Leitkultur e Imigração Senegalesa no Cenário Comunicacional Pernambucano/ Brasil

Autores

  • Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.30681/rccs.v5i5.1567

Palavras-chave:

Leitkultur, Imigração, Senegal, Comunicação.

Resumo

Resumo:

Os movimentos e fluxos migratórios são dinâmicos e assumem especificidades em diferentes etapas e contextos históricos, podendo ser mais permanentes ou transitório. Múltiplos fatores vêm colaborando para impulsionar fluxos e ciclos migratórios em todo o mundo, tais como as guerras, os regimes ditatoriais, as crises econômicas, os desastres ambientais, as políticas de incentivo ou repressão às migrações por parte de Estados e governos. A intenção deste artigo é discutir determinadas questões teórico-práticas que emergem a partir de uma pesquisa em desenvolvimento, cujo objetivo principal é analisar a imigração senegalesa dentro do cenário comunicacional pernambucano sob a luz do conceito alemão de Leitkultur.

Palavras-Chave: Leitkultur; Imigração; Senegal; Comunicação.

 

Downloads

Os dados de download ainda não estão disponíveis.

Biografia do Autor

  • Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock, Universidade Federal de Pernambuco
    Graduando em História pela Universidade Federal de Pernambuco, Graduado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, mestre em Jornalismo e Ciências Políticas pela Universitat Hamburg/Alemanha e Doutor em Comunicação Social pela Universitat Pompeu Fabra-Barcelona/Espanha. Pesquisador associado do Instituto de Estudos da África/UFPE. e-mail: mariano.hebenbrock@gmail.com.

Referências

ASSUNÇÃO MARTINHO TODDY, M. L. 2008. ‘Allah in Deutschland’: representações da comunidade islâmica na revista Der Spiegel. In: Comunicação Mídia e Consumo: comunicação e cidadania. Programa de Mestrado em Comunicação e Práticas do Consumo da Escola Superior de Propaganda e Marketing (ESPM),V.5, nº14, nov.2008. p.33-53.

BADE, J. K. 1996. Die Multikulturelle Herausforderung: Menschen über Grenzen – Grenzen über Menschen. München, Beck’sche Reihe.

BLANCO, C. 2006. Migraciones. Nuevas Movilidades en un Mundo en Movimientos. Barcelona: Antropos.

BRIGNOL DUTRA, L. 2011. Usos da internet rumo a uma cidadania comunicativa: um estudo sobre redes sociais de migrantes latino-americanos em Barcelona. In: MALAMUD, A.; FLÓREZ, F. C. (Org.). 2011. Migrações, Coesão Social e Governação: Perspectivas Euro-Latino-Americanas, Lisboa, ICS-Imprensa de Ciências Sociais.

CASTELLS, M. 2013. A Sociedade em Rede. Volume I, São Paulo, Paz & Terra.

_____________. 2009. Fim de Milênio: A era da Informação-Economia, Sociedade e Cultura. Volume III, São Paulo, Paz & Terra.

CLARO, M. 2011. El papel de las tecnologias de la información y las comunicaciones en la educación inclusiva. Comissão Econômica para América Latina (Cepal), 2011. Disponível em <http://www.eclac.cl/cgi-bin/getProd.asp?xml=/publicaciones/xml/4/45234/P45234.xml&xsl=/dds/tpl/p9f.xsl>. Acesso em: 10 de agosto de.2015.

CONSTITUIÇÃO FEDERAL DO BRASIL. 1988. <http://www.jusbrasil.com.br/topicos/10730517/inciso-xv-do-artigo-5-da-constituicao-federal-de-1988>. Acesso em Julho de 2015.

EUROSTAT Statistics Explained. Migration and migrant population statistics.< http://ec.europa.eu/eurostat/statistics.explained/index.php/Migration_and_migrant_population_statistics> Acessado em Agosto de 2015.

GARCIA CANCLINI, N. 2003. Noticias recientes sobre la hibridación. Revista Transcultural de Música. Disponível em: <http://www.sibetrans.com/trans/trans7/conclini.htm>. Acessado em Julho de 2015.

HALL, S. 2003. Da Diáspora. Identidades e Mediações Culturais. Belo Horizontes/Brasília: editora UFMG/UNESCO.

HEBENBROCK, J.M.; FIDELES, K. Recife Quilombo Urbano: Fluxo Afro-Transnacional Através das Redes Sociais. Revista Comunicação, Cultura e Sociedade. Mídia, movimentos sociais, espaço urbano e cidadania,UNEMAT, N.2 2014.

MALAMUD, A.; FLÓREZ, F. C. (Org.). 2011. Migrações, Coesão Social e Governação: Perspectivas Euro-Latino-Americanas, Lisboa, ICS-Imprensa de Ciências Sociais.

MARTIN-BARBEIRO, J. 2006. Tecnicidade, Identidade, Alteridade: mudanças e opacidades da comunicação no novo século. In: Sociedade Midiatizada, Org. Denis Moraes. Rio de Janeiro: Mauad, p. 51-79.

SAID, E.W. 2004. Orientalismo, Representações Ocidentais do Oriente, Lisboa: Livros Cotovia.

Prantl Von Von H. Leitkultur für alle. Sueddeutsche-Zeitung. 19.05.2010. http://www.sueddeutsche.de/politik/kommentar-leitkultur-fuer-alle-1.892834. Acesso em 09. Agosto de 2015.

SANTOS, B. S. 2007. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes, In: Revista Crítica de Ciências Sociais, nº 78 Coimbra, p. 3-46.

SEN. A. 2006. Identity and Violence: The Ilusion of Destiny (Issues of Our Time). Londres/ Nova York: W.W. Norton.

STORZ, H.; REISSLANDT, C. 2002. Staatsbürgeschaft im Einwanderungsland Deutschland: Handbuch für die interkulturelle Praxis in der Sozialen Arbeit, im Bildungsbereich, im Stadtteil. Opladen, Leske + Budrich.

TIBI, B. 2002. Europa ohne Identität? Leitkultur oder Wertebeliebigkeit, München, Bertelsmann.

UNHCR. 2014. United Nations High Commissioner for Refugees: Boletim de refúgios no Brasil, uma análise estatística. Janeiro de 2010 a outubro de 2014. Agência da ONU para refugiados, Brasília.

VERÓN, E. 1980. A produção de sentido. São Paulo: Cultrix.

WOLF, M. 2003. Teorias das Comunicações de Massa, São Paulo. Martins Fontes.

Downloads

Publicado

2015-11-27

Como Citar

Leitkultur e Imigração Senegalesa no Cenário Comunicacional Pernambucano/ Brasil. (2015). Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 3(1). https://doi.org/10.30681/rccs.v5i5.1567

Artigos Semelhantes

1-10 de 138

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.