PERCEPÇÕES DOS ASSOCIADOS DA COOPERATIVA SICREDI UNIVALES SOBRE O COOPERATIVISMO DE CRÉDITO: UM ESTUDO DE CASO NA UNIDADE DE JUARA-MT

Autores

  • Marcia Nunes SILVA
  • Ana Maria de LIMA

Resumo

Este artigo discute a percepção dos associados sobre a participação na elaboração de estratégias da organização coletiva da cooperativa Sicredi, procurando demonstrar que as cooperativas precisam ser competitivas dentro do sistema capitalista, logo, o cooperado, necessita refletir sobre seu papel como empreendedor e dono do negócio. O trabalho foi desenvolvido por meio de levantamento bibliográfico e pesquisa de campo junto aos cooperados. O resultado da pesquisa demonstrou que não é possível apenas injetar recursos para a formação e abertura de uma cooperativa, é preciso atuar e somar forças nas decisões estratégicas da organização. As assembleias divulgam as atividades e os resultados financeiros, via momentos participativos, a fim de atingir as metas da cooperativa e os objetivos pessoais.  
 
Palavras chaves: Cooperativismo. Participação. Estratégia.

Referências

ANTONIALLI, L. M. Influência da mudança de gestão nas estratégias de uma cooperativa agropecuária. RAC. v. 4, n.1, jan/abr. 2000.

ALMEIDA, S. Ah! Eu não acredito: como cativar o cliente através de um fantástico atendimento. Salvador: Casa da Qualidade, 2001. BRASIL. Presidência da República. Define a política nacional do cooperativismo, institui o regime jurídico das sociedades cooperativas, e dá outras providências. 1971. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L5764.htm>. Acesso em: 27 jul. 2016.

BONFADINI, G. J. Relacionamento organizacional: um tema, duas abordagens científicas complementares. In: CLADEA, 2006 (2006, Montpellier/França). Anais de Montpellier/FR, 2006.

COOPERATIVISMO. União disciplinada de forças para o bem comum. Cartilha, 2 ed. abril, 1998.

______. Estatuto social da cooperativa de crédito de livre Admissão de Associados do Vale do Juruena – SIREDI UNIVALES MT.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas, 2002.

______. Métodos e técnicas de pesquisa social. 3 ed. São Paulo: Atlas, 1999.

MEINEN, E.; DOMINGUES, J. N.; DOMINGUES, J. A. S. (Org). Aspectos jurídicos do cooperativismo. Porto Alegre: Sagra Luzzatto, 2002.

NASCIMENTO, F. R. Cooperativismo como alternativa de mudança. Rio de Janeiro: Forense, 2000.

OCB. Evolução no Brasil. Dados 2015. Disponível em: <http://www.ocb.org.br/site/cooperativismo/evolução_no_brasil.asp>. Acesso em: 9 abr. 2015.

______. Exportações cooperativistas: dados Consolidados JAN/JUNHO 2004/2005. Brasília, 2002.

PROGRAMAS DE FORMAÇÃO COOPERATIVA CRESCER. Cooperativismo de crédito: contribuindo para o crescimento coletivo. Fundação Sicredi (Coord.). Porto Alegre, 2014.

PINHO, D. B. O cooperativismo de crédito no Brasil. São Paulo: Confebrás, 2004.

RORIZ, A. L.; BARBALHO, F. P.; OLIVEIRA, T. Gonçalves. Cooperativismo: algumas questões importantes. In: LUCENA, Andréa Freire; CARVALHO, Claudia Regina Rosal; VIEIRA, Nair de Moura (Org). Cooperação e inclusão social. Goiânia: PUC de Goiás, 2011

PHILLIPS, R. Economic Nature of the Cooperative Association. Journal of Farm Economics, v. 35, n. 1, p. 74-87, fev. 1953.

VILPOUX, O. F.; OLIVEIRA, M. A. C. Governanças na agricultura familiar: mercados, contratos, redes e cooperativismos. Sustentabilidade e agricultura familiar. Curitiba: CRV, 2011.

VEIGA, S. M., FONSECA, I. Cooperativismo: uma revolução pacífica em ação. Rio de Janeiro: DP&A Editora, 2001.

Downloads

Publicado

2019-05-11

Como Citar

SILVA, M. N., & LIMA, A. M. de. (2019). PERCEPÇÕES DOS ASSOCIADOS DA COOPERATIVA SICREDI UNIVALES SOBRE O COOPERATIVISMO DE CRÉDITO: UM ESTUDO DE CASO NA UNIDADE DE JUARA-MT. Revista De Comunicação Científica, 5(1), 105–119. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/rcc/article/view/3671

Edição

Seção

Artigos