Educação permanente como instrumento de qualificação da assistência em uma USF rural durante a pandemia/ Permanent education as an instrument to qualify assistance in a rural USF during a pandemic/ Educación continua como instrumento para calificar la asistencia en un USF rural durante la pandemia

Autores

Palavras-chave:

Educação em saúde, Assistência integral à saúde, Tecnologias leves, Acolhimento, Estratégia saúde da família

Resumo

Objetivo: relatar a experiência da realização de ações de educação permanente em uma unidade de saúde da família rural no período de pandemia. Método: trata-se de um estudo descritivo, do tipo relato de experiência, sobre o ciclo de atividades de educação permanente realizadas em uma unidade de saúde da família rural nos meses de agosto e setembro de 2020, sob a metodologia da pedagogia vivencial humanescente. Resultados: foram discutidos os temas tecnologias leves, abordagem familiar, acolhimento à demanda espontânea com classificação de risco e estratificação de risco cardiovascular na perspectiva de educação e promoção à saúde. Conclusão: a educação permanente permitiu ressignificar os conhecimentos e qualificar a assistência prestada na unidade no contexto de pandemia.

Referências

Associação Brasileira de Saúde Coletiva. Fortalecer a Estratégia Saúde da Família no enfrentamento da Covid-19 – Posicionamento da Rede APS, da Abrasco [internet] 2020 [acesso em 2020 Jan 31]. Disponível em: https://www.abrasco.org.br/site/noticias/especial-coronavirus/fortalecer-a-estrategia-saude-da-familia-no-enfrentamento-da-covid-19/47785/.

Massuda A. Mudanças no financiamento da Atenção Primária à Saúde no Sistema de Saúde Brasileiro: avanço ou retrocesso?. Ciênc saúde coletiva. 2020; 25(4):1181-1188.

Llisterri Caro JL. La maldita pandemia: una oportunidad para la Atención Primaria de Salud. Semergen. 2020; 46(3):149-150.

Lima ÂRA, González JS, Ruiz MCS, Heck RM. Interfaces da Enfermagem no cuidado rural: Revisão Integrativa. Texto contexto enferm. 2020; 29:e20180426.

Alves KYA, Santos VEP, Dantas MSP, Martins CCF, Salvador PTCO, Assis YMS. Humanescent experiential pedagogy and the theory of significant learning. Cogitare Enferm. 2015; 20(3):612-617.

Sousa ANA, Shimizu HE. Como os brasileiros acessam a Atenção Básica em Saúde: evolução e adversidades no período recente (2012-2018). Ciênc saúde coletiva. 2021; 6(8):2981-2995.

Merhy EE. Saúde: a cartografia do trabalho vivo. 2ª ed. São Paulo: Hucitec; 2005.

Merhy EE, Chakkour M. Em busca de ferramentas analisadoras das tecnologias em saúde: a informação e o dia a dia de um serviço, interrogando e gerindo trabalho em saúde. In: Merhy EE, Onocko R, organizadores. Agir em saúde: um desafio para o público. São Paulo: Hucitec; 2006.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério da Saúde; 2013.

Torres GMC, Figueiredo IDT, Cândido JAB, Morais APP, Almeida MI. O emprego das tecnologias leves no cuidado ao hipertenso na Estratégia Saúde da Família. Esc Anna Nery. 2018; 22(3):e20170169.

Chapadeiro CA, Andrade HYSO, Araújo MRN. Núcleo de educação em saúde coletiva da Faculdade de Medicina/UFMG. A Família como foco da Atenção Básica à Saúde. Belo Horizonte: Nescon/UFMG; 2011.

De Sá MAB, Almeida SG, Oliveira TA, Paiva KM, Campolina LR, Leão CDA, et al. Abordagem familiar na visão de uma equipe multiprofissional: estudo de caso. Rev Unimontes Científica. 2016; 18(2).

Rosário, MS, Veloso TPF, Rodrigues DB, Freitas KM, Sampaio TLA, Gomes DP, et al. Aplicação de Ferramentas de Abordagem Familiar no âmbito Estratégia Saúde da Família: um relato de caso. REAS. 2019; 25:E783:3-9.

Bello LD, Marra MM. O fenômeno da transgeracionalidade no ciclo de vida familiar: casal com filhos pequenos. Rev Bras Psicodrama. 2020; 28(2):118-130.

Fernandes CS, Magalhães B, Silva S, Edra B. Perception of family functionality during social confinement by Coronavirus Disease 2019. J nurs health. 2020; 10(n.esp.):e20104034.

