Estratégias de promoção do aleitamento materno e fatores associados ao desmame precoce/ Strategies to promote breastfeeding and factors associated with early weaning/ Estrategias para promover la lactancia materna y factores asociados al destete precoz

Autores

Palavras-chave:

Desmame, Aleitamento materno, Saúde da criança, Estratégia Saúde da Família

Resumo

Objetivo: analisar as estratégias de promoção do aleitamento materno e os fatores relacionados ao desmame precoce entre mães adultas. Método: estudo descritivo, qualitativo realizado com 16 mães, moradoras de uma cidade do Norte de Minas Gerais, Brasil. Os dados foram coletados entre agosto e setembro de 2020 por meio de entrevistas semiestruturadas. Para a análise dos dados, utilizou-se a análise de conteúdo. Resultados: o conhecimento das mães está centrado nos benefícios para a saúde e desenvolvimento da criança em detrimento de outros. As mães têm dificuldades para praticarem a amamentação devido a alterações mamárias e relataram o desmame precoce em função da baixa produção de leite, dificuldade da pega pelo bebê e introdução de mamadeiras. Conclusão: as mães têm conhecimento dos benefícios do aleitamento materno, obtidos principalmente de orientações recebidas nos atendimentos multiprofissionais, porém, este não foi suficiente para evitar o desmame precoce. Assim, outras estratégias devem ser pensadas, não somente para fins de esclarecimento sobre possíveis dúvidas, mas favorecer feedbacks da mãe (demandas sobre a amamentação e outras necessidades em saúde que possam interferir nesse período), assim como fortalecer a supervisão dos profissionais.

Referências

Santos EM, Silva LS, Rodrigues BFS, Amorim TMAX, Silva CS, Borba JMC, et al. Avaliação do aleitamento materno em crianças até dois anos assistidas na atenção básica do Recife, Pernambuco, Brasil. Ciênc saúde coletiva. 2019; 24(3):1211-1222.

Alves JS, Oliveira MIC, Rito RVVF. Orientações sobre amamentação na atenção básica de saúde e associação com o aleitamento materno exclusivo. Ciênc saúde coletiva. 2018; 23(4):1077-1088.

Souza SS, Bittencourt JM, Cardoso LM. Avaliação do conhecimento de gestantes acerca do aleitamento materno. Rev Cient Univiçosa. 2018; 10(1):1203-1208.

Silva GPC, Padilha LL, Silveira VNC, Frota MTBA. Factors associated with duration of breastfeeding in quilombola women. DEMETRA. 2019; 14(Supl.1):e42600.

Nascimento JDCD, Silva NLD, Lima MCBDM, Lima MFSD, Oliveira GS. Prevalência do aleitamento materno exclusivo nas regiões brasileiras em 2015. Carpe Diem. 2018; 16(2):252–269.

Sankar MJ, Sinha B, Chowdhury R, Bhandari N, Taneja S, Martines J, et al. Optimal breastfeeding practices and infant and child mortality: a systematic review and meta-analysis. Acta Pediatr. 2015; 104(3):3-13.

Phukan D, Ranjan M, Dwivedi LK. Impact of timing of breastfeeding initiation on neonatal mortality in India. Int Amamente J. 2018; 13:27.

Almada JNA, Fernandes LAF. Reflexo do desmame precoce na saúde das crianças no município de Valparaíso de Goiás. Rev Inic Cient Ext. 2018; 1(2):73-81.

Alvarenga SC, Castro DS, Leite FMC, Brandão MAG, Zandonade E, Caniçali Primo C. Fatores que influenciam o desmame precoce. Aquichan. 2017; 17(1):93-103.

Silva D, Soares P, Macedo MV. Aleitamento materno: causas e consequências do desmame precoce. RUC. 2017; 19(2):146-157.

