A saúde na era na testemunha: experiência e evidência na defesa da hidroxicloroquina

Igor Sacramento, Allan Santos, Roberto Abib

Resumo


Neste artigo, investigamos os argumentos mobilizados por Jair Bolsonaro na defesa da hidroxicloroquina no contexto brasileiro da pandemia de COVID-19. Para tal, analisamos 32 postagens publicadas na página oficial do presidente no Facebook, entre 26 de fevereiro e 25 de julho de 2020, assim como enunciados da médica Nise Yamaguchi e do médico Roberto Kalil acionados como exemplos pela retórica bolsonarista. Observamos que, para além dos argumentos credenciadores e legitimadores apresentados por Ivo Dittrich (2009), Bolsonaro valoriza ainda mais a experiência vivida como forma de argumentação ética.

Palavras-chave


Saúde; testemunha; experiência; ethos; hidroxicloroquina

Texto completo:

PDF

Referências


AMOSSY, R. Da noção de retórica de ethos à análise do discurso. In: _____. (org.). Imagens de si no discurso: a construção do ethos. São Paulo: Contexto, 2008, p.9-28.

ARENDT, H. Origens do totalitarismo. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

ARISTÓTELES. Arte retórica e arte poética. Rio de Janeiro: Edições Ediouro, 1966.

BOURDIEU, P. Ce que parler veut dire: l’économie des échanges linguistiques. Paris: Fayard, 1982.

DE OLIVEIRA, T. Desinformação científica em tempos de crise epistêmica: circulação de teorias da conspiração nas plataformas de mídias sociais. Revista Fronteiras (online), v. 22, p. 21-35, 2020.

DITTRICH, I. J. Ampliando a noção de ethos: argumentos credenciadores e legitimadores. In: LOPES, Fernanda Lima e SACRAMENTO, Igor (orgs.). Retórica e Mídia: estudos ibero-brasileiros. Florianópolis: Insular, 2009, p. 65-89.

FUKUYAMA, Francis. Identity: the demand for dignity and the politics of resentment. New York: Farrar, Straus and Giroux, 2018.

GOMES, M. M. Medicina baseada em evidências: princípios e práticas. Rio de Janeiro: Editora Reichmann & Affonso, 2001.

OLIVEIRA, R. P. O negacionismo científico olavista: a radicalização de um certo regime epistemológico. In: KLEM, Bruna Stuz; PEREIRA, Mateus; ARAUJO, Valdei (orgs.). Do Fake ao Fato: (des)atualizando Bolsonaro. Vitória, ES: Mil Fontes, 2020, p. 81-100.

RIBEIRO, A. P. G.; SACRAMENTO, I. Televisão e memória: entre testemunhos e confissões. Rio de Janeiro: MauadX, 2020.

SARLO, B. Tempo passado: cultura da memória e guinada subjetiva. São Paulo/Belo Horizonte: Companhia das Letras/Ed. UFMG, 2007.

SACRAMENTO, I. A era da testemunha: uma história do presente. Revista Brasileira de História da Mídia, v. 7., no. 1, p.125-140, 2018.

SACRAMENTO, I.; BORGES, W. C. Confiança e sinceridade numa enunciação midiatizada: o ethos testemunhal de Fábio Assunção e o abuso de drogas. In: OLÍMPIO-FERREIRA, M.; GRÁCIO, R. A. (orgs.). Retórica e comunicação multidimensional. Coimbra: Grácio Editor, 2017, p. 65-88.

WIEVIORKA, A. L’ère du témoin. Paris: Hachette Littératures, 1998.




DOI: https://doi.org/10.30681/rccs.v7i1.5087

Apontamentos

  • Não há apontamentos.