Conservadorismo político: Migração venezuelana e senegalesa como vítimas de Aporofobia no Brasil

Autores

  • Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.30681/rccs.v7i2.5467

Palavras-chave:

Imigração Internacional, Aporofobia, Conservadorismo Político, Racismo.

Resumo

Podemos afirmar que “Aporofobia”, como neologismo é algo recente, porém como fenômeno de sociedades capitalistas pós-moderna, nomeando uma realidade nefasta, é bastante antigo. Neste artigo, buscou-se, através de textos jornalíticos, entrevistas, bases bibliográficas, dados de organizações nacionais e internacionais, esclarecer atitudes racistas e aporofóbicas, tendo os migrantes venezuelanos e senegaleses como vítimas. Também fora mostrado como o conservadorismo político tem prestado um desserviço a vários grupos sociais. Na consideração final, comprovou-se que o desprezo pelo imigrante/pobre/negro/índio está na base de nossa formação como sociedade e que várias organizações governamentais e não-governamentais continuam lutando para amenizar este Gap secular.

Biografia do Autor

Josuel Mariano Da Silva Hebenbrock, Universidade Federal de Pernambuco

Graduando em História pela Universidade Federal de Pernambuco, Graduado em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco, mestre em Jornalismo e Ciências Políticas pela Universitat Hamburg/Alemanha e Doutor em Comunicação Social pela Universitat Pompeu Fabra-Barcelona/Espanha. Pesquisador associado do Instituto de Estudos da África/UFPE. e-mail: mariano.hebenbrock@gmail.com.

Referências

BITTLINGMAYER, Uwe. Transformation der Notwendigkeit: prekarisierte habitusformen als Kehrseite der ‘Wissensgesellschaft’”, pp. 225-254, in: Theorie als Kampf? Zur politischen Soziologie Pierre Bourdieus. EICKELPASCH, Rolf et alli (orgs.), Opladen, Leske und Budrich, 2002.

BOLETIM Proealc. Centro de Ciências Sociais/CCS. Out-Nov-Dez, N°.81, 2018. http://www.proealc.uerj.br/Boletins/documentos/BoletimPROEALC81.pdf. Acesso em: 02.06.2020.

CORTINA, Adela. Aporofobia, el rechazo al pobre. Un desafio para la democracia. Quaderns de Filosofia Vol. IV, Núm. 2 Barcelona: Paidós, 103-108. 2017.

DA FROTA SIMOES, Gustavo. Venezuelanos em Roraima: Características e Perfis da Migração Venezuelana para o Brasil. https://www.kas.de/c/document_library/get_file?uuid=fa9065e2-c184-5655-0c04-1381156aca09&groupId=265553. Acesso em 20.06.2020.

DE SOUSA SANTOS, Boaventura. Para além do Pensamento Abissal. Das linhas globais a uma ecologia de saberes. Novos Estudos. CEBRAP no.79.São Paulo Nov. 2007. https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002007000300004. Acesso em: 07.06.2020.

ESTRADA CARVALHAIS, Isabel. A União Europeia e o “Outro” – Tensões e Compromisso de lógica subjacente à sua gestão da imigração de países terceiros. E-cadernos CES, 10/ 2020. Debates Contemporâneos: Jovens Cientistas Sociais no CES.

FERNANDES, Florestan. A integração do negro na sociedade de classes, vol. I, Ed. Ática. 1978.

HEBENBROCK Mariano. Imigração Venezuelana no Brasil: Xenofobia e Racismo como Pano de Fundo. https://www.coletiva.org/artigo-mariano-hebenbrock. 11 de dezembro de 2018.

_________________. Leitkultur e Imigração Senegalesa no Cenário Comunicacional Pernambucano/Brasil. Revista Comunicação, Cultura e Sociedade. n.05, vol. 5, ed.-Dez 2015-Dez 2016, ano 2015-16.

_________________; FIDELES, Kywza. Recife Quilombo Urbano: Fluxo Afro-Transnacional através das Redes Sociais. Revista Comunicação, Cultura e Sociedade. n.03, vol. 3, ed. Jan-Ago, ano 2014.

HONNETH, Axel. Kampf um Annerkenung, Frankfurt, Suhrkamp. 2003.

IOM un Migration- International Organization for Migration. World Migration Report 2020 https://publications.iom.int/system/files/pdf/wmr_2020.pdf. Website: www.iom.int. Geneva / Switzerland. Acesso em: 21.06.2020.

KANAAM, C; TÁSSIO, M; SIDMAR, T. As ações do Exército Brasileiro na ajuda humanitária aos imigrantes venezuelanos. Coletânea Migrações Venezuelanas. Coordenação Rosana Baeninger; João Carlos Jarochinski Silva. UNICAMP, P. 68-71. 2018.

KRECKEL, Reinhardt. Politische Soziologie der sozialen Ungleichheit, Frankfurt, Campus, 1992, pp. 67-106.

MENDES FELÍCIO, Luís Felipe. The Daesh and the Refugee Crisis in Syria and Governmental Xenophobia in Europe. Espaço Aberto, PPGG-UFRJ, Rio de Janeiro, V.8, N.2, p. 77-92, 2018.

SOUZA, Jessé. A Construção Social da Subcidadania: Para uma Sociologia Política da Modernidade Periférica, Ed. UFMG, 2003.

UNHCR- ACNUR – Agencia da ONU para refugiados. A economia de Roraima e o fluxo venezuelano [recurso eletrônico]: evidências e subsídios para políticas públicas / FGV. Diretoria de Análise de Políticas Públicas.-Rio de Janeiro: FGVDAPP, 2020. https://www.acnur.org/portugues/wp-content/uploads/2020/01/Economia-de-Roraima-e-o-Fluxo-Venezuelano-_-30-01-2020-v2.pdf. Acesso em: 07.06.2020.

Downloads

Publicado

03/06/2021

Como Citar

Da Silva Hebenbrock, J. M. (2021). Conservadorismo político: Migração venezuelana e senegalesa como vítimas de Aporofobia no Brasil. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 7(2), 163–182. https://doi.org/10.30681/rccs.v7i2.5467