As vulnerabilidades do Povo Xavante no enfrentamento da pandemia da covid-19 e a necropolítica estatal

Autores

  • Natalia Alencar Cantini Universidade do Estado de mato grosso
  • Lucas Esteves dos Santos Costa Universidade do Estado de mato grosso
  • Eliel Timóteo Da Silva Universidade do Estado de mato grosso

Palavras-chave:

Covid-19, Xavante, Mato Grosso, DSEI

Resumo

Este trabalho pretende compreender como vem sendo realizada a atuação da FUNAI e SESAI
no Estado de Mato Grosso perante a crise epidemiológica provocada pela pandemia da Covid19, em relação ao povo indígena Xavante autodenominados “A’uwe”, que se encontram
situados na região leste mato-grossense. Pretende-se analisar os documentos oficiais como os
boletins epidemiológicos, planos distritais (DSEIs) e planos de contingenciamento da SESAI
específicos para a região, bem como entender a eficácia desse enfrentamento, a partir dos
meios disponíveis como distribuição de insumos e testagens para aldeias, bem como equipes
de atendimento e suas fragilidades estruturais. Como metodologia empregada destaca-se a
coleta de dados quantitativos dos boletins epidemiológicos divulgados pelo Ministério da
Saúde, referenciais teóricos, bibliográficos, legislativos, trechos de entrevistas e notícias bem
como documentos oficiais. Conclui-se que o Estado tem se omitido em relação a efetivação
dos direitos à saúde, proteção e segurança dos povos indígenas.

Biografia do Autor

Natalia Alencar Cantini, Universidade do Estado de mato grosso

Acadêmico de direito, direitos humanos e justiça, povos e comunidades tradicionais

Referências

ALMEIDA, Silvio. Racismo Estrutural. Sueli Carneiro; Pólen. São Paulo, 2019, p.27.

KRAUTLER, Erwin. “Aquele que usou de misericórdia...Vai e faze tu o mesmo!” In: CIMI. Relatório: Violência contra os povos indígenas no Brasil. Dados 2014. Brasília: Cimi, 2015.

Revista PerCursos. Florianópolis, v. 16, n. 32, p. 103 – 120, set./dez. 2015. p.103. 1984 - 7246. Colonialidade do poder e a violência contra os povos indígenas. P. 10

RIBEIRO, Darcy. Os índios e a civilização. São Paulo: Editora Schwarcz LTDA, 1996, p. 313.

GARNELO, L; MACEDO, G; BRANDÃO, L.C. Os povos Indígenas e a construção da política de saúde no Brasil. Brasília: OPAS, 2003.

Schwarcz, Lilia Moritz. Quando acaba o século XX (Breve Companhia) (p. 3). Companhia das Letras. Edição do Kindle.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível

em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constitui%C3%A7ao.htm>. Acesso em 11 de novembro de 2020.

CARMO, M.E; GUIZARDI, F.L. O conceito de vulnerabilidade e seus sentidos para as políticas públicas de saúde e assistência social. Caderno De Saúde Pública. Brasília, 2018, p.2.

CONSELHO INDIGENISTA MISSIONÁRIO. A violência contra os povos indígenas no Brasil. Relatório 2019. Brasília: CIMI, 2019.

MOREL, Ana P. M. Negacionismo da Covid-19 e educação popular em saúde: para além da necropolítica. Trabalho, Educação e Saúde, v. 19, 2021, e 00315147. DOI: 10.1590/1981-7746- sol00315.

MBEMBE, Achille. Necropolítica:biopoder, soberania,estado de exceção, política da morte. Arte & Ensaios| Revista do ppgav|eba|ufrj n.32. Rio de Janeiro, 2016, p.27.

Ministério da saúde.Plano de Contingência sobre Infecção Humana pelo novo Coronavírus (COVID-19) em Povos Indígenas do Distrito Sanitário Especial Indígena Xavante. Barra do Garças/ Março de 2020.

KOPENAWA, Davi; ALBERT, Bruce. 2015.A queda do céu: palavras de um xamã Yanomami. São Paulo: Cia. das Letras.

BRASIL. Ministério da Saúde. Boletim Epidemiológico, 2020. Infecção humana pelo novo Coronavírus de 2019 (2019-nCoV).

Plano de Contingência Nacional para Infecção Humana pelo novo Coronavírus (COVID19) em Povos Indígenas. Disponívem em < https://www.saude.gov.br/saude-indigena >

Brasil De Fato. Militares já ocupam quase 60% das coordenações regionais da Funai na Amazônia Legal. São Paulo, 2021. Disponivel em <https://www.brasildefato.com.br/2021/02/19/militares-ja-ocupam-quase-60-das-coordenacoes-regionais-da-funai-na-amazonia-legal>

Brasil De Fato. Indígenas denunciam o desmonte da saúde pelo governo Bolsonaro. São Paulo, 2019. Disponível em

Rede Brasil Atual. Líderes xavantes que recusaram missão militar são perseguidos em Mato Grosso. São Paulo, 2020. Disponível em

Operação Amazônia Nativa.2019. RELATÓRIO TÉCNICO SOBRE A VULNERABILIDADE DOS XAVANTE FRENTE À PANDEMIA DE COVID-19.Disponível em: https://amazonianativa.org.br/relatorio-tecnico-analisa-vulnerabilidade-dos-xavante-ao-novo-coronavirus/

Aline Diniz Rodrigues Caldas, Ana Lúcia Pontes, Andrey M. Cardoso, Bárbara Cunha e Ricardo Ventura Santos. FIOCRUZ. Risco de espalhamento da COVID-19 em populações indígenas: considerações preliminares sobre vulnerabilidade geográfica e sociodemográfica. 4º relatório sobre risco de espalhamento da COVID-19 em populações indígenas. Disponível em < https://portal.fiocruz.br/documento/4o-relatorio-sobre-risco-de-espalhamento-da-covid-19-em-populacoesindigenas >.

Downloads

Publicado

03/03/2022

Como Citar

Cantini, N. A., Costa, L. E. dos S., & Da Silva, E. T. (2022). As vulnerabilidades do Povo Xavante no enfrentamento da pandemia da covid-19 e a necropolítica estatal. Zeiki - Revista Interdisciplinar Da Unemat Barra Do Bugres, 2(2), 42–64. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/zeiki/article/view/5340

Edição

Seção

Direitos Humanos e Justiça