Indigena, cyberbulliyng e a estereotipação do sujeito no mercado de trabalho

Autores

  • Fabiana Ferrari Nunes

DOI:

https://doi.org/10.30681/2594.9063.2017v1n2id2642

Palavras-chave:

Indígenas, Mídia, Cyberbullying

Resumo

O discurso constitui um cenário em que estão envolvidos a língua, o sujeito e o espaço histórico social e cultural. A partir dessa premissa o indígena tem saído das aldeias para os centros urbanos em busca de capacitação profissional. Essa visibilidade no mercado de trabalho na sociedade hegemônica, tem levado o indígena graduado, profissionalizado ao enfrentamento de discursos cristalizados que os representam como incapazes. Discursos que retratam a distinção entre índios e brancos emergem na sociedade hegemônica e reverberam nas mídias sociais por meio de ciberpráticas que se chocam com o acontecimento discursivo: o índio e suas novas práticas identitárias. Entendido esse conceito, este trabalho tem por objetivos estudar representações elaboradas por/sobre indígenas, no mercado de trabalho, em ambientes virtuais. Por meio do método arqueogenealógico, proposto por Foucault (1990; 1997; 1999; 2007), analisam-se recortes de publicações on-line de e sobre trabalhadores indígenas postadas na rede social Facebook. Para tanto, utiliza-se o arcabouço teórico da Análise do Discurso de origem francesa (AD), a partir dos estudos de Coracini (2007), Pêcheux (1988; 1990), Orlandi (1999) e Authier-Révuz (1990; 1998), numa visada transdisciplinar de pesquisa que considera a produtiva relação com a psicanálise (LACAN, 1973) e Freud (1929). Almeja-se verificar se os discursos postados por índios e brancos acerca do índio no mercado de trabalho estão inscritos em um novo acontecimento discursivo: o cyberbullying, considerada a prática da crueldade on line, que pode agredir o sujeito silenciosamente e muitas vezes anonimamente, dificultando a identificação do agressor.

Referências

AUTHIER-REVUZ, J. Palavras incertas: as não coincidências do dizer. Trad. Cláudia R. C. Pfeiffer ET. AL. Campinas-SP. Editora da UNICAMP, 1998,

CORACINI, Maria José. A celebração do outro: arquivo, memória e identidade: línguas (materna e estrangeira), plurilinguismo e tradução/ Maria José Coracini. Campinas: Mercado de Letras, 2007.

FOUCAULT, Michel. Method. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, [Trabalho original publicado em 1969], 2007.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Minidicionário da lingua portuguesa. Coordenação de Edição de Marina Baird Ferreira: equipe de lexicografia, Margarida dos Anjos. 7. ed. Curitiba. Ed: Positivo; 2008.

FREITAS, M. E.; HELOANI, Roberto; BARRETO, M. Assédio Moral no Trabalho. São Paulo: Cengage Leaning, 2008.144p.

GUERRA, V.M.L. O indígena de Mato Grosso do Sul: práticas identitárias e culturais. São Carlos: Pedro & João, 2010. 140p.

ORLANDI, E. P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 1999.

_______. Língua e conhecimento linguístico: para uma história das ideias no Brasil. São Paulo: Cortez, 2002.

_______. As formas do silêncio: no movimento dos sentidos. 6. ed. Campinas: Unicamp, 2007.

PÊCHEUX, M. Análise automática do discurso. In: GADET, F. E HAK, T. Por uma análise automática do discurso. Uma introdução à obra de M. Pêcheux. Campinas: UNICAMP, 1990.

PROENÇA, Gustavo: Povos Indígenas: conheça os direitos previstos na Constituição. Reportagem disponível em EBC - Agência Brasil, http://agenciabrasil.ebc.com.br/direitos-humanos/noticia/2017-04/povos-indigenas-conheca-os-direitos-previstos-na-constituicao. Acesso em julho/2017.

RIFFEL, Birgit Yara Frey; RODRIGUES, Jackeline Mendes. Sujeitos inclusos, sujeitos governamentais: discursividades sobre a inclusão no currículo escolar. In: UYENO, Elzira Yoko. CAVALLARI, Juliana Santana; MASCIA, Márcia AP. Amador (Orgs). Mal-estar na inclusão: como (não) se faz. Campinas: Mercado das Letras, 2014; p. 225.

Downloads

Publicado

18/12/2017

Como Citar

Nunes, F. F. (2017). Indigena, cyberbulliyng e a estereotipação do sujeito no mercado de trabalho. Traços De Linguagem - Revista De Estudos Linguísticos, 1(2). https://doi.org/10.30681/2594.9063.2017v1n2id2642

Edição

Seção

Artigos / Articles