A inteligência artificial e o conteúdo colaborativo no jornalismo em televisão: um análise da aplicação “Você na RPC”

Autores

  • Paulo Eduardo Silva Lins Cajazeira Universidade Federal do Cariri e do Programa em Desenvolvimento Regional Sustentável (UFCA/Brasil),

Palavras-chave:

inteligência artificial, jornalismo colaborativo, telejornalismo local, aplicação digital.

Resumo

O objetivo deste estudo é investigar o uso de inteligência artificial (IA), no conteúdo colaborativo no jornalismo audiovisual encaminhado pelo público, por meio de aplicações digitais (apps) às emissoras de televisão. A intenção é avaliar como se dá a presença da IA no processo de produção, checagem e seleção do conteúdo colaborativo (imagens fixas e em movimento), encaminhadas pelo público, por meio de aplicações digitais desenvolvidas por emissoras de TV. Como objeto de análise, investigou-se as imagens colaborativas enviadas e publicadas nos telejornais da RPCTV, afiliada da TV Globo no Paraná, por meio do aplicativo “você na RPC”. Evidenciou-se questões de jornalismo colaborativo, uso da segunda tela (smartphone) e engajamento da audiência nas notícias factuais (hard news).

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Paulo Eduardo Silva Lins Cajazeira, Universidade Federal do Cariri e do Programa em Desenvolvimento Regional Sustentável (UFCA/Brasil),
    Paulo Eduardo Silva Lins Cajazeira
    Professor de Curso de Comunicação Social/Jornalismo da Universidade
    Federal do Cariri e do Programa em Desenvolvimento
    Regional Sustentável (UFCA/Brasil), Membro do Centro de Estudos
    em Pesquisa em Jornalismo (UFCA/CNPq/Brasil). Jornalista e Ceará
    (UFCA/Brasil) Pós-doutor em Ciências da Comunicação (UBI/Portugal).
    Doutor em Comunicação e Semiótica (PUCSP/Brasil),

Referências

Baumann, Z. 2001. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar.

Bruns, A. (2014). Gatekeeping, Gatewatching, Realimentação em Tempo Real. In: Brazilian Journalism Research. Volume 11. Número 2. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/viewFile/750/570. Acesso em: 10.12.2022.

Cajazeira, Paulo Eduardo Silva Lins. 2014. O jornalismo colaborativo no telejornal com as novas mídias digitais. Covilhã: BOCC.

Cajazeira, P., Bringel, P, Souza, J. (2016). Ferramenta para análise de interatividade da audiência de jornais televisivos em cibermeios: uma avaliação do ‘Bom Dia Brasil’ da TV Globo. In E. Martins, M. Palácios (Org.), Ferramentas para Análise de Qualidade no Ciberjornalismo. Vol. 2: Aplicações. Covilhã, Portugal: UBI/ LabCom, Livros LabCom.

Cajazeira, P. E.; Souza, J. J. G. (2019). Acervo audiovisual e virtualização: as potencialidades da tecnologia digital para a preservação da memória. Rizoma, Santa Cruz do Sul, v. 7, n. 1, p. 122-135. Disponível em: https://online.unisc.br/seer/index.php/rizoma/article/view/12823/8278. Acesso em: 12 mar. 2023.

Canavilhas, J. et al. (2014). Jornalistas e tecnoatores: dois mundos, duas culturas, um objetivo. Revista Esferas, [s. l.], v. 17, n. 5, p. 85-95. Disponível em: https://portalrevistas.ucb.br/index.php/esf/article/view/5690. Acesso em: 12 fev. 2023.

Cirne, Lívia. Efeitos de visualidades no telejornalismo: Uma proposta de categorização. In: GEHLEN, Marco Antônio e MATOS, Marcos Fábio Belo. Comunicação, Jornalismo e Fronteiras Acadêmicas II. São Luís: EDUFMA, 2017.

Colletti, G., & Materia, A. (2012). Social TV: Guida ala nuova TV nell’era di Facebook e Twitter. Milão, Itália: Gruppo 24 Ore.

Dubois, P. (2014). O ato fotográfico São Paulo: Papirus.

Joly, M. (1994). Introdução à Análise da Imagem. Lisboa, Portugal, Edições 70.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2019). Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios: Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2013. Rio de Janeiro, RJ: IBGE. Recuperado de https://bit.ly/2SiJOvP

Logan, R. K. (2019) Understanding humans: The extensions of digital media. Information, v. 10, n. 10, p. 304.

Gray, J., & Lotz, A. D. (2012). Television studies. Cambridge, Inglaterra: Polity Press.

Marquioni, C. E. (2017a). A experiência de segunda tela e o modelo de negócios suportado por publicidade: A sincronização de anúncios entre telas (o caso brasileiro de superstar). Intercom, 40(3), 129-150. doi: https://doi.org/10.1590/1809-5844201738

Palácios, M. (Org.). (2011). Ferramentas para Análise de Qualidade no Ciberjornalismo. Vol. I: Modelos. Covilhã, Portugal: UBI/ LabCom, Livros LabCom.

Pase, A. F.; PELLANDA, E. C.; CUNHA, M. R. (2019). Jornalismo em forma de App: a ruptura na hierarquia da informação. In: CANAVILHAS, J.; RODRIGUES, C.; GIACOMELLI, F. (org.). Narrativas jornalísticas para dispositivos móveis. Covilhã: Universidade da Beira Interior. (1). v. 1, p. 15–32. Poell, T.

Proulx, M., & Shepatin, S. (2012). Social TV: How marketers can reach and engage audiences by connecting television to the web, social media, and mobile. Hoboken, NJ: John Wiley & Sons. Savage, C. M. (1996). Fifth generation management. Boston, MA: Butterworth-Heinemann.

Tourinho, C. (2007). Jornalismo regional e optativo na Rede Globo: Programa Painel de Domingo. Vitória: Espaço Livros.

Verón, E. 2005.Construir el acontecimento. Barcelona: Gedisa.

Sites consultados:

https://ibge.gov.br/

https://kantaribopemedia.com/

https://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9610.htm

http://www.rpc.com.br/rpctv/

Downloads

Publicado

2024-05-02

Como Citar

A inteligência artificial e o conteúdo colaborativo no jornalismo em televisão: um análise da aplicação “Você na RPC”. (2024). Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 9(1). https://periodicos.unemat.br/index.php/ccs/article/view/12220

Artigos Semelhantes

1-10 de 124

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.