Desafios enfrentados por enfermeiros da classificação de risco em urgência e emergência/ Challenges faced by risk classification nurses in urgency and emergency/ Desafíos enfrentados por enfermeros clasificadores de riesgo en urgencia y emergencia

Autores

Palavras-chave:

Enfermagem, Enfermagem em Emergência, Medição de risco, Tratamento de Emergência, Serviço Hospitalar de Emergência

Resumo

Objetivo: analisar os desafios enfrentados por enfermeiros da classificação de risco de um serviço de urgência e emergência. Método: pesquisa exploratória e descritiva, com abordagem qualitativa. A coleta de dados ocorreu em março de 2019, por meio de entrevistas semiestruturadas e individuais com enfermeiros atuantes em Unidade de Pronto Atendimento do município de Caruaru, Pernambuco, Brasil. Para a análise, utilizou-se a análise de conteúdo de Bardin. Resultados: foram geradas três categorias: assistência de enfermagem na classificação de risco; desafios do setor de classificação de risco; e desafios da ferramenta que define a classificação de risco. As participantes apontaram questões como falta de compreensão da população, protocolo defasado e discordância com outros membros da equipe como os principais desafios. Conclusão: verificou-se que a atuação da enfermagem na classificação de risco é um processo ainda complexo, que não depende estritamente de protocolos, mas de profissionais motivados, treinados continuamente e em sintonia.

Referências

Ministério da Saúde. Política Nacional de Humanização da Atenção e Gestão do SUS: Acolhimento e classificação de risco nos serviços de urgência.

Conselho Federal de Enfermagem. Resolução COFEN nº 423, de 9 de abril de 2012. Normatiza, no âmbito do sistema Cofen/Conselhos Regionais de Enfermagem, a participação do enfermeiro na atividade de classificação de riscos. Brasília, COFEN; 2012.

Coloni CSM. Acolhimento com classificação de risco da demanda espontânea: as necessidades de aprendizagem de enfermeiros da atenção primária à saúde [dissertação]. Ribeirão Preto: Universidade de São Paulo, Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto; 2018

Sacoman TM, Beltrammi DGM, Andrezza R, Cecílio LC de O, Reis AAC dos. Implantação do Sistema de Classificação de Risco Manchester em uma rede municipal de urgência. Saúde debate [Internet]. 2019Apr;43(121):354–67.

Cicolo EA, Peres HHC. Electronic and manual registration of Manchester System: reliability, accuracy, and time evaluation. Rev Latino-Am Enfermagem [Internet]. 2019;27:e3241.

Weykamp JM, Pickersgill CS, Cecagno D, Vieira FP, Siqueira HCH. Acolhimento com classificação de risco nos serviços de urgência e emergência: aplicabilidade na enfermagem. Rev Rene. 2015 maio-jun; 16(3):327-36.

Oliveira VLG, Braga Junior EJ, Cavalcante MS, Nascimento MHM, Sacramento RC, Oliveira ASS, Silva JC, Sousa RF, Teles GC, Oliveira MFV de, Nogueira MA, Souto SS, Neves DVA, Santos ECC, Girard GP, Santana ME. Manchester Screening System: difficulties faced by nurses in risk classification. RSD [Internet]. 2022Jan.;11(1):e3911124358.

Kiefer Moraes CL, Guilherme Neto J, Guilherme Otranto dos Santos L. A classificação de risco em urgência e emergência: os desafios da enfermagem . Glob Acad Nurs [Internet]. 31º de outubro de 2020;1(2):e17.

Staempfli S, Lamarche K. Top ten: A model of dominating factors influencing job satisfaction of emergency nurses. International Emergency Nursing 49 (2020) 100814.

Costa DC. Protocolos de classificação de risco: uma revisão integrativa. 2022. 50 f. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Enfermagem) - Escola de Enfermagem Aurora de Afonso Costa, Universidade Federal Fluminense, Niterói, 2022.

Prefeitura de São Luís. Protocolo de Acolhimento com Classificação de Risco: Sistema único de Saúde (SUS) Hospitais Municipais - São Luís – MA. 2020.

Nascimento ERP, Hilsendeger BR, Neth C, Belaver GM, Bertoncello KCG. Classificação de risco na Emergência: Avaliação da equipe de Enfermagem. Rev enferm UERJ. 2011; 19(1):84-8.

Souza CC, Diniz AS, Silva LLT, Mata LRF, Chianca TCM. Percepção do enfermeiro sobre a realização da classificação do risco no serviço de urgências. Invest educ enferm. 2014; 32(1).

Ceballos JB, Frota OP, Nunes HFSS, Ávalos PL, Krügel C de C, Ferreira Júnior MA, et al.. Physical violence and verbal abuse against nurses working with risk stratification: characteristics, related factors, and consequences. Rev Bras Enferm [Internet]. 2020;73:e20190882.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups, Int J Qual Health Care. 2007; (19):[6 screens]

Bardin L. Análise de conteúdo. Edições 70; Lisboa, 2009.

Rennó CSN, Campos CJG. Comunicação interpessoal: valorização pelo paciente oncológico em uma unidade de alta complexidade em oncologia. Rev Min Enferm. 2014; 18(1): 106-115.

Nascimento LC, Santos TFM, Oliveira FCS, Pan R, Flória-Santos M, Rocha SMM. Espiritualidade e religiosidade na perspectiva de enfermeiros. Texto Contexto Enferm, Florianópolis, 2013 Jan-Mar; 22(1): 52-60.

