A POLÍTICA LINGUÍSTICA NOS GAMES

Autores

  • Anna Karoliny Dos Santos Silva UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA
  • Silvia Maria Canteli UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Resumo

O presente artigo tem como objetivo a discussão a respeito da linguagem e  identidade gamer como política linguística. Essa questão é abordada por meio de pesquisas e coletas de dados que visam identificar sua linguagem e identidade gamer, relatando e expondo alguns dados sobre linguagem e vivência gamer. Para tanto, observou-se que os discursos de gamers envolvem questões sobre machismos e ambientes tóxicos, dos quais são fomentados por um sistema de marketing mundial focalizado mais em vender a imagem, vulgo identidade gamer, do que em inserir os games como um ambiente de lazer e de comunicação e interação global. O Brasil tornou-se um dos maiores polos de tecnologia em games do mundo e com esse crescimento surgiram embates de questões sociais e culturais. O estudo de campo foi analisado neste país, especificamente na região de Florianópolis/SC, pois atualmente a cidade de Florianópolis também está na lista dos maiores polos tecnológicos do Brasil, conhecida por ser a capital da inovação e como a segunda cidade mais empreendedora desse país. 


Biografia do Autor

Anna Karoliny Dos Santos Silva, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Estudante de bacharelado em Letras Língua Portuguesa e Literaturas, na Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC e estudante no curso de Marketing Social, no Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial - SENAC.

Silvia Maria Canteli, UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA CATARINA

Estudante de licenciatura em Letras Língua Portuguesa e Literaturas, na Universidade Federal de Santa Catarina - UFSC; graduada  em Letras bacharelado em Língua Inglesa com  habilitação em Secretariado Bilíngue em Letras pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas - PUCCAMP e Pós-graduada em Metodologia de Ensino de Língua Portuguesa e Estrangeira pelo Centro Universitário Internacional - UNINTER.

Referências

CARLSON, R.; CORLISS,J. Imagined Commodities: Video Game Localization and Mythologies of Cultural Difference. In:Games and Culture, vol. 6, 1: pp. 61-82. , First Published October 19, 2010.

CONDOMÍNIO SC. Quais são os principais polos tecnológicos do Brasil. Disponível em http://www.condominiosc.com.br/secoes/cidades/2613-quais-sao-os-principais-polos-tecnologicos-do-brasil. Acesso em 06 de novembro de 2019.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós modernidade. 11ª ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006. 102p.

RUDIGER, F.R. Cibercultura e pós-humanismo: exercícios de arqueologia e criticismo. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2008.

SANTAELLA, L. Games e Comunidades Virtuais. Disponível em http://www.canalcontemporaneo.art.br/tecnopoliticas/archives/000334.html. Acesso em 26 de outubro de 2019.

SCHUYTEMA, Paul. Design de games: uma abordagem prática. Tradução de Cláudia Mello Belhassof. São Paulo: Cengage Learning, 2008.

SEVEN IDIOMAS. 38 gírias que Todo Gamer Precisa Saber. Disponível em https://go.sevenidiomas.com.br/blog/28-girias-que-todo-gamer-precisa-saber/. Acesso em 29 de outubro de 2019.

SIGNIFICADOS. Significado de RPG. Disponível em: https://www.significados.com.br/rpg/. Acesso em 11 de dezembro de 2019.

SILVA, Elias Ribeiro da. A Pesquisa em Política Linguística - Histórico, Desenvolvimento e Pressupostos Epistemológicos. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0103-18132013000200007&script=sci_abstract&tlng=es

VALOR INVESTE. Brasil é o 13° maior mercado de games do mundo e o maior da América Latina. Disponível em https://valorinveste.globo.com/objetivo/empreenda-se/noticia/2019/07/30/brasil-e-o-13o-maior-mercado-de-games-do-mundo-e-o-maior-da-america-latina.ghtml. Acesso em 06 de novembro de 2019.

ZILLE, J.A.B. A intensificação do agenciamento nos games: do jogador ao jogador-criador. Tese de Doutorado em comunicação e semiótica. PUC-SP, 2012.

Downloads

Publicado

25/01/2021

Como Citar

Dos Santos Silva, A. K., & Canteli, S. M. (2021). A POLÍTICA LINGUÍSTICA NOS GAMES. Revista De Estudos Acadêmicos De Letras, 13(2), 171–190. Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/reacl/article/view/4339

Edição

Seção

Artigos - Linguística Aplicada