UMA ANÁLISE DA CONCEPÇÃO DE LEITURA NOS DOCUMENTOS OFICIAIS PARA O ENSINO MÉDIO EM ALAGOAS

Autores

  • Neilton Farias Lins INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS SATUBA/AL
  • Cristiano Lessa de Oliveira

Resumo

 

O objetivo deste trabalho é estabelecer a relação existente entre situações propostas nos itens de leitura da avaliação do Ensino Médio no Estado de Alagoas, o Aprendizagem da Rede Estadual de Ensino de Alagoas (doravante AREAL), e o Referencial Curricular de Língua Portuguesa da Rede Estadual de Ensino de Alagoas (doravante RECREAL). Os teóricos que dão luz a esta pesquisa, em especial a concepção de leitura, são (KOCH, 2014; JOUVE, 2002; THÉRIEN, 1990; BOURDIEU E CHARTIER, 2011; SILVEIRA E OLIVEIRA, 2015; MARCUSCHI, 1996; 2008); sobre o prisma da literatura que trata da leitura, trabalhamos com (KOCH, 1997, 1989, 2006; PRESTES, 2000; ELIAS, 2011; GERALDI, 1985; BATISTA, 2016; RONCARATI, 2010; SOLÉ, 1988; TERZI, 2002, ZILBERMAN & SILVA, 2002). Ademais, verificam-se também as bases teórico-metodológicas do AREAL e do RECREAL, no que se refere à concepção de leitura subjacente tanto ao teste quanto ao referencial; o respectivo estudo efetiva-se por meio de uma análise documental, que se divide em duas partes: primeiro, são estudados os relatórios do AREAL e RECREAL para identificar as concepções neles presentes; posteriormente, são analisados todos os itens de leitura disponibilizados. Os resultados prévios, apontados nos documentos em análise, constataram que a concepção defendida por esses documentos oficiais não prevê, em sua íntegra, a leitura fora do ambiente escolar. A tônica do trabalho com a leitura se volta, especialmente, para o locus escolar. Daí, a necessidade de a Rede desenvolver uma concepção sociointeracionista de leitura que se volte a práticas sociais fora do ambiente escolar.

Biografia do Autor

Neilton Farias Lins, INSTITUTO FEDERAL DE ALAGOAS CAMPUS SATUBA/AL

ADAM, J.M. A linguística textual: introdução à análise textual dos discursos. São Paulo, Cortez, 2011. 

                                                                                                

APOTHÉLOZ, D. Papel e funcionamento da anáfora na dinâmica textual. In: CAVALCANTE, M. M.& RODRIGUES, B. B; CIULLA, Alena. (Orgs.). Referenciação. São Paulo, Contexto, 2003.

 

___ & REICHLER-BÉGUELIN, M. J. 1995. Construcion de la référence et stratégies de designation. In: A. Berrendonner & M. J. Reichler-Béguelin (Eds.). Du sintagme nominal aux objets-de-discours: SN complexes, nominalisations, anaphors. Institute de       Linguistique; Université de Neuchâtel. Suisse: (TRANEL), n°23, p. 227-271.

 

BARROS, D. L.P. Teoria Semiótica do Texto. São Paulo, Editora Parma Ltda, 2005.

 

CAVALCANTE, M. M. Referenciação: sobre coisas ditas e não ditas. Fortaleza, EDUFC,  2011.

 

CAVALCANTE, M. M. Leitura Referenciação e Coerência. In: Ensino de Língua        Portuguesa: oralidade, escrita e leitura. (orgs) Elias M.E.  São Paulo, Contexto, 2014.

 

KOCH, I. G. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo, Contexto. 1997. p. 11-57.

 

___. Introdução à Linguística textual. São Paulo, Ed. Martins fontes, 2004. 

 

___. Referenciação e Discurso. São Paulo, CONTEXTO, 2005b.

 

___ & ELIAS, V. M. Ler e Compreender os sentidos. 2. Ed. São Paulo, Contexto, 2006.

 

___. As tramas do texto (Série Dispersos). Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.

 

MARCUSCHI, L. A Referenciação e Progressão Tópica: aspectos cognitivos e textuais. In: GELNE – XVII Jornada do grupo de Estudos Linguísticos do Nordeste, vol. 19, nº 19, p. 170 - 220, UFC, Fortaleza: setembro de 1999. 

 

___. Processos de Referenciação na Produção Discursiva. São Paulo, Revista DELTA, vol.14, nº especial, 2000, p.169-190.

 

___. Referência e cognição: o caso da anáfora sem antecedente. Trabalho apresentado no Encontro de Linguística. Juiz de Fora, UFJF. dez. 1998.

