Socio-environmental factors and schistosomiasis hospitalizations in Minas Gerais, Brazil (2007-2017)/ Factores socioambientales y hospitalizaciones por esquistosomiasis en Minas Gerais, Brasil (2007-2017)/ Fatores socioambientais e internações por esquistossomose em Minas Gerais, Brasil (2007-2017)

Autores

Palavras-chave:

schistosomiasis, Brazil, sanitation, spatial analysis

Resumo

Objective: to spatially analyze the disease in the state of Minas Gerais, Brazil, associating its transmission with possible exposure factors. Method: descriptive ecological study, based on secondary data, with statistical and spatial analysis. Collection of cases of the disease was carried out by municipality. Maps were made for spatial approach. Results: cases of the disease were analyzed accompanied by their respective MHDI, percentage of people in households with inadequate water supply and sanitation, percentage of the population in households without running water and percentage of the population in households without garbage collection. Conclusion: in order to control the disease, improvements are proposed in the basic sanitation infrastructure (sewage treatment and water supply) and public awareness through the dissemination of educational material. Even within a municipality, there are different levels of development and health, so that the data may not represent the entire reality of a municipality.

Referências

Ministério da Saúde (BR). Doenças infecciosas e parasitárias: guia de bolso. Oitava edição revisada. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. [acesso em 2019 out. 10]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/doencas_infecciosas_parasitaria_guia_bolso.pdf.

Ministério da Saúde (BR). Secretaria de Vigilância em Saúde, Vigilância da Esquistossomose Mansoni: diretrizes técnicas. Brasília: ministério da Saúde; 2014. [acesso em 2019 out. 09]. Disponível em: https://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/vigilancia_esquistossome_mansoni_diretrizes_tecnicas.pdf.

Bastos O, Basques JC, Nohmi N. Estudo da coagulação do sangue com o medicamento 1 (5-Nitro-2-Tiazolil-2-Imidazolidinona) - CIBA - 32.644-Ba. Niridazol no tratamento da esquistossomose mansoni. Rev Soc Bras Med Trop. 1968; 2:2.

Magalhães LA, Dias LCS. Estudo da suscetibilidade da Biomphalaria glabrata de Ourinhos (SP), à infecção pelo Schistosoma mansoni de Belo Horizonte (MG), e de São José dos Campos (SP). Rev Saúde Públ. 1973; 7:295-297.

Carvalho OS, Andrade RM, Cortês MIN. Roedores silvestres na epidemiologia da esquistossomose mansônica no Lago da Pampulha, Belo Horizonte, Minas Gerais (Brasil). Rev Soc Bras Med Trop. 1975; 11:1.

Lemos Neto RC, Magalhães LA, Piedrabuena AE. Alguns aspectos referentes ao estudo de linhagens de Schistosoma mansoni Sambon, 1907, provenientes dos estados de Minas Gerais e de São Paulo, Brasil. Rev Saúde Pública. 1978; 12: 277-290.

Conceição MJ, Coura JR. Ocorrência familiar de esplenomegalia esquistossomótica em uma área rural de Minas Gerais. Rev Soc Bras Med Trop. 1980.

Milward-de-Andrade R, Carvalho OS. Colonização de Pomacea haustrum (Reeve, 1856) em localidade com esquistossomose mansoni: Baldim, MG (Brasil). (Prosobranchia, Pilidae). Rev Saúde Pública. 1979; 13:92-107.

Carvalho OS, Milward-de-Andrade R, Souza CP. Susceptibilidade de Biomphalaria tenagophila (d'Orbigny, 1835), de Itajubá (MG), à infecção pela cepa "LE" de Schistosoma mansoni Sambon, 1907, de Belo Horizonte, MG (Brasil). Rev Saúde Pública. 1979; 13:20-25.

Pereira AD, Pinto PLS, Camargo JSAA, Souza JBR, Amante CA, Souza VKG, et al. Potential for shistosomiasis in a municipality of Rondônia, Brazilian Amazon. Acta Amaz. 2016; 46(4): 377-382.

Katz N, Peixoto SV. Análise crítica da estimativa do número de portadores de esquistossomose mansoni no Brasil. Rev Soc Bras Med Trop. 2000; 33(3):303-308.