Sousa ADRS e, Silva LF da, Paiva ED. Nursing interventions in palliative care in Pediatric Oncology: an integrative review. Rev Bras Enferm [Internet]. 2019Mar;72(2):531–40.

Silva DP, Dias ES, Teles HCC, Galdino LP, Jesus CVF, Lima SO. Impactos da superlotação dos serviços hospitalares de urgência e emergência: revisão integrativa. SAÚDE [Internet]. 17º de julho de 2020 [citado 16º de junho de 2023];14(17).

Suguyama P, Buzzo LS, Oliveira MLF. Desvelando a vivência da equipe multiprofissional no cuidado paciente esquizofrênico. Revista Saúde e Pesquisa, v. 9, n. 1, p. 65-71.

Ferreira Junior A, Silva BLM, Barros BL, Costa RLM, Farias KF. Síndrome de Fournier: implementação do processo de Enfermagem à luz da teoria de Wanda Horta. Enferm Foco. 2022; 13:e-202230ESP1

Oliveira SN, Ramos BJ, Piazza M, Prado ML, Reibnitz KS, Souza AC. Unidade de Pronto Atendimento – UPA 24h: percepção da enfermagem. Texto Contexto Enferm. 2015; 24(1):238-44.

Viegas SMF, Penna CMM. O SUS é universal, mas vivemos de cotas. O SUS é universal, mas vivemos de cotas. Ciênc saúde coletiva [Internet]. 2013Jan;18(Ciênc. saúde coletiva, 2013 18(1)):181–90.

Franzoi MHA, Cauduro FLF. Atuação de estudantes de enfermagem na pandemia de covid-19. Cogitare enferm. 25: e73491, 2020.

Oliveira RJT, Hermida PMV, Copelli FHS, Santos JLG, Erdmann AL, Andrade SR. Care management in nursing within emergency care units. Invest Educ Enferm. 2015; 33(3): 406-414.

Inoue KC, Bellucci Júnior JA, Papa MAF, Vidor RC, Matsuda LM. Avaliação da qualidade da Classificação de Risco nos Serviços de Emergência. Acta paul enferm [Internet]. 2015Sep;28(5):420–5.

Zem KKS, Montezeli JH, Peres AM. Acolhimento com classificação de risco: concepção de enfermeiros de um pronto socorro. Rev Rene. 2012; 13(4):899-908.

Favarin AC. Protocolo ao politrauma: assistência de enfermagem prestada ao paciente politraumatizado na emergência de um hospital do extremo sul catarinense. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação). Universidade do Extremo Sul Catarinense, 2022.

Silva MRB, Santos JS, Morais MPL, Silva HCDA, Santolin NO, Gomes DA. Percepção dos enfermeiros na classificação de risco em uma unidade de pronto atendimento na Zona Oeste do Rio de Janeiro. Glob Clin Res.1(1):e2.

Costa FF, Prudente GM, Borba ACG, Deus SD, Castilho TC, Sampaio RA. A eficácia da aplicação do protocolo de manchester na classificação de risco em unidades de pronto atendimento: uma revisão sistemática. RSM 9(1).

Rossato K, Real VR, Oliveira GB, Araujo CDC. Acolhimento com classificação de risco na estratégia saúde da família: percepção da equipe de enfermagem. Rev Enferm UFSM 2018;8(1): 144-156.

Campos TS, Arboit Éder L, Mistura C, Thum C, Arboit J, Camponogara S. Acolhimento e classificação de risco: percepção de profissionais de saúde e usuários. Rev Bras Promoc Saúde33.

Ministério da Saúde (BR). Portaria Nº 2048/GM de 05 de novembro de 2002. Aprova, na forma do Anexo desta Portaria, o Regulamento Técnico dos Sistemas Estaduais de Urgência e Emergência. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Nunes CM, Tronchin DMR, Melleiro MM, Kurcgant P. Satisfação e insatisfação no trabalho na percepção de enfermeiros de um hospital universitário. Rev Eletr Enf. 2010; 12(2):252­7.

Bezerra CMB, Silva KKM, Costa JWS, Farias JC, Martino MMF, Medeiros SM. Prevalência do estresse e síndrome de burnout em enfermeiros no trabalho hospitalar em turnos. REME – Rev Min Enferm. 2019;2 3:e-1232.

Gouveia LHA, Ribeiro VF, Carvalho R. Satisfação profissional de enfermeiros que atuam no bloco cirúrgico de um hospital de excelência. Rev. Sobecc, São Paulo; 25(1): 33-41.

Oliveira JF, Santos AM , Primo LS, Silva MRS da, Domingues ES, Moreira FP, Wiener C, Oses JP. Satisfação profissional e sobrecarga de trabalho de enfermeiros da área de saúde mental. Ciênc saúde coletiva. 2019Jul;24(7):2593–9.

Downloads

Publicado

2023-06-01

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale

Como Citar

Desafios enfrentados por enfermeiros da classificação de risco em urgência e emergência/ Challenges faced by risk classification nurses in urgency and emergency/ Desafíos enfrentados por enfermeros clasificadores de riesgo en urgencia y emergencia. (2023). Journal Health NPEPS, 8(1). https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/10952

Artigos Semelhantes

1-10 de 352

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.