 

___. A Anáfora Indireta: o barco textual e suas âncoras. In: Referenciação e Discurso. (orgs)        KOCK, I. V, MORATO, E. M. e BENTES, A. C., São Paulo, Contexto, 2005.

 

___. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo, Parábola, 2008, p. 50-61.

 

___. KOCH, I. V.G. Estratégias de referenciação e Progressão referencial na língua falada.

In: Gramática do Português Falado. Vol. VIII: Novos Estudos Descritivos. 1. ed.       Campinas: Editora da UNICAMP/FAPESP, 2002.

 

MONDADA, L.; DUBOIS, D. Construção dos objetos de discurso e categorização: uma         abordagem dos processos referenciais. In: CAVALCANTE, M. M. et al. (orgs.)         Referenciação. São Paulo, Contexto: 2003. p. 17-52.

 

RONCARATI, C. As Cadeias do Texto: construindo sentidos. São Paulo, Parábola, 2010. 

 

Possui graduação em LETRAS pela FACULDADE DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES DA MATA SUL (2004). Mestrado em Linguística pela UFAL. Tem experiência na área de Letras, com ênfase em Língua Portuguesa, atuando principalmente nos seguintes temas: texto, linguagem, gêneros textuais, elementos verbais e não verbais, análise do discurso, análise da conversação. Participa do GETEL - Grupo de Estudos do Texto e da Leitura - Perspectivas Interdisciplinares - Coordenado pela Profª. Drª. Maria Francisca Oliveira Santos e do GENTELLI - Grupo de Estudos em Novas Tecnologias, Língua e Literatura - Coordenado pelo Prof. Dr. Herbert Nunes de Almeida Santos. Professor de Língua Portuguesa do Instituto Federal de Alagoas 

Referências

ANTUNES, Irandé. Língua, texto e ensino: outra escola possível. Parábola Editorial, 2009.

BAZERMAN, Charles. Escrita, gênero e interação social. São Paulo: Cortez, 2007.

BATISTA, Ronaldo de Oliveira. O texto e seus conceitos. Parábola Editorial, 2016.

Elias, Vanda Maria. Ensino de língua portuguesa. Editora Contexto, 2011.

GERALDI, João Wanderley. Texto na sala de aula: leitura & produção. Assoeste, 1985.

KOCH, Ingedore. O texto: construção de sentidos. Organon 9.23 (1997).

________ e TRAVAGLIA, Luiz Carlos. Texto e coerência. Vol. 4. Cortez Editora, 1989.

________. As tramas do texto. Contexto, 2014.

________. Desvendando os segredos do texto. Editora Cortez, 2006.

________ e ELIAS, Vanda Maria. Ler e compreender: os sentidos do texto. Contexto, 2006.

PRESTES, Maria Luci De Mesquita. Leitura e (re)escritura de textos: Subsídios teóricos e práticos para o seu ensino. São Paulo – SP, Respel. 2000.

RONCARATI, Cláudia. As cadeias do texto: construindo sentidos. São Paulo: Parábola Editorial, 2010.

SOLÉ, Isabel. Estratégias de leitura. Porto Alegre: Artmed, 1998.

SOUZA, A. C. & RODRIGUES, C. Protocolos verbais: uma metodologia na investigação de processos de leitura. In: TOMICH, L. M. B. (org). Aspectos cognitivos e instrucionais da leitura. Bauru, SP: EDUSC, 2008.

TEBEROSKY, A. & COLOMER, T. Aprender a ler e a escrever – uma proposta construtivista. Porto Alegre: Artmed, 2003.

TERZI, S. B. A construção da leitura. Campinas, SP: Pontes, 2002.

TOMICH, L. M. B. (org). Aspectos cognitivos e instrucionais da leitura. Bauru, SP: EDUSC, 2008.

VILLALTA, Luiz Carlos. O que se fala e o que se lê: língua, instrução e leitura. In: SOUZA, L. de M. (org). História da vida privada na América portuguesa, Vol.1. São Paulo: Companhia das Letras, 2004, pp. 332-385 (8ª reimpressão).

ZILBERMAN, R. & SILVA, E. T. da (orgs). Leitura: perspectivas interdisciplinares. São Paulo: Ática, 2002.

Downloads

Publicado

03/02/2020

Como Citar

Lins, N. F., & Oliveira, C. L. de. (2020). UMA ANÁLISE DA CONCEPÇÃO DE LEITURA NOS DOCUMENTOS OFICIAIS PARA O ENSINO MÉDIO EM ALAGOAS. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 12(3), 196–218. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/4146

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada