DISCUTINDO METODOLOGIAS DE ENSINO DE LIBRAS COMO SEGUNDA LÍNGUA NO ENSINO SUPERIOR

Autores

  • Wáquila Pereira Neigrames Universidade Federal de Goiás -Regional Catalão
  • Alexandre António Timbane UNILAB

DOI:

https://doi.org/10.30681/real.v11i01.2551

Resumo

A proposta desse artigo é de refletir sobre os métodos de ensino da Língua Brasileira de Sinais - Libras como segunda língua- L2 no nível superior de ensino nos mais variados cursos como prevê o Decreto nº 5.626/2005. O objetivo, portanto, não é de se prender a um único método como o correto, mas poder refletir sobre diferentes métodos para então fazer uma escolha adequada e satisfatória, ou seja conhecer possíveis métodos existentes como formas e táticas alternativas para o ensino dessa língua de modalidade viso-espacial. A Lei 10.436/2002 regulamenta a Libras como língua da comunidade surda brasileira o decreto 5626/2005 garante a implantação da Libras nos currículos dos cursos de Instituições de Ensino Superior. Preliminarmente conclui-se que a Libras está em ascensão, ainda é desconhecida por grande parte da nossa sociedade professores devem buscar novas metodologias para mediar o ensino-aprendizagem.

Palavas-chave: Língua. Libras. Metodologia. Docente.

 

Biografia do Autor

Wáquila Pereira Neigrames, Universidade Federal de Goiás -Regional Catalão

Aluna no programa de mestrado em Estudos da Linguagem, professora do Instituto Federal de Goiás - Campus Itumbiara

Referências

ALBRES, Neiva de Aquino. Ensino de libras como segunda língua e as formas de registrar uma língua visuo-gestual: problematizando a questão. ReVEL, v. 10, n. 19, p.125-149, 2012.

BRASIL.Lei 10436 de 24 de abril de 2012

BRASIL. Decreto n.5626 de 22 de dezembro de 2005

CAPOVILLA, Fernando. Cesar; RAPHAEL, Walkiria Duarte Dicionário enciclopédico ilustrado trilíngüe da língua de sinais brasileira. v. 1 e 2. São Paulo: EDUSP, 2001.

CELANI, Maria Antonieta. Questões de ética na pesquisa em Lingüística Aplicada. Linguagem & Ensino, v. 8, n. 1, p. 101-122, Pelotas, jan./jun. 2005.

FELIPE, Tanya Amara. Metodologia do ensino de LIBRAS para ouvintes. Rio de Janeiro: FENEIS, 1993.

FELIPE, Tanya Amara; MONTEIRO, Myrna Salerno. LIBRAS em Contexto, Livro do Professor/instrutor - Curso Básico - Programa Nacional de Apoio à Educação de Surdos. Brasília. MEC - SEE. 2001

FERREIRA BRITO, Lucinda. Integração social & educação de surdos. Rio de Janeiro: Babel,1993.

FERREIRA BRITO, Lucinda. Por uma gramática de Língua de Sinais. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1995.

FIORIN, José Luiz. Linguística? Que é isso? São Paulo: Contexto, 2013.

GESSER, Audrei. LIBRAS? Que língua é essa? Crenças e preconceitos em torno da realidade surda e da língua de sinais. São Paulo: Parábola Editorial, 2009.

GESSER, Audrei. Metodologia de ensino em LIBRAS como L2. Florianópolis: Ed.UFSC, 2010.

LACERDA, Cristina Broglia Feitosa de; Um pouco da história das diferentes abordagens na educação dos surdos, 1998.

NEVES, Sylvia Lia Grespan. Um estudo dos recursos didáticos nas aulas de língua brasileira de sinais para ouvintes. 2011. 128p. Dissertação (Mestrado em Educação), Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, SP, 2011.

PEIXOTO, Renato Castelo. Algumas considerações sobre a interface entre a Língua Brasileira de Sinais (LIBRAS) e a Língua Portuguesa na construção inicial da escrita pela criança surda. Cadernos CEDES, Campinas, v.26, n.69, p. 205-229, 2006.

QUADROS, Ronice Muller de; CRUZ, Carina Rebelo. Línguas de sinais: instrumentos de avaliação. Porto Alegre: Artmed, 2011.

QUADROS, Ronice Muller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos linguísticos. Porto Alegre: Artmed Editora, 2004.

RAMOS, Clélia Ramos. Libras como segunda língua para ouvintes: uma proposta de inclusão. Revista Virtual de Cultura Surda e Diversidade, v. 4, p. 01-02, pp???? 2009.

c.

ROSA, Andre da Silva. Entre a visibilidade da tradução de sinais e a invisibilidade da tarefa do interpréte. Campinas, SP: Ed. Arara Azul, 2005.

SALLES, Heloísa Maria Moreira Lima et al. Ensino de língua portuguesa para surdos: caminhos para a prática pedagógica. Brasília: Programa Nacional de Apoio à Educação dos Surdos, 2004.

SEVERO, Cristine Gorski. Política(s) linguística(s) e questões de poder. Alfa, São Paulo, 57 (2): 451-473, 2013.

SILVA, Rosilene Ribeiro. A educação do surdo: minha experiência de professora itinerante da Rede Municipal de Ensino de Campinas. 2003. 145f. Dissertação (Mestrado em Educação), Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, SP, 2003.

SOUZA BASSO, Idavania Maria De; STROBEL, Karin Lilian; MASUTTI, Mara. Metodologia de ensino de libras – L1. Florianópolis: Ed.UFSC, 2010

SPINASSÉ, Karen Pupp. Os conceitos língua materna, segunda língua e língua estrangeira e os falantes de línguas alóctones minoritárias no Sul do Brasil. Contingentia, v.1, p.1-10, 2006.

STROBELL, Karin. História da Educação dos Surdos. Florianópolis: Florianópolis, 2009.

TIMBANE, Alexandre António. A importância da fotografia no ensino do francês em Moçambique. Entretextos-Revista científica do PPG em Estudos da Linguagem.v.5, n.2, p.245-268. Londrina, jul. - dez. 2015.

TIMBANE, Alexandre António. (Des)caminhos do ensino técnico e a complexidade do ensino em português em Moçambique. In: LIMA, Bruno de Assis Freire de. (Org.). O ensino de Língua Portuguesa na Escola Técnica: perspectivas e desafios. 1.ed. Rio de Janeiro: Dictio, 2016, p.49-119.

VIGOSTSKII, Lev Semenovich. Aprendizagem e desenvolvimento inteletual na vida escolar. In: VIGOTSKII, Lev Semenovich; LURIA, Alexandrre Romanovich; LEONTIEV, Alexis N.(Org.) Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem. 12ed. Trad. Maria da Penha Villalobos. São Paulo: Icone, 2012. p.103-118.

WILCOX, Sherman; WILCOX, Phillis Perrin. Aprender a ver. Rio de Janeiro: Arara Azul, 2005. (Coleção Cultura e diversidade).

Downloads

Publicado

01/08/2018

Como Citar

Neigrames, W. P., & Timbane, A. A. (2018). DISCUTINDO METODOLOGIAS DE ENSINO DE LIBRAS COMO SEGUNDA LÍNGUA NO ENSINO SUPERIOR. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 11(01), 140–161. https://doi.org/10.30681/real.v11i01.2551

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada