ART NARRATIVAS (AUTO)BIOGRÁFICAS HALOTIPARESI: DESAFIOS, CONQUISTAS E PROTAGONISMO DAS MULHERES INDÍGENAS

Autores

  • Amanda Pereira da Silva Azinari
  • Neudvania Onaezokenazokaerose

Palavras-chave:

Mulheres Haloti Paresi, (auto) biografia, narrativas, mulheres indígenas.

Resumo

Este texto se refere a reflexões originadas no Trabalho de Conclusão de Curso construído em
2022 a partir do curso de Licenciatura em Pedagogia Intercultural da Faculdade Indígena Intercultural da UNEMAT. Abordamos fragmentos das narrativas (auto) biográficas da primeira autora e entrevista narrativa com duas mulheres (Haloti-Paresi) da aldeia Rio Verde e Kamae no Município de Tangará da Serra-MT. A discussão é pertinente ao provocar autorreflexões quanto aos espaços ocupados pelas mulheres Haloti no contexto do povo Haliti Paresi. Também traz elementos significativos para pensar como as narrativas (auto) biográficas são instrumentos metodológicos importantes para conhecer e visibilizar falas e historias subalternizadas no contexto colonial e patriarcal do qual somos fruto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALZANDÚA, Glória. Falando em línguas: uma carta para as mulheres escritoras do terceiro mundo. Estudos feministas. Trad. Edna de Marco. Ano 8, 1º semestre de 2000.

BRASIL. Referencial Curricular Nacional para as escolas indígenas. Ministério da Educação e do Desporto, Secretaria de Educação Fundamental. - Brasília: MEC/SEF, 1998.

FAUSTINO, Rosângela Célia. NOVAK, Maria Simone Jacomini. RODRIGUES, Isabel Cristina. O acesso de mulheres indígenas à universidade: trajetória de lutas, estudos e conquistas. In Tempo & Argumento, Florianópolis, v. 12, n. 29, e. 0103, jan./abr. 2020.

FERRAROTI, Franco. Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, Antônio.

FINGER, Matthias. O método (auto) biográfico e a formação. Natal, RN: EDUFRN, São Paulo: Paulus, 2010.

FERREIRA, Waldineia Antunes de Alcântara. ZONIZOKEMAIRÔ, Nilce. EDUCAÇÃO ESPECÍFICA E DIFERENCIADA: complexos culturais da língua materna Haliti-Paresi. Palmas, v. 7, n. 1, p. 1-16, jan-mar, 2021.

ISA. Instituto Socioambiental. Organização das mulheres indígenas no Brasil: resistência e protagonismo. Disponível em < https://site-antigo.socioambiental.org/ptbr/noticiassocioambientais/organizacoes-de-mulheres-indigenas-no-brasil-resistenciae-protagonismo>

Acesso em 04 de jul. 2022.

MARCHA. Primeira marcha das mulheres indígenas. Território: nosso corpo, nosso

espirito. Brasília, 2019. Disponível em https://cimi.org.br/2019/08/marcha-mulheresindigenas-documento-final-lutar-pelos-nossos-territorios-lutar-pelo-nosso-direito-vida/ Acesso em julho 2022.

ONU MULHERES. A voz de mulheres no acampamento Terra Livre. Disponível em: Acesso em 02 de jul. 2022. HALIT-PARESI. Plano de Gestão Haliti Paresi. Território indígena Haliti Paresi. Mato Grosso: Operação Amazônia Nativa,2019.

SECCHI, Darci. Professores Indígenas em Mato Grosso. In Cenários e Perspectivas. Cuiabá: EdUFMT, 2009. (Coletânea Educação Escolar Indígena, v. 4).

Fontes orais consultadas

Entrevista de Josiane Okenazokie, concedida no dia 10 maio de 2022.

Entrevista de Edicleia Paresi, concedida no dia 22 de junho de 2022.

Recebido: 15/02/2023

Aprovado: 30/03/2023

Publicado: 01/05/2023

Downloads

Publicado

2023-07-23

Como Citar

AZINARI, A. P. da S., & ONAEZOKENAZOKAEROSE, N. (2023). ART NARRATIVAS (AUTO)BIOGRÁFICAS HALOTIPARESI: DESAFIOS, CONQUISTAS E PROTAGONISMO DAS MULHERES INDÍGENAS. Revista De Comunicação Científica, 1(12). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/rcc/article/view/11414