O GÊNERO TEXTUAL CHARGE E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS

Autores

  • Tamara Cristina penha da Costa Universidade do Estado do pará
  • Oziel Pereira da Silva Universidade do Estado do Pará

Resumo

Resumo: Este trabalho analisa quatro charges, de diferentes temáticas, e mostra a importância do conhecimento sociocultural dos sujeitos para a construção de diferentes sentidos de um texto. A compreensão do gênero discursivo-textual charge requer a consideração de outros aspectos, além das linguagens não verbais que a constituem, uma vez que reflete juízos de valor sobre assuntos que aborda. Assim, são comuns críticas a fatos políticos e sociais, por meio do recurso expressivo ironia. Ao analisarmos uma charge, portanto, entramos em contato com várias informações que demandam a ativação de conhecimentos prévios sobre o tema, a produção de inferências, dentre outros. Por outro lado, a não observância desses fatores pode trazer dificuldades à compreensão dos sentidos possíveis veiculados. Vale salientar que os PCN sugerem um estudo/ensino de língua materna a partir do trabalho com os gêneros que circulam nas diferentes esferas sociais, como forma de levar o aluno a interagir com e refletir sobre a linguagem. Este trabalho fundamenta-se nos estudos de Bakhtin (2003), Britto (2003), Brasil (1998), Guimarães (2009), Koch (2003), Marcuschi (2003) e Mouco e Gregório (2007).

 

Palavras chave: Gêneros. Charge. Sentidos.

Biografia do Autor

Tamara Cristina penha da Costa, Universidade do Estado do pará

Granduanda do 4º ano do curso de letras

Oziel Pereira da Silva, Universidade do Estado do Pará

Professor do curso de letras da Universidade do Estado do Pará.

Referências

Referências Bibliográfica

BAKHTIN, M. Estética da criação verbal. 4 ed. São Paulo: Martins fontes, 2003.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: língua portuguesa/ Secretaria de Educação Fundamental. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRITTO, Luíz Parcival Lemes. Contra o consenso: cultura escrita, escrita, educação e participação. São Paulo: Mercado de Letras, 2003.

GUIMARÃES, Elisa. Texto, discurso e ensino. São Paulo: Contexto, 2009. p.134.

KOCH, Ingedore Villaça. A construção dos sentidos no texto: coesão e coerência. In: O texto e a construção de sentidos. São Paulo: Contexto, 2013. p.45.

LAKATOS, E; M. MARCONI, M; A. Fundamentos de metodologia científica. 5. ed. - São Paulo: Atlas 2003.

MARCUSCHI, A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In; gêneros textuais e ensino. Rio de janeiro: Lucena, 2003.

______. Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial, 2008.

MOUCO, M. A. T; GREGÓRIO, M. R. Leitura, análise e interpretação de charges com fundamentos na teoria semiótica. Paraná, 2007.

Downloads

Publicado

20/09/2018

Como Citar

da Costa, T. C. penha, & da Silva, O. P. (2018). O GÊNERO TEXTUAL CHARGE E A CONSTRUÇÃO DE SENTIDOS. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 12(1), 36–48. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/2554