Análise microbiológica de especiarias desidratadas comercializadas em feiras livres de Cuiabá, Mato Grosso / Microbiological quality of dehydrated spices commercialized in street markets of Cuiaba, Mato Grosso /Análisis microbiológico de especialidades...

Juliana Ormond de Oliveira, Laysa Thais de Oliveira Vilela, Luiz Henrique de Oliveira Silva, Taynara Soares do Nascimento, Flávio Aparecido da Cruz Magalhães, Viviane Karolina Vivi

Resumo


Objetivo: avaliar coliformes fecais e presença de fungos filamentosos em pimenta do reino (Piper nigrum L.), açafrão (Curcuma longa L.), canela em pó (Cinnamomum cassia L.) e cominho (Cuminum cyminum L.) desidratados comercializados em feiras livres de Cuiabá e identificar se tais produtos apresentam-se dentro dos padrões microbiológicos. Método: as especiarias foram adquiridas em três feiras livres. Nas 12 amostras, as enterobactérias foram selecionadas mediante placas de Petri de ágar MacConkey. O isolamento dos coliformes fecais realizou-se em ágar Eosina e Azul de Metileno (EMB), sendo posteriormente as colônias termotolerantes submetidas ao teste de indol. As espécies fúngicas foram inoculadas em Ágar Sabouraud acrescido de cloranfenicol, com posterior contagem fúngica e micromorfologia dos gêneros fúngicos. Resultados: não obteve crescimento de coliformes fecais e para fungos filamentosos houve o aparecimento de seis gêneros, dentre eles, três de importância clínica Aspergillus sp., Penicillium sp. e Fusarium sp. Conclusão: no que tange a análise bacteriológica realizada, observou-se que os condimentos avaliados estão dentro dos valores estabelecidos pela ANVISA, porém a análise fúngica demonstrou que tais produtos apresentam uma grande quantidade de UFC/g, dentre os quais espécies reportadas na literatura como toxigênicas. 


Palavras-chave


Especiarias; Enterobacteriaceae; Vigilância; Fungos

Texto completo:

PDF

Referências


Rodrigues RMM, Martini MH, Chiarini PFT, Prado SPT. Matérias estranhas e identificação histológica em manjerona (Origanum majorona L.), orégano (Origanum vulgare L.) e salsa (Petroselinum satirem Hoffim) em flocos comercializados no estado de São Paulo. Rev Inst Adolfo Lutz. 2005; 64(1):25-30.

Esquivel AS. Magia e mistério: condimentos especiarias temperando alimentos criando sedução à mesa. Rev Nutr Saúde Performance. 2001; 3:42-6.

Germano PML, Germano MIS. Higiene e vigilância sanitária de alimentos. São Paulo: Varela; 2001.

Kinton R. Enciclopédia de Serviço de Alimentação. São Paulo: Varela; 1998.

Frazier WC, Westhoff DC. Microbiologia de los Alimentos. 4a ed. Zaragoza: Acribia; 1993.

Ridell G. Controle Sanitário dos Alimentos. 2a ed. São Paulo: Atheneu; 1992.

Silva N, Junqueira VCA, Silveira NFA. Manual de métodos de análise microbiológica de alimentos. 3a ed. São Paulo: Varela; 2007.

Souza CP. Segurança alimentar e doença veiculadas por alimentos: utilização do grupo coliforme como um dos indicadores de qualidade de alimentos. Rev APS. 2006; 9(1):83-88.

Nataro JP, Kaper JB. Diarrheagenic Escherichia coli. Clin microbiol rev. 1998; 11:142-201.

Silva LP, Alves AR, Borba CM, Mobin M. Contaminação fúngica em condimentos de feiras livres e supermercados. Rev Inst Adolfo Lutz. 2012; 71(1):202-6.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA (BR). Resolução nº. 12, de 02 de janeiro de 2001. Regulamento técnico sobre os padrões microbiológicos para alimentos. Republicada no Diário Oficial da União 10 jan 2001 [acesso em 01 set 2014]. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/wps/wcm/connect/a47bab8047458b909541d53fbc4c673 5/RDC_12_2001.pdf?MOD=AJPERES

Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento – MAPA (BR). Secretaria de Defesa Agropecuária. Instrução Normativa N° 62, de 26 de agosto de 2003. Métodos Analíticos Oficiais para Análises Microbiológicas para Controle de Produtos de Origem Animal e Água.

