Um estudo de percepção acerca do léxico de línguas africanas no português brasileiro

Autores

DOI:

https://doi.org/10.30681/2594.9063.2020v4n2id5096

Resumo

A língua é parte fundamental da sociedade e, nela, é possível demarcar culturas e, também, racismo. Nesse sentido, o objetivo deste artigo é identificar crenças e atitudes linguísticas acerca de itens lexicais de línguas africanas no Português Brasileiro, a fim de observar se eles seriam alvo de avaliação menos positiva, quando comparado a palavras de origem vernacular. A fundamentação teórica está calcada em Eckert (2012), Cardoso (2014), Labov (2001) e Petter (2008) e em pesquisas sobre racismo linguístico, como as de Leite (1947), Almeida (2019) e Nascimento (2019). Foi adotada a metodologia da Terceira Onda da Sociolinguística para a coleta de dados, que consistiu na aplicação de dois testes de percepção, formulados a partir de estímulos linguísticos e aplicados a um grupo de 12 participantes. Constatou-se que tais juízes, que responderam ao questionário, falantes de Português Brasileiro, avaliam de forma negativa os itens lexicais advindos de línguas africanas empregados no teste, contribuindo para o racismo linguístico.

Biografia do Autor

Paulo César Nascimento, POSLI-UEG

Mestrando em Língua, Literatura e interculturalidade na Universidade Estadual de Goiás, Câmpus Cora Coralina.

Marília Silva Vieira, UEG

Doutora em Letras. Docente no Programa de Pós-graduação em Língua, Literatura e Interculturalidade, Câmpus Cora Coralina

Referências

ALMEIDA, L. Os tabus linguísticos e a abordagem da diversidade cultural no ensino da língua portuguesa. Estudos Linguísticos, v.36, n.02, p.139-145, mai./ago. 2007.

ALMEIDA, S. O que é racismo estrutural? Belo Horizonte: Letramento, 2018.

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. São Paulo: Pólen, 2019.

BAGNO, Marcos. O impacto das línguas bantas na formação do português brasileiro. Cadernos de Literatura em Tradução, n. 16, 2016, p. 19-31.

BLOMMAERT, J. A sociolinguistics of globalization. Cambridge: Cambridge University Press, 2010.

BONVINI, E. Línguas africanas e português falado no Brasil. In: FIORIN, J. L.; PETTER, M. Org. África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008. p.15-62.

CARDOSO, D. P. Atitudes linguísticas e avaliações subjetivas de alguns dialetos brasileiro. Rio de Janeiro: Edgard Blücher, 2014.

ECKERT, P. Three waves of variation study: the emergence of meaning in the study of variation. Annual Review of Anthropology, vol. 41, p. 87–100, jan./jun., 2012.

FERNÁNDEZ, F. M. Principios de sociolinguística y sociologia del lenguaje. Barcelona: Esitorial Ariel, 1998. p.179-193.

FIORIN, J. L.; PETTER, M. Org. África no Brasil: a formação da língua portuguesa. São Paulo: Contexto, 2008.

LABOV, William. Principles of Linguistic Change. Oxford/Cambridge: Blackwell, 1994.

LEITE, S. Padre Pedro Dias, autor da Arte da Língua de Angola, apóstolo dos negros no Brasil. Portugal em África n. 4, v. 2, 1947. p.9-11.

LIMA, I. S.; LUCENA, R. M. Influência de variáveis não linguísticas no processo de acomodação dialetal do /s/ em coda silábica por paraibanos em Recife. Letrônica, Porto Alegre, v.06, n.01, p. 161-178, mar./jun., 2013.

MATTOS e SILVA, Rosa Virgínia. Ensaios para uma sócio-história do Português Brasileiro. São Paulo: Parábola Editorial, 2004.

MENDONÇA, R. A influência africana no Português do Brasil. Brasília: FUNAG, 2012.

MILROY, L. Language and social networks. 2. ed. Oxford: Blackweel, 1987 [1980].

MOURA, C. História do negro brasileiro. São Paulo: Ática, 1992.

NASCIMENTO, G. Racismo linguístico: Os subterrâneos da linguagem e do racismo. Belo Horizonte: Letramento, 2019.

ORSI, V. Tabu e Preconceito Linguístico. ReVEL, v.09, n.17, p.334-348, jun./ago. 2011.

OUSHIRO, L. Conceitos de identidade e métodos para seu estudo na sociolinguística. Estudos Linguísticos e Literários, Salvador, n.63, p.304-325, jul./dez. 2019.

PETTER, M. O léxico compartilhado pelo português angolano, brasileiro e moçambicano. VEREDAS: Associação Internacional de Lusitanistas, Porto Alegre, n.09, p.61-81, abr./mai. 2008.

ROKEACH, M. Naturaleza de las actitudes. Enciclopedia internacional de las ciencias sociales, Madrid: Aguilar, 1974. p. 14-21.

SILVA, K. V.; SILVA, M. H. Dicionário de Conceitos Históricos. Contexto, São Paulo, ed. 2, 2009.

Publicado

14/05/2021

Como Citar

Nascimento, P. C., & Vieira, M. S. (2021). Um estudo de percepção acerca do léxico de línguas africanas no português brasileiro. TRAÇOS DE LINGUAGEM - REVISTA DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS, 4(2). https://doi.org/10.30681/2594.9063.2020v4n2id5096