POLÍTICAS PÚBLICAS E INDÚSTRIAS CRIATIVAS: O AUDIOVISUAL NO PORTO DIGITAL/PORTO MÍDIA

Autores

  • Juliano Domingues Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas
  • Cláudio Bezerra Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas
  • Tatiane Gonçalves Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas
  • Maria Lua Ribeiro Araújo Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas
  • Maria Eduarda A. Andrade Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).

DOI:

https://doi.org/10.30681/rccs.v9i1.3871

Palavras-chave:

Indústrias criativas, Políticas públicas, Audiovisual, Porto Digital, Porto Mídia.

Resumo

O presente artigo aborda o papel do Estado no fomento a políticas públicas de comunicação e cultura associadas a desenvolvimento territorial, sob a perspectiva das indústrias criativas. O trabalho foi guiado pelo seguinte problema de pesquisa: como surgem e se desenvolvem as indústrias criativas em Pernambuco, especialmente no campo do audiovisual? Resultado de políticas públicas, o Parque Tecnológico Porto Digital/Porto Mídia, instalado na cidade do Recife, Pernambuco, foi adotado como estudo de caso. A análise, baseada no método sequencial (method of sequence elaboration) e em pesquisa exploratória, confirmou a hipótese segundo a qual há uma associação entre iniciativas vinculadas ao Porto Digital/Porto Mídia e o fomento às indústrias criativas em Pernambuco, em especial ao setor audiovisual.

Biografia do Autor

Juliano Domingues, Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas

Juliano Mendonça Domingues da Silva é coordenador do Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). Foi pesquisador visitante Fulbright na Tulane University (EUA) e visiting scholar no Ray C. Bliss Institute of Applied Politics (EUA) a convite do Departamento de Estado dos EUA. Estudou, ainda, na UCLA Anderson School of Management (EUA). Jornalista pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e cientista social pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), é mestre e doutor em Ciência Política pela UFPE, com estágio de pós-doutorado em Comunicação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA). Em suas pesquisas, dedica-se à investigação sobre Mídia e Democracia. É diretor regional Nordeste da Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação (Intercom), instituição em que atuou como coordenador do Grupo de Pesquisa Políticas e Estratégias de Comunicação (2015-2018). Coordena, também, o Grupo Temático Sociedade da Informação e Políticas da Comunicação da Lusocom (Federação Lusófona de Ciências da da Comunicação), é vice-coordenador do Grupo de Trabalho Políticas de comunicação da Associação Brasileira de Pesquisadores em Comunicação e Política (COMPOLITICA) e vice-diretor científico da Associação Brasileira de Ensino de Jornalismo (Abej).

Cláudio Bezerra, Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas

Cláudio Bezerra é Jornalista pela Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) e doutor em Multimeios pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Possui também o título de mestre em Comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). É professor da Universidade Católica de Pernambuco, vinculado ao Centro de Ciências Sociais, onde leciona disciplinas na graduação de Jornalismo, no Mestrado Profissional em Indústrias Criativas e na Especialização em Estudos Cinematográficos da instituição, sendo o atual coordenador desta última. Desenvolve pesquisas nas áreas de Comunicação e Artes, tendo como principais temas/objetos de estudo o cinema documentário, a história e a estética audiovisual e o teatro. Como profissional, atua na área de produção audiovisual, com passagens pela TV e em produtoras independentes. Entre outros documentários, realizou: Onildo Almeida - Groove Man (2017); Tejucupapo, um filme sobre mulheres guerreiras (2002), melhor roteiro do Concurso Ary Severo e Firmo Neto (2000) e melhor curta do Festival do Audiovisual do Mercosul (2002), e Alexina - memórias de um exílio (2012), vencedor do VII Concurso de Roteiro para Documentários Rucker Vieira, promovido pela Fundaj em parceria com a TV Brasil. Publicou "A personagem no documentário de Eduardo Coutinho" (Papirus, 2014); "Tejucupapo - história, teatro, cinema" (Bagaço, 2004) e, em co-autoria, "O documentário em Pernambuco no século XX; (Fasa/MXM, 2016) ;Transgressão em 3 atos: nos abismos do Vivencial" (Fundação de Cultura Cidade do Recife, 2011).

Tatiane Gonçalves, Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas

Mestra em Comunicação pelo Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas da Universidade Católica de Pernambuco (PPGCriativas/(Unicap).

Maria Lua Ribeiro Araújo, Universidade Católica de Pernambuco, Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas

Mestranda do Programa de Pós-graduação em Indústrias Criativas da Universidade Católica de Pernambuco (PPGCriativas/(Unicap).

Maria Eduarda A. Andrade, Universidade Católica de Pernambuco (Unicap).

Graduanda em Jornalismo e bolsista de Iniciação Científica (Pibic/CNPq).

Referências

ANCINE – AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA. Emprego no setor audiovisual. Estudo Anual 2018a. Disponível em: <https://oca.ancine.gov.br/sites/default/files/repositorio/pdf/emprego_no_setor_audiovisual_0.pdf > Acesso em: 23/07/2018.