Salazar-Barajas ME, Garza-Sarmiento EG, García-Rodriguez SN, Juárez-Vázquez PY, Herrera-Herrera JL, Duran-Badillo T. Funcionamiento familiar, sobrecarga y calidad de vida del cuidador del adulto mayor con dependencia funcional. Enferme Univ. 2019; 16(4):362-373.

Silva RS, Trindade GSS, Paixão GPN, Silva MJP. Conferência familiar em cuidados paliativos: análise de conceito. Rev Bras Enferm. 2018; 71(1):218-26.

Canuto LE, Silva SFL, Pinheiro LSP, Canuto Júnior JCA, Santos NLP. Estudo da demanda de uma equipe da Estratégia Saúde da Família que utiliza o acesso avançado como modelo de organização da agenda. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2021; 16(43):2378.

Ministério da Saúde (Brasil). Política Nacional de Humanização. Brasília. Editora do Ministério da Saúde. [internet] 2013 [Acesso em 2021 Jan 20] Disponível em: <https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_humanizacao_pnh_folheto.pdf>.

Silva TFS, David HMSL, Caldas CP, Martins EL, Ferreira SR. O acolhimento como estratégia de vigilância em saúde para produção do cuidado: uma reflexão epistemológica. Saúde Debate. 2018; 42(4):249-260.

Costa AB, Gouvea PB, Rangel RCT, Scnheider P, Alves TF, Acosta AS. Percepción de los enfermeros sobre la acogida y clasificación de riesgo en la atención primaria a la salud. Enferm Actual Costa Rica. 2018; 35:103-115.

Rossato K, Real VR, Oliveira GB, Araújo CDC. Acolhimento com classificação de risco na Estratégia Saúde da Família: Percepção da Equipe de Enfermagem. Rev Enferm UFSM. 2018; 8(1):144-156.

Grupo brasileiro de acolhimento com classificação de risco. Histórico da Classificação de Risco [internet]. [acesso em 2020 Dez 28]. Disponível em: <http://gbcr.org.br/>.

Moreira DA, Tibães HBB, Batista RCR, Cardoso CML, Brito MJM. Manchester Triage System in Primary Health care: ambiguites and challenges related to access. Texto Contexto Enferm. 2017; 16(2).

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Núcleo Técnico da Política Nacional de Humanização. Acolhimento nas práticas de produção de Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2010.

Ferreira GS, Oliveira GVB, Campos GA, Mendes LFR, Afonso LAM, Silva MV et al. Risco cardiovascular pelo escore de Framingham em serviços de cardiologia de uma cidade de médio porte de Minas Gerais. Rev Med Minas Gerais. 2020; 30(4):S69-S76.

Nascimento BR, Brant LCC, Oliveira GMM, Malachias MVB, Reis GMA, Teixeira RA, et al. Cardiovascular Disease Epidemiology in Portuguese-Speaking Countries: data from the Global Burden of Disease, 1990 to 2016. Arq Bras Cardiol. 2018; 110(6):500-511.

Précoma DB, Oliveira GMM, Simão AF, Dutra OP, Coelho OR, Izar COM, et al. Atualização da Diretriz de Prevenção Cardiovascular da Sociedade Brasileira de Cardiologia - 2019. Arq Bras Cardiol. 2019; 113(4):787-891.

Smeltzer SC, Bare BG. Histórico da função cardiovascular. In: Smeltzer SC, Bare BG. Brunner e Suddarth: Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2009.

Malta DC, Pinheiro PC, Azeredo RT, Santos FM, Ribeiro ALP, Brant LCC. Prevalence of high risk for cardiovascular disease among the Brazilian adult population, according to different risk calculators: a comparative study. Ciênc saúde coletiva. 2021; 26(4):1221-1231.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Hipertensão arterial sistêmica para o Sistema Único de Saúde. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2006.

Downloads

Publicado

01/06/2022

Como Citar

Porto, A. O., Bião Santos, L., Diniz dos Santos, S., Portela Silva, A. ., & Bitencourt Dantas, V. (2022). Educação permanente como instrumento de qualificação da assistência em uma USF rural durante a pandemia/ Permanent education as an instrument to qualify assistance in a rural USF during a pandemic/ Educación continua como instrumento para calificar la asistencia en un USF rural durante la pandemia. Journal Health NPEPS, 7(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5877

Edição

Seção

Relato de Experiência/ Case Report/ Reporte de Caso

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)