Prevalência de sintomas depressivos em acadêmicos de Medicina da Universidade de Itaúna – MG

Autores

  • Mariele Silveira UEMG- Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Thaís Silva UEMG- Universidade do Estado de Minas Gerais
  • Ronaldo Santhiago Bonfim de Souza

Resumo

Introdução: Os transtornos de humor como, depressão e ansiedade podem ser fatores de risco na formação acadêmica dos estudantes de medicina. O desenvolvimento de sofrimentos psíquicos pode refletir como prejuízos na sua rotina acadêmica, social e profissional. Objetivo: Descrever a prevalência de sintomas depressivos entre os estudantes de Medicina da Universidade de Itaúna, no Centro-Oeste mineiro. Método: Estudo exploratório, descritivo, transversal e quantitativo com uma amostra de 60 acadêmicos de medicina da Universidade de Itaúna (UIT), do primeiro ao quinto período. Os instrumentos utilizados para avaliação foram o Questionário de Saúde Geral (QSG) e as Escalas Beck. Resultados: Por meio dos instrumentos de rastreio foram identificados 56,7% de acadêmicos com sintomas em nível mínimo e 20% com sintomas em nível moderado de depressão. Discussão: Os estudantes estão expostos a diversos fatores que podem funcionar como gatilho para o desenvolvimento de psicopatologias como depressão e ansiedade na universidade. Esses adoecimentos aparecem em diferentes níveis, desde a ausência até a presença significativa de sintomas que afetam a vida do futuro médico. Conclusão: Estratégias psíquicas voltadas para o controle e tratamento da ansiedade e depressão são necessárias para garantir um melhor desempenho dos alunos no processo de formação e preservar seu bem estar cognitivo e emocional.

Palavras-chave: Avaliação educacional. Currículo. Educação médica. Internato e residência.

Referências

Benevides-Pereira AMT, Gonçalves MB. Transtornos emocionais e a formação em Medicina: um estudo longitudinal. Rev. Bras. Educ. Med. 2009; 33 (1): 10 - 23.

Amaral GF, Gomide LMP, Batista MP. Sintomas depressivos em acadêmicos de medicina da Universidade Federal de Goiás: um estudo de prevalência. Rev Psiquiatr (RS). 2008; 30(2): 124-130.

Ferreira CL, Almondes KM, Braga L P, Mata ANS, Lemos CA, Maia EM C. Universidade, contexto ansiogênico? Avaliação de traço e estado de ansiedade em estudantes do ciclo básico. Rev. Ciência & Saúde Coletiva. 2009; 14(3): 973-81.

Vasconcelos TC, Dias BRT, Andrade LR, Melo GF, Barbosa L, Souza E. Prevalência de Sintomas de Ansiedade e Depressão em Estudantes de Medicina. Revista Brasileira de Educação Médica. 2015; 39 (1): 135-42.

Adewuya AO, Ola BA, Aloba OO, Mapayi BM, Oginni OO. Depression amongst Nigerian university students. Social psychiatry and psychiatric epidemiology. 2006 Aug; 41(8): 674-678.

Loayza MP, Ponte TS, Carvalho CG, Pedrotti MR, Nunes PV, Souza MC, Zanette CB, Voltolini S, Chaves MLF. Association between mental health screening by self-report questionnaire and insomnia in medical students. Arq Neuro-psiquiatr. 2001; 59(2A):180-5.

Souza FGM, Martins MCR, Monteiro FCC, Menezes Neto GC, Ribeiro IB. Anorexia e bulimia nervosa em alunas da faculdade de Medicina da Universidade Federal do Ceará – UFC. Rev Psiquiatr Clín (São Paulo). 2002. 29(4):172-80

Beck AT, Alford BA. Depressão: causas e tratamento. 2ª edição. São Paulo: Artmed; 2011.

American Psychiatric Association (APA). Referência rápida aos critérios diagnósticos do DSM-5. Porto Alegre: Artmed; 2015.