ANCINE – AGÊNCIA NACIONAL DO CINEMA (2018b). Listagem dos Filmes Brasileiros Lançados Comercialmente em Salas de Exibição 1995 a 2017. Disponível em: <https://oca.ancine.gov.br/sites/default/files/repositorio/pdf/2102.pdf > Acesso em: 10/11/2018.

UNCTAD. Creative economy report 2008: the challenge of assessing the creative economy: towards informed policy-making. New York, NY, 2008.

CAVALCANTI, Mayra. Voltado para economia criativa, Porto Mídia abre as portas no Recife Antigo. Mundo Bit, NE10, 13 ago. 2013. Disponível em: <http://blogs.ne10.uol.com.br/mundobit/2013/08/12/voltado-para-economia-criativa-porto-midia-abre-as-portas-no-recife-antigo/>. Acesso em: 13 jul. 2017.

ETZKOWITZ, Henry. Hélice tríplice. Porto Alegre, EdiPUCTS, 2009.

FIRJAN – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: FIRJAN, 2014. Disponível em: <http://www.firjan.com.br/firjan/empresas/competitividade-empresarial/industria-criativa/default.htm>. Acesso em: 26 nov. 2015.

FIRJAN – FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. Mapeamento da Indústria Criativa no Brasil. Rio de Janeiro: FIRJAN, 2016. Disponível em: <http://www.firjan.com.br/economiacriativa/download/mapeamento-industria-criativa-sistema-firjan-2016.pdf> Acesso em 02/05/2017.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Edições Loyola, 2003.

JAMBEIRO, Othon; FERREIRA, Fábio. Indústrias criativas. Um novo catalisador conceitual para a regulaçãoo da mídia?. Revista Eptic. Vol. 17, no. 2, maio-agosto, 2015.

MAHONEY, James; KIMBALL, Erin; KOIVU, Kendra. The Logic of Historical Explanation in the Social Sciences, Comparative Political Studies, 42:1, jan. 2009, pp. 114-146.

MARQUES, Eduardo Cesar Leão. As políticas públicas na Ciência Política. In: MARQUES, Eduardo Cesar Leão; FARIA, Carlos Aurélio Pimenta de (Org.). A política pública como campo multidisciplinar. São Paulo: Editora Unesp; Rio de Janeiro: Editora Fiocruz/CEM, 2013.

MARTELL, Frédéric. Smart: o que você não sabe sobre a internet. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2015.

MATTOS, Paulo; PRADO, Mariana Mota; ROCHA, Jean Paul Cabral Veiga da; COUTINHO, Diogo R.; OLIVA, Rafael (org.). Regulação econômica e democracia: o debate norte-americano. São Paulo: Editora 34, 2004.

MOTA, Renato. Tecnologia que recuperou o bairro do recife. JC Online, 2015. Disponível em: < http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/economia/pernambuco/noticia/2015/11/23/tecnologia-que-recuperou-o-bairro-do-recife-209067.php>. Acesso em 13 de jul. 2017.

RECIFE. Lei municipal nº 17.244/2006. Institui o programa de incentivo ao Porto Digital mediante a concessão de benefícios fiscais condicionados. Sistema de Leis Municipais. Recife, 27 de julho de 2006. Disponível em: <https://leismunicipais.com.br/a1/pe/r/recife/decreto/2006/2245/22449/decreto-n-22449-2006-regulamenta-a-lei-n-17244-de-27-de-julho-de-2006>. Acesso em 03 mai. 2017.

RECIFE. Lei Municipal nº 17.762/2011. Introduz alterações nas Leis Municipais nº 17.244/2006 e nº 17.237/2006. Recife, 28 de Dezembro de 2011. Sistema de Leis Municipais. Disponível em: <https://leismunicipais.com.br/a/pe/r/recife/lei-ordinaria/2011/1776/17762/lei-ordinaria-n-17762-2011-introduz-alteracoes-nas-leis-municipais-n-17244-2006-e-n-17-237-2006>. Acesso em: 03 mai. 2017.

RELATÓRIO GERENCIAL 2011 – Porto Digital. Disponível em < http://portodigital.org/arqSite/Relatorio_Gerencial_Contrato_de_Gestao_2011_SECTEC.pdf>. Acesso em: 17 de abril. 2017

SOUZA, Celina. Políticas públicas: uma revisão da literatura. Sociologias. Porto Alegre, ano 8, n. 16, jul/dez 2006, pp. 20-45.

VERGARA, Sylvia C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 1997.

Downloads

Publicado

2019-09-10

Como Citar

Domingues, J., Bezerra, C., Gonçalves, T., Ribeiro Araújo, M. L., & A. Andrade, M. E. (2019). POLÍTICAS PÚBLICAS E INDÚSTRIAS CRIATIVAS: O AUDIOVISUAL NO PORTO DIGITAL/PORTO MÍDIA. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 6(1), 114–133. https://doi.org/10.30681/rccs.v9i1.3871