O GRAFISMO CORPORAL DO POVO M?BÊNGÔKRE

Autores

  • Paimu TXUCARRAMAE
  • Maria Eliza LEITE

Resumo

O texto “O grafismo corporal do povo Me?bêngôkre” trata da importância das práticas de grafismo que o povo Me?bêngôkre mantém na atualidade, desde os tempos ancestrais. Destacam-se, neste trabalho, os diferentes tipos de grafismo que são aplicados no corpo das pessoas de ambos os gêneros sexuais e em diferentes idades. Este artigo tem o objetivo de mostrar, com detalhes, as diferentes práticas relacionadas à arte do grafismo, principalmente a arte desenvolvida pelas mulheres do povo Me?bêngôkre, e os recursos naturais necessários para realizar essas pinturas.

Palavras chaves: Grafismo, Cultura, Gêneros Sexuais.

Referências

ANDRADE, L. A marca dos tempos: identidade, estrutura e mudança entre os

Asurini do Trocará. In: VIDAL, Lux. Grafismo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: FABESP, 1992.

BANIWA, G.L. Proteção e fomento da diversidade cultural e os debates

internacionais. In: Diversidade cultural brasileira. Belém: Casa Rui Barbosa, 2005.

CARELLI, V. Trabalho e lazer. In: Índios no Brasil 1. Secretaria de Educação a

Distância, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC, SEED; SEF, 2001.

COSTA, Maria Heloisa Fénelon. Padrões de pintura corporal - Capitulo- VI. - O

mundo dos Mehináku- e suas representações visuais. FUNAI: Brasília, 2012.

DE PAULA, L. R. Dinâmica faccional xerente: espera local e processos

sociopolíticos. Departamento de Antropologia da FFLCH. USP: Dissertação de

Mestrado, 2000.

ERMEL, P.B. O Sentido mítico do som: ressonância estética da música tribal dos índios Cinta-Larga. Dissertação de mestrado apresentada ao programa de estudos de pós-graduados em Ciências Sociais da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1988.

FRANCHETTO, B. Povos, aldeias, histórias e culturas. In: Índios do Brasil 2.

Secretaria de Educação a Distância, Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC, SEED; SEF, 2001.

FREIRE, J.R.B. Patrimônio cultural indígena. Rio de Janeiro: UFRJ, 2007.

GRUPIONI, L.D.B. Livros didáticos e fontes de informação sobre as sociedades

indígenas no Brasil. In: SILVA, Aracy Lopes e BENZI, Luís Donizete. A temática

indígena na escola: novos subsídios para professores de primeiro e segundo graus. 2. ed. São Paulo. Global. Brasília. Mec, Unesco, 1998.

ÍNDIOS DO BRASIL. (Org.) Luís Donisete Benzi Grupioni. Brasília: Ministério da

Educação e do Desporto, 1994.

LAUDATO, Luís. Yanomami Pey Këyo: o caminho Yanomami/ Luís LaudatoBrasília: Universa, 1998.

LO CURTO, A. Asurini, Glai Artisti Della Giungla. BSI: banca della Svizzera

italiana, 1993.

LOUREIRO, V.R. Amazônia: estado, homem, natureza. 2. ed. Belém: Cejup, 2004.

MANZATTI, M. Arte com história. São Paulo: 2006. Disponível em

<http://www.overmundo.com.br/perfis/marcelo-manzati>. Acesso em 25 set. 2012.

MÜLLER, R.P. Os Asurini do Xingu: história e arte. Campinas: Editora da Unicamp, 1993.

MÜLLER, R.P. Tayngava, a noção de representação na arte gráfica Asurini do

Xingu. In: VIDAL, Lux. Grafismo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: FAPESP, 1992.

MÜLLER, Regina. Polo Ritual da imagem: Arte Asurini do Xingu. (s.a).

MUSEU DO ÍNDIO/FUNAI. Índios da América do sul: Brasil - aspectos

sociológicos. Museu do Índio/ FUNAI: Brasília, 2009.

RIBEIRO, Darcy. Diários Índios: ou Urubus-Kaapor. São Paulo: Companhia das

letras, 1996.

SARACENI, Rubens. Arquétipos da Umbanda. Madras Editora, 2007.

SUMA ETNOLÓGICA A BRASILEIRA. Edição atualizada do Handbook Of South

American Indians. 2. ed.. FUNAI: Brasília, 2012.

VIDAL, Lux. GRAFISMO INDÍGENA. Estudos de antropologia estética. 2007.

Recebido: 24/07/2021

Aprovado: 29/07/2021

Publicado: 01/09/2021

Downloads

Publicado

06/09/2021

Como Citar

TXUCARRAMAE, P., & LEITE, M. E. (2021). O GRAFISMO CORPORAL DO POVO M?BÊNGÔKRE. Revista De Comunicação Científica, 9(1), 70–80. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/rcc/article/view/5829

Edição

Seção

Artigos