Prevenção de flebites: conhecimento dos profissionais de enfermagem/ Phlebitis prevention: knowledge of nursing professionals/ Prevención de la flebitis: conocimiento de profesionales de enfermeira

Autores

Palavras-chave:

Flebite, Cuidados de Enfermagem, Infusões Intravenosas, Cateterismo Periférico

Resumo

Objetivo: analisar o conhecimento dos profissionais de enfermagem em relação às medidas preventivas da flebite. Método: estudo descritivo, de natureza quantitativa, realizado com 70 profissionais de enfermagem da cidade de Contagem, Minas Gerais, Brasil. Utilizou-se um instrumento estruturado e os dados foram analisados por estatístisca descritiva. Resultados: destaca-se que 67,1% dos participantes deste estudo conhecem o conceito da flebite, enquanto 91,4% identificam os fatores de risco que influenciam o aparecimento deste evento. A técnica de flushing e aspiração do sangue antes de cada administração medicamentosa são utilizadas apenas por 33,7% dos participantes como método de manutenção dos cateteres. Conclusão: os profissionais de enfermagem compreendem algumas das condutas a serem realizadas para a prevenção da flebite, porém carecem de treinamento.

Biografia do Autor

Amanda Caroline dos Santos Evangelista, Centro Universitário UNA

Discente de Enfermagem pelo Centro Universitário UNA.

Brenda Helen de Castro Costa, Centro Universitário UNA

Discente de Enfermagem pelo Centro Universitário UNA.

Thayná Bruna Ribeiro dos Santos, Centro Universitário UNA

Discente de Enfermagem pelo Centro Universitário UNA.

André Luiz Silva Alvim, UFMG

Enfermeiro. Doutorando e Mestre em Enfermagem pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Especialista em Controle de Infecção Hospitalar, Auditoria e Gestão da Qualidade aplicada à Serviços de Saúde. Professor do Centro Universitário UNA e do Curso de Pós Graduação da Faculdade Pitágoras (Gestão em Saúde com ênfase em Centro Cirúrgico e CME). Organizador do livro: "Prevenção e Controle de Infecção: teoria e prática para gestão do serviço e Segurança do Paciente em Serviços de Saúde". Possui experiência nas áreas de Controle de Infecção Hospitalar, Centro de Materiais e Esterilização (CME), Segurança do Paciente e consultoria em Clínicas de Saúde da região de Belo Horizonte.

Referências

Pereira MSR, Cunha VVO, Borghard AT, Lima EFA, Santos TFF, Portugal FB. A segurança do paciente no contexto das flebites notificadas em um hospital universitário. Rev Epidemiol Controle Infecção. 2019; 9(2):1-7.

Milutinovi? D, Simin D, Zec D. Fatores de risco para flebite: estudo com questionário sobre a percepção dos enfermeiros. Rev Latinoam Enferm. 2015; 23(4):677-84.

Urbanetto JS, Freitas APC, Oliveira APR, Santos JCR, Muniz FOM, Silva RM, et al. Fatores de risco para o desenvolvimento da flebite: revisão integrativa da literatura. Rev Gaúch Enferm. 2017; 38(4):e57489.

Inocêncio JS, Ferreira RAS, Vaez AC, Araújo DC, Pinheiro FGMS. Flebite em acesso intravenoso periférico. Arq Ciênc Saúde. 2017; 24(1):105-9.

Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Medidas de Prevenção de Infecção Relacionada à Assistência à Saúde. Brasília: Anvisa; 2017.

Cheng A, Kessler D, Mackinnon R, Chang TP, Nadkarni VM, Hunt EA, et al. Reporting Guidelines for Health Care Simulation Research. Simul Healthc J Soc Simul Healthc. 2016; 11(4):238-48.

Tertuliano AC, Borges JLS, Fortunato RAS, Oliveira AL, Poveda VB. Flebite em acessos venosos periféricos de pacientes de um Hospital do Vale do Paraíba. Rev Min Enferm. 2014; 18(2):334-39.

Alves DA, Lucas TC, Martins DA, Cristianismo RS, Braga EVO, Guedes HM. Avaliação das condutas de punção e manutenção do cateter intravenoso periférico. Rev enferm Cent-Oest Min. 2019; 9:e3005.

Mandal A, Raghu K. Study on incidence of phlebitis following the use of pherpheral intravenous catheter. J Family Med Prim Care. 2019; 8(9):2827-31.

Lv L, Zhang J. The incidence and risk of infusion phlebitis with peripheral intravenous catheters: A meta-analysis. J Vasc Access. 2020; 21(3):342-349.

Mihala G, Ray-Barruel G, Chopra V, Webster J, Wallis M, Marsh N, et al. Phlebitis Signs and Symptoms With Peripheral Intravenous Catheters: Incidence and Correlation Study. J Infus Nurs. 2018; 41(4):260-263.

Goulart CB, Custódio CS, Vasques CI, Ferreira EB, Reis PED. Effectiveness of topical interventions to prevent or treat intravenous therapy-related phlebitis: A systematic review. J Clin Nurs. 2020;29(13-14):2138-49.

Braga LM, Parreira PMSD, Sena CA, Carlos DM, Mónico LSM, Henriques MAP. Taxa de incidência e o uso do flushing na prevenção das obstruções de cateter venoso periférico. Texto Contexto Enferm. 2018; 27(4):e2810017.

Batista O, Moreira R, Sousa AL, Moura M, Andrade D, Madeira M. Complicações locais da terapia intravenosa periférica e fatores associados em hospital brasileiro. Rev Cuba Enferm. 2018; 34(3).

Downloads

Publicado

29/05/2021

Como Citar

Evangelista, A. C. dos S., Costa, B. H. de C., dos Santos, T. B. R., & Silva Alvim, A. L. (2021). Prevenção de flebites: conhecimento dos profissionais de enfermagem/ Phlebitis prevention: knowledge of nursing professionals/ Prevención de la flebitis: conocimiento de profesionales de enfermeira. Journal Health NPEPS, 6(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/jhnpeps/article/view/5219

Edição

Seção

Artigo Original/ Original Article/ Artículo Originale