Comunicação do diagnóstico de câncer colorretal à pessoa e família e/ou cuidador/ Communication of colorretal cancer diagnosis to the person and family and/or caregiver/ Comunicación del diagnóstico de cáncer colorretal a la persona y la familia y/o cuidador

Michele Cristine Nachtigall Barboza, Rosani Manfrin Muniz, Raquel Cagliari, Juliana Amaral Rockembach, Sandy Alves Vasconcellos, Letícia Valente Dias

Resumo


Objetivo: conhecer o impacto da comunicação do diagnóstico de câncer colorretal à pessoa e sua família e/ou cuidador. Método: pesquisa qualitativa, realizada por meio de entrevistas, junto a 11 pessoas com câncer colorretal e 12 familiares, de maio a julho de 2017, em um município do Rio Grande do Sul, Brasil. Os dados foram organizados e codificados no software Webqda e submetidos à análise temática. Resultados: emergiram três categorias, problemas na habilidade de comunicar más notícias; a terminologia técnica na comunicação do diagnóstico de câncer colorretal; conflitos na comunicação do diagnóstico de câncer colorretal às pessoas idosas. Considerações finais: destaca-se a necessidade de qualificação profissional em relação à linguagem utilizada e formas de expressão, na perspectiva de estabelecê-la de modo mais empático, e consequentemente promover maior segurança e confiança nas relações entre pessoas doentes, família e profissionais de saúde.


Palavras-chave


Neoplasias Colorretais; Comunicação; Família

Texto completo:

PDF

Referências


Organização Mundial da Saúde. Câncer>Perfil de países com câncer em 2020. Genebra: WHO; 2020. [acesso em 12 jul. 2020]. Disponível em: https://www.who.int/cancer/country-profiles/en/

Brasil. Instituto Nacional de Câncer. Estatísticas de Câncer. Brasília: Ministério da Saúde; 2020. [acesso em 12 jun. 2020]. Disponível em: https://www.inca.gov.br/numeros-de-cancer.

Moore PM, Rivera S, Bravo-Soto GA, Olivares C, Lawrie TA. Treinamento de habilidades de comunicação para profissionais de saúde que trabalham com pessoas com câncer. Cochrane Database of Systematic Reviews; 2018.

Neves FB, Noguez PT, Guimarães SRL, Muniz RM, Pinto BK. Decisões contraditórias: motivos que levam o familiar cuidador a omitir o diagnóstico de câncer. Rev Enferm UFPE On Line. 2017; 11(2):591-600.

Tong A, Sainsbury P, Craig J. Consolidated criteria for reporting qualitative research (COREQ): a 32-item checklist for interviews and focus groups. Int J Qual Health Care. 2007; 19(6):349-57.

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde. Cad Saúde Pública. 2008; 24(1):17-27.

Souza FN, Costa AP, Moreira A. Análise de Dados Qualitativos Suportada pelo Software webQDA. In: VII Conferência Internacional de TIC na Educação: Perspetivas de Inovação; 2011 mai 49-56; Braga.

Braun V, Clarke V. Using thematic analysis in psychology. Qual Res Psychol. 2006; 3(2):77-101.

Bueno IAF, Tarabay CH, Cruz LMT. Comunicação em oncologia e ajustamento psicológico: uma revisão de literatura. Psicol Saúde Doenças. 2016; 17(3):527-541.

Bastos BR, Fonseca ACG, Pereira AKS, Silva LCS. Formação dos profissionais de saúde na comunicação de más notícias em cuidados paliativos oncológicos. Rev Bras Cancerol. 2016; 62(3):263-6.

Aoun SM, Breen LJ, Oliver DJ, Henderson RD, Edis R, O'Connor M, et al. Family carers' experiences of receiving the news of a Motor Neurone Disease: a national survey. J Neurol Sci. 2017; 372:144-151.

Eun KC, Duarte ME, Hyemon S, Wanda P, Julie AK. Communicating Bad News: Insignts for the Design of Consumer Health Technologies. JMIR Hum Factors. 2019; 6(2):e8885.

José SAP, Carmo SA, Vieira LR, Cardoso LCP, Ferrari SR, Pinto ACR, Farias PVA. A comunicação de notícias difíceis sobre a abordagem aplicada à oncologia: uma revisão bibliométrica. RSD. 2020; 9(9):e569997570.

Gilligan T, Coyle N, Frankel RN, Berry DL, Bohlke K, Epstein RN, et al. Patient-Clinician Communication: American Society of Clinical Oncology Consensus Guideline. J Clin Oncol. 2017; 35(31):3618-3632.

Silva SCB, Guedes MR. Percepções dos acompanhantes de pacientes em estado de terminalidade. REFACS (online). 2017; 5(2):221-227.

Costa RSL, Lima RSM, Félix TC, Mota TMSC, Tavares EA, Queiroz GJC, et al. Sentimentos e expectativas de mulheres frente ao diagnóstico de câncer de mama. J Health NPEPS. 2020; 5(1):290-305.

Santos RP, Pereira BC, Fava SMCL, Resck ZMR, Dázio EMR. Fatores contextuais da comunicação do diagnóstico de câncer no processo de finitude e morte. Enferm Brasil. 2018; 17(2):134-140.

Fontes CMB, Menezes DV, Borgato MH, Luiz MR. Communicating bad news: an integrative review of the nursing literature. Rev Bras Enferm. 2017; 70(5):1089-95.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Journal Health NPEPS



ISSN 2526-1010