Leitkultur e Imigração Senegalesa no Cenário Comunicacional Pernambucano/ Brasil

Autores

  • Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.30681/rccs.v5i5.1567

Palavras-chave:

Leitkultur, Imigração, Senegal, Comunicação.

Resumo

Resumo:

Os movimentos e fluxos migratórios são dinâmicos e assumem especificidades em diferentes etapas e contextos históricos, podendo ser mais permanentes ou transitório. Múltiplos fatores vêm colaborando para impulsionar fluxos e ciclos migratórios em todo o mundo, tais como as guerras, os regimes ditatoriais, as crises econômicas, os desastres ambientais, as políticas de incentivo ou repressão às migrações por parte de Estados e governos. A intenção deste artigo é discutir determinadas questões teórico-práticas que emergem a partir de uma pesquisa em desenvolvimento, cujo objetivo principal é analisar a imigração senegalesa dentro do cenário comunicacional pernambucano sob a luz do conceito alemão de Leitkultur.

Palavras-Chave: Leitkultur; Imigração; Senegal; Comunicação.

 

Biografia do Autor

Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock, Universidade Federal de Pernambuco

Graduando em História pela Universidade Federal de Pernambuco, Graduado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, mestre em Jornalismo e Ciências Políticas pela Universitat Hamburg/Alemanha e Doutor em Comunicação Social pela Universitat Pompeu Fabra-Barcelona/Espanha. Pesquisador associado do Instituto de Estudos da África/UFPE. e-mail: mariano.hebenbrock@gmail.com.

Referências

ASSUNÇÃO MARTINHO TODDY, M. L. 2008. ‘Allah in Deutschland’: representações da comunidade islâmica na revista Der Spiegel. In: Comunicação Mídia e Consumo: comunicação e cidadania. Programa de Mestrado em Comunicação e Práticas do Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM),V.5, nº14, nov.2008. p.33-53.

BADE, J. K. 1996. Die Multikulturelle Herausforderung: Menschen über Grenzen – Grenzen über Menschen. München, Beck’sche Reihe.

BLANCO, C. 2006. Migraciones. Nuevas Movilidades en un Mundo en Movimientos. Barcelona: Antropos.

BRIGNOL DUTRA, L. 2011. Usos da internet rumo a uma cidadania comunicativa: um estudo sobre redes sociais de migrantes latino-americanos em Barcelona. In: MALAMUD, A.; FLÓREZ, F. C. (Org.). 2011. Migrações, Coesão Social e Governação: Perspectivas Euro-Latino-Americanas, Lisboa, ICS-Imprensa de Ciências Sociais.

CASTELLS, M. 2013. A Sociedade em Rede. Volume I, São Paulo, Paz & Terra.

_____________. 2009. Fim de Milênio: A era da Informação-Economia, Sociedade e Cultura. Volume III, São Paulo, Paz & Terra.

CLARO, M. 2011. El papel de las tecnologias de la información y las comunicaciones en la educación inclusiva. Comissão Econômica para América Latina (Cepal), 2011. Disponível em <http://www.eclac.cl/cgi-bin/getProd.asp?xml=/publicaciones/xml/4/45234/P45234.xml&xsl=/dds/tpl/p9f.xsl>. Acesso em: 10 de agosto de.2015.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL. 1988. <http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10730517/inciso-xv-do-artigo-5-da-constituicao-federal-de-1988>. Acesso em Julho de 2015.

EUROSTAT Statistics Explained. Migration and migrant population statistics.< http://ec.europa.eu/eurostat/statistics.explained/index.php/Migration_and_migrant_population_statistics> Acessado em Agosto de 2015.

GARCIA CANCLINI, N. 2003. Noticias recientes sobre la hibridación. Revista Transcultural de Música. Disponível em: <http://www.sibetrans.com/trans/trans7/conclini.htm>. Acessado em Julho de 2015.

HALL, S. 2003. Da Diáspora. Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizontes/Brasília: editora UFMG/UNESCO.

HEBENBROCK, J.M.; FIDELES, K. Recife Quilombo Urbano: Fluxo Afro-Transnacional Através das Redes Sociais. Revista Comunicação, Cultura e Sociedade. Mídia, movimentos sociais, espaço urbano e cidadania,UNEMAT, N.2 2014.

MALAMUD, A.; FLÓREZ, F. C. (Org.). 2011. Migrações, Coesão Social e Governação: Perspectivas Euro-Latino-Americanas, Lisboa, ICS-Imprensa de Ciências Sociais.

MARTIN-BARBEIRO, J. 2006. Tecnicidade, Identidade, Alteridade: mudanças e opacidades da comunicação no novo século. In: Sociedade Midiatizada, Org. Denis Moraes. Rio de Janeiro: Mauad, p. 51-79.

SAID, E.W. 2004. Orientalismo, Representações Ocidentais do Oriente, Lisboa: Livros Cotovia.

Prantl Von Von H. Leitkultur für alle. Sueddeutsche-Zeitung. 19.05.2010. http://www.sueddeutsche.de/politik/kommentar-leitkultur-fuer-alle-1.892834. Acesso em 09. Agosto de 2015.

SANTOS, B. S. 2007. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes, In: Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 78 Coimbra, p. 3-46.

SEN. A. 2006. Identity and Violence: The Ilusion of Destiny (Issues of Our Time). Londres/ Nova York: W.W. Norton.

STORZ, H.; REISSLANDT, C. 2002. Staatsbürgeschaft im Einwanderungsland Deutschland: Handbuch für die interkulturelle Praxis in der Sozialen Arbeit, im Bildungsbereich, im Stadtteil. Opladen, Leske + Budrich.

TIBI, B. 2002. Europa ohne Identität? Leitkultur oder Wertebeliebigkeit, München, Bertelsmann.

UNHCR. 2014. United Nations High Commissioner for Refugees: Boletim de refúgios no Brasil, uma análise estatística. Janeiro de 2010 a outubro de 2014. Agência da ONU para refugiados, Brasília.

VERÓN, E. 1980. A produção de sentido. São Paulo: Cultrix.

WOLF, M. 2003. Teorias das Comunicações de Massa, São Paulo. Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2015-11-27

Como Citar

Da Silva Hebenbrock, J. M. (2015). Leitkultur e Imigração Senegalesa no Cenário Comunicacional Pernambucano/ Brasil. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 3(1). https://doi.org/10.30681/rccs.v5i5.1567