OMS. Organização Mundial de Saúde. Classificação de transtornos mentais e de comportamento da CID10: descrições clínicas e diretrizes diagnósticas. Porto Alegre: Artes Médicas; 1993.

Dalgalarrondo P. Psicopatologia e semiologia dos transtornos mentais. 2ª ed. Porto alegre: Artes Médicas Sul; 2008. p.190-93.

Kessler RC, Greenberg PE, Mickelson KD, Meneades LM, Wang PS. The Effects of Chronic Medical Conditions on Work Loss and Work Cutback. J Occup Environ Med. 2001 Mar; (3): 218-25.

Santos LAS, Sandin GR, Sakae TM. Associação de cefaleia e ansiedade em estudantes de Medicina de uma universidade do sul de Santa Catarina. Revista da AMRIGS. Porto Alegre, 2010, jul.-set. 54(3): 288-93.

INSTITUTO Brasileiro de Geografia e Estatística (BR). Diretoria de Pesquisas. Coordenação de Trabalho e Rendimento. Sistema Integrado de Pesquisas Domiciliares (SIPD) [Internet]. Rio de Janeiro: IBGE; 2013. [acesso em 25 abr. 2016].

Pesquisa Nacional de Saúde (PNS) [Internet]. Rio de Janeiro: Fundação Oswaldo Cruz; 2013.

Smith JW, Denny WF, Witzke DG. Emotional impairment in internal medicine house staff. JAMA. 1986 Mar 7; 255(9):1155-8.

, Rimmer J, Halikas JA, Schuckit MA. Prevalence and incidence of psychiatric illness in college students: a four year prospective study. Journal of the American College Health Association. 1982 Apr. 30(5): 207-11.

Bruch TP, Carneiro EA, Jornada LK. Presença de sintomas psiquiátricos em estudantes de medicina de Universidade do sul do Brasil. ACM Arq. Catarin. Med; 2009 out.-dez.; 38(4): 61-65.

Vallilo NG, Danzi Júnior R, Gobbo R, Ferreira Novo N, Hübner CVK. Prevalência de sintomas depressivos em estudantes de medicina. Rev. Bras Clin Med [online]. São Paulo. 2011 jan-fev; 9(1): 36-41. [acesso em 24 outubro 2016] Disponível e http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n1/a1720.pdf

Porcu M, Fritzen VC, Helber C. Sintomas depressivos nos estudantes de Medicina da Universidade Estadual de Maringá. Psiquiatria na Prática Médica [online]. 2001 jan-mar. 34(1). [acesso em 21 setembro 2016] Disponível em: http://www2.unifesp.br/dpsiq/polbr/ppm/original5_01.htm .

Olson G, Von Knorring AL. Beck's Depression Inventory as a screening instrument for adolescent depression in Sweden: gender differences. Acta Psychiatrica Scandinavica. 1997 apr. 95 (4): 277-82.

Coutinho MPL, Saldanha AAW. Representações sociais e práticas em pesquisa. João Pessoa, PB: Editora Universidade Federal da Paraíba; 2005.

Gorenstein C, Andrade L. Inventário de Depressão de Beck: Propriedades psicométricas da versão em português. Rev. Psiq. Clinica. 2005: 25 (5); 245-250.

Beck AT, Steer RA. Beck Depression Inventory. Manual. San Antonio: Psychology Corporation, 1993.

Komstein S. Gender differences in depression: Implications for treatment. Journal of Clinical Psychiatry. 1997: 58(15, Suplemento); 12-18.

Rodrigues, MJSF. O Diagnóstico de Depressão. Psicologia USP. 2000. 1(11) 2000: 155-87.

Publicado

30/06/2017

Como Citar

Silveira, M., Silva, T., & Souza, R. S. B. de. (2017). Prevalência de sintomas depressivos em acadêmicos de Medicina da Universidade de Itaúna – MG. Revista Ciência E Estudos Acadêmicos De Medicina, 1(07). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/revistamedicina/article/view/1725

Edição

Seção

Artigos