Koneman EW, Allen SD, Janda WM. Diagnóstico Microbiológico. 6a ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan; 2008.

Ribeiro CM, Soares RSMM. Microbiologia Prática: Roteiro e Manual: Bactérias e Fungos. São Paulo: Atheneu; 1998.

Michael J, Pelczar Jr, Chan ECS, Krieg NR. Microbiologia: conceitos e aplicações. 2a ed. São Paulo: MAKRON Books; 1996.

Lacaz CS, Porto E, Heins-Vaccari EM, Melo NT. Tratado de Micologia Médica LACAZ. São Paulo: SARVIER; 2002.

Fraife Filho GA, Leite JBV, Ramos JV. Pimenta-do-reino [acesso em 25 out 2014]. Disponível em: http://www.ceplac.gov.br/radar/pimentadoreino.htm

EMBRAPA. Sistema de produção da pimenta do reino [acesso em 03 nov 2014]. Disponível em: http://sistemasdeproducao.cnptia.embrapa.br/FontesHTML/Pimenta/PimenteiradoReino/paginas/mercado.htm

Vilela CAA, Arthur PO. Secagem do açafrão (Curcuma longa L.) em diferentes cortes geométricos. Ciênc Tecnol Aliment. 2008; 28(2):387-94.

Centro de Tecnologia da Informação Luiz de Queiroz. Plantas Medicinais: Canela [acesso em 25 out 2014]. Disponível em: http:www.plantasmedicinaisfitoterapia.com/plantas medicinais-canela.html

VP Nutrição Funcional. Especiarias e Saúde - Os benefícios da canela [acesso em 2014]. Disponível em: http://www.vponline.com.br/blog/?p=56

Centro de Tecnologia da Informação Luiz de Queiroz. Plantas Medicinais: Cominho [acesso em 25 out 2014]. Disponível em: http:www.plantasmedicinaisfitoterapia.com/plantas medicinais-cominho.html

Biosystems. Ágar MacConkey [acesso em 03 set 2005]. Disponível em: http://www.biosystems.com.br/produto/1446/o-agar-macconkey-com-0-15-de-sais-biliares-cristal-violeta-e-nacl-e-recomendado-para-isolamento-seletivo-e-diferenciacao-de-coliformes-e-outros-patogenos-entericos

Metaquímica Produtos LTDA. Ágar sabouraud dextrose – 100G kasvi. [Acesso em 03 set 2014. Disponível em: http://www.metaquimica.com/Produtos/%C3%81gares-945/AGAR-SABOURAUD-DEXTROSE-100G---KASVI-10933

Silva JF, Melo BA, Leite DT, Cordeiro MFR, Pessoa EB, Barreto CF, et al. Análise microbiológica de condimentos comercializados na feira central de Campina Grande-PB. Rev ACSA. 2013; 9(2):83-7.

Praveen S, Das S, Begum A, Sultana N, Hoque MM, Ahmad I. Microbiological quality assessment of three selected spices in Bangladesh. IFRJ. 2014; 21(4): 1327-30.

Neto AC, Silva FV, Machado AP. Incidência de espécies fúngicas potencialmente toxigênicas em especiarias. Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde. 2013; 17(1):9-18.

Souza JCR, Barros GC, Mendes PP, Mendes ES. Avaliação microbiológica de condimentos artesanais e industrializados da grande Recife, PE. Hig aliment. 2006; 20(145):105-8.

Hoffmann FL, Garcia-Cruz CH, Vinturim TM, Motta RL. Avaliação microbiológica das misturas de tempero prontos para uso em produto de carne. Alim Nutr. 1991; 3:11-18.

Minami PS. Micologia: métodos laboratoriais de diagnóstico das micoses. 1a ed. São Paulo: Monale; 2003.

Universidade Federal de Minas Gerais. Instituto de Ciências Biológicas. Micoses sistêmicas. [Acesso em 03 nov 2014. Disponível em: http://www.icb.ufmg.br/mic/index.php?secao=material&material=25.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 JOURNAL HEALTH NPEPS



ISSN 2526-1010