O VALOR DA PROVA PENAL PRODUZIDA NO INQUÉRITO POLICIAL

Autores

  • Solange Justina da Silva

DOI:

https://doi.org/10.30681/zeiki.v2i1.4881

Palavras-chave:

Valor probatório, Inquérito policial, Processo penal, Provas

Resumo

Este trabalho visa analisar o valor dos elementos informativos colhidos no inquérito policial para a fundamentação de uma decisão judicial. Assim, serão estudadas as formas de obtenção de tais elementos, bem como a relevância para a formação da convicção do magistrado. Como há divergência sobre o assunto serão pesquisadas as vertentes apresentadas pela lei, jurisprudência e doutrina. Concluindo-se, que parte dos estudiosos entendem ser cabível o uso de elementos produzidos na fase inquisitorial para a condenação na fase processual, caso sejam, provas cautelares, não repetíveis ou antecipadas. Por outro lado, verificar-se-á outra parte doutrinária que considera inadmissível o uso de elementos colhidos no inquérito policial para sustentar uma condenação, por tais elementos terem sido produzidos sem contraditório e ampla defesa. Por fim, observar-se-á, que um terceiro entendimento fundamenta-se em meio termo, isto é, os elementos produzidos no seio inquisitivo poderão servir de base para decisão judicial condenatória, nas situações previstas no artigo 155 do Código de Processo Penal, somados a outros elementos do processo.

Referências

AVENA, Norberto. Processo Penal. Rio de Janeiro: Forense, 2018.

BRASIL. Código de Processo Penal. Diário Oficial [da] União, Rio de Janeiro, em 3 de outubro de 1941.Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto-lei/del3689.htm>. Acesso em: 23 agos. 2019.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Diário Oficial [da] União, Brasília, 5 out. 1988. Disponível: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm>. Acesso em: 24 agos. 2019.

BRASIL. Lei nº Lei nº 12.830/2013. Diário Oficial [da] União, Brasília, 20 de junho de 2013. Disponível: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2013/lei/L12830.htm>. Acesso em: 11set. 2019.

BRASIL. Supremo Tribunal Federal. Súmula Vinculante nº 14. direito do defensor, no interesse do representado, ter acesso amplo aos elementos de prova que, já documentados em procedimento investigatório realizado por órgão com competência de polícia judiciária, digam respeito ao exercício do direito de defesa. Brasília, DF: Supremo Tribunal Federal, DJe nº 26 de 09/02/2009, p. 1.DOU de 09/02/2009, p. 1.Disponível:<http://www.stf.jus.br/portal/jurisprudencia/listarJurisprudencia.asp?s1=14.NUME.%20E%20S.FLSV.&base=baseSumulasVinculantes>. Acesso em 16 set. 2019.

BONFIM, Edilson Mougenot. Curso de processo penal: São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

CAPEZ, Fernando.Curso de processo penal. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

GONÇALVES, Victor Eduardo Rios; REIS, Alexandre Cebrian Araújo. Direito processual penal esquematizado®. São Paulo: Saraiva Educação, 2019.

JUNIOR, Aury Lopes. Direito processual penal. São Paulo: Saraiva, 2018.

LIMA, Renato Brasileiro de. Manual de processo penal: volume único. Salvador: JusPodivm, 2016.

NUCCI, Guilherme de Souza. Processo penal e execução penal. Rio de Janeiro: Forense, 2019; São Paulo: Método, 2019.

Downloads

Publicado

09/07/2021

Como Citar

da Silva, S. J. (2021). O VALOR DA PROVA PENAL PRODUZIDA NO INQUÉRITO POLICIAL. Zeiki - Revista Interdisciplinar Da Unemat Barra Do Bugres, 2(1), 83–100. https://doi.org/10.30681/zeiki.v2i1.4881

Edição

Seção

Direitos Humanos e Justiça