Nascimento AMR, Silva PM, Nascimento MA, Souza G, Calsavara RA, Santos AA. Atuação do enfermeiro da estratégia saúde da família no incentivo ao aleitamento materno durante o período pré-natal. REAS. 2019; (supl. 21):e667.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007; 19(6):349-57.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades, população estimada. Rio de Janeiro; 2021 [acesso em 2022 jan. 12]. Disponível em: http://www.ibge.gov.br.

Bardin L. Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70; 2011.

Primo CC, Brandão MAG. Interactive Theory of Breastfeeding: creation and application of a middle-range theory. Rev Bras Enferm. 2017; 70(6):1257-1264.

Dias EG. Proposta de instrumento para autoavaliação de projetos de pesquisa envolvendo seres humanos. Rev Grad USP. 2020; 4(1):139-45.

Dias EG, Santo FGE, Santos IGR, Alves JCS, Santos TMF. Percepção das gestantes quanto a importância das ações educativas promovida pelo enfermeiro no pré-natal em uma unidade básica de saúde. Rev G&S. 2015; 06(03):2695-710.

Silva ACD, Pegoraro RF. A vivência do acompanhamento pré-natal segundo mulheres assistidas na Rede Pública de Saúde. Rev Psicol Saúde. 2018; 10(3):95-107.

Dias EG, Anjos GB, Alves L, Pereira SN, Campos LM. Ações do enfermeiro no pré-natal e a importância atribuída pelas gestantes. Rev Sustinere. 2018; 6(1):52-62.

Soares NA, Souza V, Santos FBO, Carneiro ACLL, Gazzinelli MF. Health education device: reflections on educational practices in primary care and nursing training. Texto contexto enferm. 2017; 26(3):e0260016.

Ferreira MGC, Gomes MFP, Fracolli LA. Aleitamento materno: orientações recebidas por gestantes acompanhadas pela estratégia saúde da família. RAS. 2018; 16(55):36-41.

Maonga AR, Mahande MJ, Damian JD, Msuya SE. Factors Affecting Exclusive Breastfeeding among Women in Muheza District Tanga Northeastern Tanzania: A Mixed Method Community Based Study. Matern Child Health J. 2016; 20:77–87.

Dukuzumuremyi JPC, Acheampong K, Abesig J, Luo J. Knowledge, attitude, and practice of exclusive breastfeeding among mothers in East Africa: a systematic review. Int Breastfeed J. 2020; 15(70):2-17.

Cançado AG, Maciel ACP, Abreu FF, Latorre FF, Rosa LA, Vitoi CA, et al. A influência do pré-natal, parto e intercorrências mamárias no tempo amamentação. REAS. 2021; 13(2):e5428.

Tonelli BQ, Leal APR, Tonelli WFQ, Veloso DCMD, Gonçalves DP, Tonelli SQ. Rotatividade de profissionais da Estratégia Saúde da Família no município de Montes Claros, Minas Gerais, Brasil. RFO. 2018; 23(2):180-185.

Lucena DBA, Guedes ATA, Cruz TMAV, Santos NCCB, Collet N, Reichert APS. Primeira semana saúde integral do recém-nascido: ações de enfermeiros da Estratégia Saúde da Família. Rev Gaúcha Enferm. 2018; 39:e2017-0068.

Vargas GS, Alves VH, Rodrigues DP, Branco MBLR, Souza RMP, Guerra JVV. Atuação dos profissionais de saúde na Estratégia Saúde da Família: promoção da prática do aleitamento materno. Rev baiana enferm. 2016; 30(2):1-9.

Uchoa JL, Rodrigues AP, Joventino ES, Almeida PC, Oriá MOB, Ximenes LB. Autoeficácia em amamentar de mulheres no pré-natal e no pós-parto: estudo longitudinal. Rev Enferm UFSM. 2016; 6(1):10-20.

Fontes PV. A luta pelo reconhecimento e o paradigma da dádiva: uma proposta de articulação teórica. Rev Bras Ciênc Soc. 2018; 33(97):1-18.

