O CICLO DAS ÁGUAS: SEGUINDO O “ROTEIRO PARA UMA EXCURSÃO POÉTICA NO PANTANAL”

Autores

  • Dayane Cristine Santos Vieira
  • Célia Maria Domingues da Rocha Reis

Resumo

Neste artigo, analisamos os poemas “Vespral de chuva” e “Mundo renovado”, do Livro de pré-coisas, do poeta  Manoel de Barros por configurarem certo valor ritualístico no processo cíclico da natureza, o que nos chamou a atenção. Assim, vimos o ciclo das chuvas acontecer em uma fazenda pantaneira, por meio de construções imagéticas e estilísticas, destacando, sobretudo, o encadeamento de metáforas e metonímias que, analisadas em concomitância à crítica arquetípica de Northrop Frye, explicitam o ritual dos seres vivos animal/homem/planta) ante a chuva, e percorrem um Pantanal reinventado pelo lápis do poeta em imagens que extrapolam o ambiente natural. Utilizando os conceitos de simbolismo aquático, da crítica arquetípica fryeriana, constatamos que os ciclos de vida dos seres do Pantanal estão intimamente relacionados à água, o que a torna o principal simbolismo desse espaço numa alusão ao símbolo de (retorno) origem, ciclo perene que possibilita o nascimento e a renovação das vidas.

Downloads

Como Citar

Vieira, D. C. S., & Reis, C. M. D. da R. (2020). O CICLO DAS ÁGUAS: SEGUINDO O “ROTEIRO PARA UMA EXCURSÃO POÉTICA NO PANTANAL”. Revista Alere, 19(1), 153–174. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/alere/article/view/4476

Edição

Seção

ARTIGOS

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)