Braz J hHalth Rev. 2019; 2(6):6088-6098.

Rodrigues LP, Tanaka SCSV, Haas VJ, Cunali VCA, Marqui ABT. Teste do pezinho: condições materno-fetais que podem interferir no exame em recém-nascidos atendidos na unidade de terapia intensiva. Rev bras ter intensiva. 2019; 31(2):186-192.

Mendes IC, Pinheiro DS, Rebelo ACS, Carneiro LC, Jesuino RSA. Aspectos Gerais da Triagem Neonatal no Brasil: Uma Revisão. Rev Med Minas Gerais 2020; 30:e-3008.

Lacerda G, Costa F, Dantas D, Costa E, Resque R, Nascimento A, et al. Triagem neonatal: o panorama atual no estado do Amapá. Visa em debate. 2017; 5(1):89-96.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Especializada e Temática. Triagem Neonatal Biológica: manual técnico; 2016.

Ministério da Saúde (BR). Programa Nacional de Triagem Neonatal. Indicadores de triagem neonatal no Brasil. 2017. Disponível em: https://antigo.saude.gov.br/acoes-e-programas/programa-nacional-da-triagem-neonatal/indicadores-da-triagem-neonatal-no-brasil . Acesso em 13 Mai 2021.

Sousa MA, Silva ARF. Traço falciforme no Brasil: revisão da literatura e proposta de tecnologia de informação para orientação de profissionais da atenção primária. Rev Fac Med Univ Fed Ceará (Online). 2017; 57(2):37-43.

Mallmann MB, Tomasi YT, Boing AF. Neonatal screening tests in Brazil: prevalence rates and regional and socioeconomic inequalities. J Pediatr. 2020; 96(4):487-494.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde, Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico– NUPAD/FM/UFMG, Diagnóstico Situacional do Programa Nacional de Triagem Neonatal nos Estados Brasileiros. 2013. Disponível em: www.nupad.medicina.ufmg.br. Acesso em 4 Mai 2020.

Kraemer GC. Avaliação dos casos com resultado positivo na triagem neonatal para hiperplasia adrenal congênita no Paraná [dissertação]. Curitiba: Universidade Federal do Paraná; 2017. 149 p.

Carvalho DCSN, Macedo TCC, Moreno M, Figueiredo FWS, Sales IB, Christofolini J, et al. Evolução do Programa de Triagem Neonatal em hospital de referência no Ceará: 11 anos de observação. Arq bras ciênc saúde. 2017; 42(3):143-146.

Costa RD, Galera BB, Rezende BC, Venâncio AC, Galera MF. Identificação de mutações no gene da PAH em pacientes com fenilcetonúria do estado de Mato Grosso. Rev Paul Pediatr. 2020; 38:e2018351.

Melo WM, Costa CN, Amorim KMLS, Costa RSL. Fenilcetonúria: perfil dos indivíduos diagnosticados no Acre. J Health NPEPS. 2020; 5(2):351-362.

García-Morín M, Bardón-Cancho EJ, Beléndez C, Zamarro R, Béliz-Mendiola C, Rivera MG, et al. Fifteen years of newborn sickle cell disease screening in Madrid, Spain: an emerging disease in a European country. Ann Hematol. 2020; 99(1):1465–1474.

Nkya S, Mtei L, Soka D, Mdai V, Mwakale PB, Paul Mrosso, et al. Newborn screening for sickle cell disease: an innovative pilot program to improve child survival in Dar es Salaam, Tanzania. Int Health. 2019; 11(6):589-595.

Jaks WDC, Gabatz BIR, Schwartz E, Eschevarría-Guanilo EM, Borges RA, Milbrath MV. Doenças identificadas na Triagem Neonatal realizada em município do Sul do Brasil. Rev enferm atenção saúde. 2018; 7(1):116-128.

Hashemipour M, Kelishadi R, Amin MM, Poursafa P, Rashidi M, Mehrnejat N, et al.The association between familial and environmental factors and prevalence of congenital hypothyroidism in center of Iran. Environ Sci Pollut Res Int. 2021; 28(7):8434-8441.

Maggio MC, Ragusa SS, Aronica TS, Granata OM, Gucciardino E, Corsello G. Neonatal screening for congenital hypothyroidism in an Italian Centre: a 5-years real-life retrospective study. Ital J Pediatr. 2021; 47:108.

Ministério da Saúde (BR). Indicadores consolidados 2004 a 2011 do Estado do Mato Grosso, publicado pelo Programa de Triagem Neonatal, 2012. Disponível em: < http://portalarquivos2.saude.gov.br/images/pdf/2016/outubro/programa-nacional-triagem-neonatal/mato_grosso.pdf>. Acesso em 4 Mai. 2020.

Vendrusculo FM, Donadio MVF, Pinto LA. Cystic fibrosis in Brazil: achievements in survival. J Bras Pneumol. 2021; 47(2):e20210140.

Athanazio RA, Silva Filho LVRF, Vergara AA, Ribeiro AF, Riedi CA, Procianoy EFA, et al. Brazilian guidelines for the diagnosis and treatment of cystic fibrosis. J Bras Pneumol. 2017; 43(3):219-245.

Downloads

Publicado

29/05/2021

Como Citar

Oliveira, K. B., Jesús, D. O., Brune, M. F. S. S., Riegel, F., Vaccari, A., & Brune, M. W. (2021). Prevalência de doenças diagnosticadas pela triagem neonatal em uma região de Mato Grosso, Brasil/ Prevalence of diseases diagnosed by biological neonatal screening in Mato Grosso, Brazil/ Prevalencia de enfermedades diagnosticadas por cribado biológico neonatal en Mato Grosso, Brasil. Journal Health NPEPS, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5285

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)