Jornalismo online a partir de plataformas no-code

Autores

  • Eduardo Fernando Uliana Barboza Universidade Tuiuti do Paraná

Palavras-chave:

Jornalismo online; Plataformas de comunicação; NTICs; No-code; Usabilidade.

Resumo

Nesse novo ambiente digital, movido pela instantaneidade das informações e pelas constantes transformações nas linguagens tecnológicas utilizadas nos processos comunicativos, as plataformas no-code com suas interfaces intuitivas e de fácil operação, despontam como ecossistemas amigáveis para a produção de conteúdo jornalístico online. Apresentar e discutir essas plataformas enquanto novas possibilidades de formato e de transmissão do conteúdo jornalístico multimidiático são os objetivos deste artigo que traz também diversos exemplos de plataformas de interface gráfica voltadas para o usuário e como podem ser aproveitadas no jornalismo.

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Eduardo Fernando Uliana Barboza, Universidade Tuiuti do Paraná

    Mestre em Comunicação Social pela Universidade Metodista de São Paulo (UMESP). Doutorando em Comunicação e Linguagens pela Universidade Tuiuti do Paraná (UTP). É professor contratado curso de Jornalismo da Universidade do Estado de Mato Grosso (UNEMAT), Núcleo Avançado de Rondonópolis. 

Referências

BARBOSA, Suzana. Jornalismo convergente e continuum multimídia na quinta geração do jornalismo nas redes digitais. In: CANAVILHAS, João. Notícias e mobilidade: o jornalismo na era dos dispositivos móveis. Covilhã: Labcom, 2013.

CANAVILHAS, João. (2006). Webjornalismo: Da pirâmide invertida à pirâmide deitada. In S. Barbosa (Org.). Jornalismo digital de terceira geração (pp. 25-40). Livros LabCom.

DEUZE, Mark. The web and its journalisms: considering the consequences of different types of newsmedia online. New media & society, v. 5, n. 2, p. 203-230, 2003.

EAGLETON, Terry. A ideia de cultura. 2a ed. São Paulo: Ed. Unesp, 2011.

KELLNER, Douglas. A cultura da mídia – estudos culturais: identidade e política entre o moderno e o pós-moderno. Tradução de Ivone Cstilho Benedetti. Bauru, SP: EDUSC, 2001.

LEMOS, André. Aspectos da cibercultura – vida social nas redes telemáticas. In: PRADO, José Luiz Aidar (Org). Críticas das práticas midiáticas da sociedade de massa às ciberculturas. 1ª ed. São Paulo: Hacker Editores, 2002.

MARCONDES FILHO, Ciro. Mediacriticism ou o dilema do espetáculo de massas. In: AIDAR PRADO, José Luiz. (Org.). Crítica das práticas midiáticas. São Paulo: Hacker, 2002. pp. 14-26.

PINHO, J. B. Jornalismo na internet: planejamento e produção da informação on-line. São Paulo: Summus, 2003.

RODRIGUES, Carla. Ainda em busca de definições para o jornalismo on-line. In: ______ (org.). Jornalismo on-line: modos de fazer. Rio de Janeiro: Sulina, 2009.

SCHWINGEL, Carla. Ciberjornalismo. São Paulo: Paulinas, 2012.

TSUCHIYA, Alexandre Kenji. Web 3.0, tecnologias relacionadas, e impactos econômicos e tributários no Brasil. Escola Nacional de Administração Pública (Enap), 2022.

WARD, Mike. Jornalismo online. Tradução de Moisés Santos e Silvana Capel dos Santos. São Paulo: Roca, 2006.

WILLIAMS, Raymond. Cultura e sociedade: de Coleridge a Orwell. Trad. Vera Joscelyne. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

Downloads

Publicado

2024-05-02

Como Citar

Jornalismo online a partir de plataformas no-code. (2024). Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 9(1). https://periodicos.unemat.br/index.php/ccs/article/view/11832

Artigos Semelhantes

1-10 de 153

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.