Resendes APC, Souza-Santos R, Barbosa CS. Internação hospitalar e mortalidade por esquistossomose mansônica no estado de Pernambuco, Brasil, 1992/2000. Cad Saúde Pública. 2005; 21(5):1392-1401.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Cidades e estados. Rio de Janeiro; 2021. [acesso em 2022 jul. 07]. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/cidades-e-estados/mg.html

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Base da Divisão Hidrográfica Nacional. Rio de Janeiro; 2021. [acesso em 2022 jul. 07]. Disponível em: https://geoftp.ibge.gov.br/informacoes_ambientais/estudos_ambientais/bacias_e_divisoes_hidrograficas_do_brasil/2021/Divisao_Hidrografica_Nacional_DHN250/mapas/mapa_das_divisoes_hidrograficas_do_brasil_2021.pdf

Reis M. Esquistossomose, pobreza e saneamento. [Dissertação de Mestrado]. Universidade de São Paulo. São Paulo; 2018. [acesso em 2022 jul. 08]. Disponível em: https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/6/6139/tde-14112018-101155/publico/MarlidosReis_REVISADA_MTR2368.pdf.

Turner HC, French MD, Montresor A, King CH, Rollinson D, Toor J. Economic evaluations of human schistosomiasis interventions: a systematic review and identification of associated research needs. Wellcome Open Res. 2020; 5:45.

Santos IGA, Bezerra LP, Cirilo TM, Silva LO, Machado JPV, Lima PD, et al. Aspectos relacionados com a positividade para a esquistossomose: estudo transversal em área de baixa prevalência em Alagoas, 2020. Epidemiol Serv Saude. 2021; 30(2):2020520.

Ministério da Saúde (BR). DATASUS – Informações de Saúde. Morbidade Hospitalar do SUS. Brasília: Ministério da Saúde; 2019. [acesso em 2019 mai. 10]. Disponível em http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sih/cnv/nrmt.def.

Silva LEO, Wanderley FS. Análise do Programa de Controle da Esquistossomose na redução dos indicadores epidemiológicos da doença no Brasil, de 1995 a 2017. Rev Pan Amaz Saude. 2022; 13:e202200956.

Carvalho RRS, Siqueira JH. Caracterização epidemiológica da esquistossomose no estado do Espírito Santo de 2010 a 2015. Rev Bras Pesq Saúde. 2019; 21(1):95-103.

Santos LSTA, Cardoso ACC. Internações por esquistossomose mansônica no estado da Bahia entre 2012 e 2016. Rev Enferm Contemp. 2020; 9(2):231-237.

Torres RLN, Nascimento DBL, Silva RGT, Araújo SKBS, Costa GS, Silva MQM, Silva JAM, Mendonça EF. Internações hospitalares por esquistossomose no estado de Pernambuco no período de 2010 a 2017. MedTrop – 54° Congresso da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. Pernambuco; 2018. [acesso em 2022 jul. 09]. Disponível em: http://www.adaltech.com.br/anais/medtrop2018/resumos/PDF-eposter-trab-aceito-0345-3.pdf.

Atlas Brasil. Atlas do desenvolvimento humano no Brasil. 2010. [acesso em 2019 out. 11]. Disponível em: http://www.atlasbrasil.org.br.

Oliveira ECA, Pimentel TJF, Araujo JPM, Oliveira LCS, Fernando VCN, Loyo RM, Gomes ECS, Moreira RS, Barbosa CS. Investigação sobre os casos e óbitos por esquistossomose na cidade do Recife, Pernambuco, Brasil, 2005-2013. Epidemiol Serv Saude. 2018; 27(4):e2017190.

Bizimana P, Polman K, Geertruyden JPV, Nsabiyumva F, Ngenzebuhoro C, Muhimpundu E, et al. Capacity gaps in health facilities for case management of intestinal schistosomiasis and soil-transmitted helminthiasis in Burundi. Infect Dis Poverty. 2018; 7(1):66.

Alves PC, Souza IM, Moura MA, Cunha LA. A experiência da esquistossomose e os desafios da mobilização comunitária. Cad Saúde Pública. 1998; 14 (Supl. 2):79-90.

Rozemberg B. Saneamento rural em áreas endêmicas de esquistossomose: experiência e aprendizagem. Ciênc Saúde Colet. 1998; 3(2):125-141.

