Semântica da Enunciação: um percurso teórico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/2594.9063.2021v5n1id5998

Palavras-chave:

Linguística, Teoria da Enunciação, Semântica da Enunciação

Resumo

Este artigo é o resultado de um dos capítulos desenvolvidos durante o curso no Programa de Pós-Graduação Stricto Sensu em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso/Unemat e  tem como propósito apresentar os  estudos sobre enunciação desenvolvidos por Bally (1932), Benveniste (1966; 1974), Ducrot (1972; 1973; 1984), na França, e por Guimarães (1987; 1995; 2002; 2018) e Dias (2018), no Brasil.

Biografia do Autor

Mara Lúcia Martins Rodrigues, Secretaria de Educação do Estado de Mato Grosso

Possui graduação em Letras pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2001) e Mestrado em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2012) e Doutorado em Linguística pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2020). É professora efetiva na E. E. ´José Bejo´. Atuando nas disciplina de Língua Portuguesa e Literatura. Tem experiência como professora tutora nas disciplinas Fonética e fonologia, Linguística e Sociolinguística. Dedica-se aos estudos na área da Semântica da Enunciação.

Neuza Zattar, Universidade do Estado de Mato Grosso

É licenciada em Letras pela Faculdade Dom Aquino de Filosofia Ciências e Letras (Campo Grande-MS, 1976), e possui Mestrado (2000) e Doutorado (2007) em Linguística pela Universidade Estadual de Campinas. Atua como professora permanente no Programa de de Pós-Graduação em Linguística da Universidade do Estado de Mato Grosso - UNEMAT e orienta trabalhos de mestrado e doutorado no PPGL. Participa do projeto de pesquisa Significar e desenvolve estudos na área da Semântica da Enunciação, co m produção de textos que mobilizam os construtos teóricos como designação de nomes, argumentação enunciativa entre outros, como também a formação nominal. Publicou os livros "Do IESC à UNEMAT: uma história plural 1978-2008" e "Os sentidos de liberdade do escravo na constituição do sujeito de enunciação" e "Do sítio povoado à margem do Paraguai à cidade de Cáceres: 237 anos". 

Referências

BALLY, Charles. Linguistique générale et linguistique française. Seconde édition entièrement refondue. Berne: Éditions A. Francke S. A., Berne, 1944.

BARBISAN, Leci Borges & TEIXEIRA, Marlene. Polifonia: origem e evolução do conceito em Oswald Ducrot. In: Organon. Volume 16, Número 32/33, 2002 (Revista do Instituto de Letras da Universidade Federal do Rio Grande do Sul).

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral I. Trad. de M. G. Novak e M. L. Neri: revisão do prof. Isaac Nicolau Salum. 5. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2005.

BENVENISTE, Émile. Problemas de linguística geral II. Tradução de Eduardo Guimarães et. al., revisão técnica de tradução Eduardo Guimarães. 2. ed. Campinas, SP: Pontes Editores, 2006.

BRÉAL, Michel. Ensaio de semântica: Ciência das significações (1897). Coordenação e revisão da tradução Eduardo Guimarães. 2. ed. Campinas, SP: Editora RG, 2008.

CAMARA Jr, Joaquim Mattoso. História da linguística. Tradução Maria do Amparo Barbosa de Azevedo. 2. ed. Petrópolis, Vozes, 1975.

CAREL, M. & SCHULZ, P. Genericidade, metáfora e descrição lexical: um estudo do provérbio não há rosa sem espinho. Tradução Leci Borges Barbisan. Revista Letras de Hoje, v. 39, nº 1, Porto Alegre, pp. 89 – 119, março/2004.

DIAS, L. F. Os sentidos do idioma nacional: as bases enunciativas do nacionalismo linguístico no Brasil. Campinas, SP: Pontes, 1996.

DIAS, L. F. (2013b). A “linguagem cidadã” em questão: uma abordagem enunciativa. In: BRESSANIN et. al. (orgs.). Linguagem e interpretação: a institucionalização dos dizeres na história. Campinas: RG Editora, 2013. pp.211-222.

DIAS, L. F. Enunciação e Relações linguísticas. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.

DIAS, L. F. Um olhar para as articulações linguísticas na constituição de uma Semântica da Enunciação. Traços de Linguagem. V.3, n.2, p. 8-15, 2019.

DUCROT, Oswald. O dizer e o dito. Ver. técnica da tradução Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes, 1987.

DUCROT, Oswald. Os internalizadores. Tradução Leci Borges Barbisan. Revista Letras de Hoje, v. 37, nº 3, Porto Alegre, pp 7 – 26, setembro/2002.

DUCROT, Oswald. Argumentação retórica e argumentação linguística. Revista Letras de Hoje, v. 44, nº 1, Porto Alegre, pp. 20 – 25, janeiro-março/2009.

FLORES, Valdir do Nascimento. Dicionário de linguística da enunciação [et al.]. São Paulo: Contexto, 2009.

GUIMARÃES, Eduardo. Os limites do sentido: Um estudo histórico e enunciativo da linguagem. Campinas, SP: Pontes, 1995b.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica do Acontecimento: Um estudo enunciativo da designação. 2 ed. Campinas, SP: Pontes, 2005

GUIMARÃES, Eduardo. (1987). Texto e Argumentação: Um estudo de conjunções do Português. 4 ed. revista e ampliada. Campinas, SP: Pontes, 2007.

GUIMARÃES, Eduardo. Semântica: Enunciação e sentido. Campinas, SP: Pontes Editores, 2018.

RODRIGUES, Mara Lúcia Martins. Os sentidos de família no acontecimento de enunciação. 2020. (Tese/Doutorado). Faculdade de Educação e Linguagem da Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, 2020.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de Linguística Geral. Organização Charles Bally e Albert Sechehaye. Colaboração de Albert Rieddinger. Tradução Antonio Chelini, José Paulo Paes, Izidoro Blikstein. 28. ed. São Paulo: Cultrix, 2012.

WEIL, Henri. Da ordem das palavras nas línguas antigas comparadas às línguas modernas: questão de gramática geral. Tradução de Sheila Elias de Oliveira. Campinas: Editora da Unicamp, 2015.

Publicado

23/11/2021

Como Citar

Rodrigues, M. L. M. ., & Zattar, N. (2021). Semântica da Enunciação: um percurso teórico. Traços De Linguagem - Revista De Estudos Linguísticos, 5(1). https://doi.org/10.30681/2594.9063.2021v5n1id5998