Santos EA, Santos SS, Oliveira ACC. A enfermagem e a orientação sobre aleitamento materno. REDE. 2019; 2(1):40-52.

Passos LP, Pinho L. Profissionais de saúde na promoção ao aleitamento materno: revisão integrativa. Rev enferm UFPE on line. 2016; 10(3):1507-1516.

Hernandes TA, Fujinami AN, Raimundo EC, Cardoso CP, Higa EFR, Lazarini CA. Significado e dificuldades da amamentação: representação social das mães. Rev Psicol Divers Saúde. 2017; 6(4):247-257.

Dias EG, Pereira JS, Rocha JL, Campos LM, Araújo RA. Aleitamento materno na perspectiva de lactantes de uma unidade de saúde da família. J nurs health. 2022; 12(1):e2212120570.

Pereira MC, Garcia ESGF, Andrade MBT, Gradim CVC. Sentimentos da puérpera primípara nos cuidados com o recém-nascido. Cogitare Enferm. 2012; 17(3):537-42.

Sehnem GD, Tamara LB, Lipinski JM, Tier CG. Vivência da amamentação por mães adolescentes: experiências positivas, ambivalências e dificuldades. Rev Enferm UFSM. 2016; (4):578-588.

Moraes IC, Sena NL, Oliveira HKF, Albuquerque FHS, Rolim KMC. Percepção sobre a importância do aleitamento materno pelas mães e dificuldades enfrentadas no processo de amamentação. Rev Enferm Ref. 2020; serV(2):e19065.

Oliveira AKS, Branco JGO, Costa FBC, Santos MSN, Freire FFS. Prevenção e cuidados frente às complicações mamárias relacionadas à amamentação na atenção primária à saúde. Enferm Bras. 2019; 18(1):158-65.

Rocci E, Fernandes RAQ. Dificuldades no aleitamento materno e influência no desmame precoce. Rev Bras Enferm. 2014; 67:22-7.

Rocha GP, Oliveira MCF, Ávila LBB, Longo GZ, Cotta RMM, Araújo RMA. Condicionantes da amamentação exclusiva na perspectiva materna. Cad Saúde Pública. 2018; 34(6):e00045217.

Sales C, Castanha A, Aléssio R. Aleitamento materno: representações sociais de mães em um Distrito Sanitário da cidade do Recife. Arq bras psicol. 2017; 69(1):184-199.

Mezzavilla RS, Vianna GVB, Lindsay AC, Hasselmann MH. Violência entre parceiros íntimos, oferta de leite materno, substitutos e uso de mamadeiras no primeiro ano de vida. Ciênc Saúde Coletiva. 2021; 26(5):1955-1964.

Oliveira AKP, Melo RA, Maciel LP, Tavares AK, Amando AR, Sena CRS. Práticas e crenças populares associadas ao desmame precoce. Av enferm. 2017; 35(3):303-312.

Kuswara K, Campbell KJ, Hesketh KD, Zheng M, Laws R. Patterns and predictors of exclusive breastfeeding in Chinese Australian mothers: a cross sectional study. Int breastfeed J. 2020; 15(1):61.

Oliveira CS, Locca FA, Carrijo MLR, Garcia RATM. Breastfeeding and complications that contribute to early weaning. Rev Gaúcha Enferm. 2015; 36(n.spe):16-23.

Downloads

Publicado

01/06/2022

Como Citar

Dias, E. G., Sena, E. P. F. R. ., Sampaio, S. R., Bardaquim, V. A. ., Campos, L. M. ., & Antunes de Araújo, R. . (2022). Estratégias de promoção do aleitamento materno e fatores associados ao desmame precoce/ Strategies to promote breastfeeding and factors associated with early weaning/ Estrategias para promover la lactancia materna y factores asociados al destete precoz. Journal Health NPEPS, 7(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/6109

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale