A “noção da indefinição” nas abordagens linguísticas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/2594.9063.2021v5n1id5995

Palavras-chave:

Indefinição, Definição, Operações enunciativas e predicativas

Resumo

Este artigo visa apresentar parte de uma problemática que foi o objeto da nossa Tese, a “Noção de indefinição”, para tanto, fizemos uma pesquisa de como as abordagens linguísticas apresentam tal definição. Definição e indefinição são classificados como termos acessórios, mas em nossas pesquisas, observamos que são mecanismos presentes e com grande importância em determinados cotextos e contextos que sua ausência comprometeria a construção de sentidos dos textos. São pontos relevantes em discussão, porém nossa reflexão para responder esses questionamentos partiu da base dos fundamentos da Teoria das Operações Enunciativas e Predicativas de Antonie Culioli.

Biografia do Autor

Marília Blundi Onofre, Universidade Federal de São Carlos

Possui Doutorado em Linguística e Língua Portuguesa pela Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" (2003) e Pós-doutorado pela Universidade Federal de São Paulo. Atualmente é Professor Associado no Departamento de Letras da Universidade Federal de São Carlos, atuando nos cursos de Licenciatura em Letras, Bacharelado em Linguística e Pós-graduação em Linguística. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Enunciação Linguística e Ensino de língua.

Leonildes Pessoa Facundes, Universidade Estadual do Maranhão

Possui Doutorado em Linguística pela Universidade Federal de São Carlos (2021), Mestrado em Letras pela Universidade Federal do Piauí (2008), graduação em Licenciatura Plena em Letras Português pela Universidade Estadual do Piauí (1998). Atualmente é professora efetiva/ dedicação exclusiva da Universidade Estadual do Maranhão. Tem experiência na área de Linguística, com ênfase em Teoria e Análise Linguística, atuando principalmente nos seguintes temas: Léxico-Gramática-Enunciação, Ensino de Língua Portuguesa.

Referências

AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da Língua Portuguesa. São Paulo: Publifolha, 2014.

BECHARA, Evanildo. Moderna gramática Portuguesa. 37. ed. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I [1966]. 4. ed. Tradução Maira da Glória Novak e Maria Luísa Néri. Campinas-SP: Pontes, 1995.

CASTILHO, Ataliba T. de. Nova gramática do português brasileiro. 1. ed. São Paulo: Contexto, 2010.

CULIOLI, Antoine. Pour une linguistique de l’énonciation: opérations et représentations. Paris: Ophrys, 1990, Tome I.

CULIOLI, Antoine. Pour une linguistique de l’énonciation: Domaine notionnel. Paris: Ophrys, 1999b, Tome III.

CULIOLI, Antoine. Pour une linguistique de l’énonciation: Formalismo et opérations de repérage . Paris: Ophrys, 1999a, Tome II.

CULIOLI, Antoine. Pour une linguistique de l’énonciation: Tour et détour. Paris: Ophrys, 2018, Tome IV.

CUNHA, C.; CINTRA, L. Nova gramática do português contemporâneo. 40. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2013.

NEVES, M. Helena Moura. Gramática de usos do português. São Paulo: Unesp, 2011.

ONOFRE, Marília Blundi; REZENDE, Letícia Marcondes (Org.). Linguagem e línguas naturais: clivagem entre o enunciado e a enunciação. São Carlos: Pedro & João, 2009.

PERINE, Mário Alberto. Princípios da linguística descritiva: introdução ao pensamento gramatical. São Paulo: Parábola, 2006.

REZENDE, Letícia Marcondes. A indeterminação da linguagem e o conceito de atividade no ensino de língua materna. Estudos Linguísticos, São Paulo, 40 (2) p. 707-714, mai-agos. 2009.

Publicado

23/11/2021

Como Citar

Onofre, M. B., & Facundes, L. P. (2021). A “noção da indefinição” nas abordagens linguísticas. Traços De Linguagem - Revista De Estudos Linguísticos, 5(1). https://doi.org/10.30681/2594.9063.2021v5n1id5995