Santos ML and Coura JR. Morbidade da esquistossomose no Brasil: IV. Evolução em pacientes tratados e seus controles. Mem Inst Oswaldo Cruz. 1986; 81:1.

Saucha CVL, Silva JAM, Amorim LB. Condições de saneamento básico em áreas hiperendêmicas para esquistossomose no estado de Pernambuco em 2012. Epidemiol Serv Saude. 2015; 24(3):497-506.

Gomes ECS, Mesquita MCS, Rehn VNC, Nascimento WRC, Loyo R, Barbosa CS. Transmissão urbana da esquistossomose: novo cenário epidemiológico na Zona da Mata de Pernambuco. Rev Bras Epidemiol. 2016; 19(4):822-834.

Lima-Costa MF, Rocha RS, Magalhães MHA, Katz N. Um modelo hierárquico de análise das variáveis sócio-econômicas e dos padrões de contatos com águas associados à forma hepatoesplênica da esquistossomose. Cad Saúde Pública. 1994; 10(Supl. 2):241-253.

Schall VT, Dias AGP, Malaquias MLG, Santos MG. Educação em saúde em escolas públicas de 1° grau da periferia de Belo Horizonte, MG, Brasil. I - Avaliação de um programa relativo à esquistossomose. Rev Inst Med Trop Sao Paulo. 1993; 35(6):563-572.

Costa CS, Rocha AM, Silva GS, Jesus RPFS, Albuquerque AC. Programa de controle da esquistossomose: avaliação da implantação em três municípios da Zona da Mata de Pernambuco, Brasil. Saúde Debate. 2017; 41:229-241.

Strunz EC, Addiss DG, Stocks ME, Odgen S, Utzinger J, Freeman MC. Water, sanitation, hygiene, and soil-transmitted helminch infection: a systematic review and meta-analysis. PloS Med. 2020; 11(3):e1001620.

Dubeux LS, Jesus RPFS, Samico I, Mendes MFM, Wanderley FSO, Tomasi E, et al. Avaliação do programa de enfrentamento às doenças negligenciadas para o controle da esquistossomose mansônica em três municípios hiperendêmicos, Pernambuco, Brasil, 2014. Epidemiol Serv Saude. 2019; 28(2):e2018085.

Katz N. Inquérito nacional de prevalência da esquistossomose mansoni e geo-helmintoses. Belo Horizonte: CPqRR; 2018.

Silva JP, Ramos SB, Andrade M. Análise multivariada da esquistossomose no estado de Minas Gerais: análise de componentes principais. ABCS Health. 2018; 43(2):84-90.

Fernandes ML. Esquistossomose: investigação sobre o conhecimento da doença entre trabalhadores do setor turístico e frequentadores de coleções hídricas em um município da Estrada Real, Minas Gerais. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal dos Vales do Jequitinhonha e Mucuri. Diamantina; 2019. [acesso em 2022 jul. 08]. Disponível em: http://acervo.ufvjm.edu.br/jspui/bitstream/1/2101/6/marconi_leao_fernandes.pdf.

Rehem TCMSB, Oliveira MRF, Amaral TCL, Ciosak SI, Egry EY. Internações por condições sensíveis à atenção primária em uma metrópole brasileira. Rev Esc Enferm USP. 2013; 47(4):884-90.

Lima-Costa MF, Barreto SM. Tipos de estudos epidemiológicos: conceitos básicos e aplicações na área do envelhecimento. Epidemiol Serv. 2003; 12(4):189-201.

Borges DML, De Sena MF, Ferreira MÂF, Roncalli ÂG. Mortalidade por câncer de boca e condição sócio-econômica no Brasil. Cad Saúde Pública. 2009; 25(2):321-327.

Downloads

Publicado

01/06/2022

Como Citar

Ribeiro Alves, M. (2022). Socio-environmental factors and schistosomiasis hospitalizations in Minas Gerais, Brazil (2007-2017)/ Factores socioambientales y hospitalizaciones por esquistosomiasis en Minas Gerais, Brasil (2007-2017)/ Fatores socioambientais e internações por esquistossomose em Minas Gerais, Brasil (2007-2017). Journal Health NPEPS, 7(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/6228

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale