“TEM OUVINTE DIZENDO”:

critérios de acionamento e concessão de voz no radiojornalismo

Autores

Palavras-chave:

Radiojornalismo, Narrativa jornalística, Participação do ouvinte

Resumo

O artigo apresenta resultados da pesquisa de doutorado “O lugar do ouvinte nas narrativas radiofônicas: concessão de voz e critérios de acionamento dos ouvintes-enunciadores” (QUADROS, 2018). Ancorada teórica e metodologicamente na Análise Crítica da Narrativa (MOTTA, 2007; 2013b), a pesquisa analisou cinco narrativas radiofônicas com temáticas distintas configuradas no programa Gaúcha Atualidade, da Rádio Gaúcha, veiculadas entre julho e setembro de 2016. O estudo identificou sete principais critérios responsáveis pelo acionamento e concessão de voz aos ouvintes. Concluiu, ainda, que a participação do ouvinte no radiojornalismo em tempo real, além de ser controlada pelo veículo e seus profissionais, tem caráter instrumental, à medida que atende a determinados propósitos do projeto dramático proposto para cada narrativa.

Biografia do Autor

Mirian Redin de Quadros, Universidade Federal de Santa Maria

Professora adjunta do Departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) campus Frederico Westphalen (RS). Doutora e Mestre em Comunicação Midiática pela Universidade Federal de Santa Maria. Graduada em Comunicação Social - habilitação Jornalismo pela Universidade Regional do Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (UNIJUÍ).

Referências

BRECHT, Bertolt. Teoria do rádio (1927-1932). In: MEDITSCH, Eduardo (Org.). Teorias do rádio: textos e contextos. Florianópolis: Insular, 2005. p. 35-45. V. 1.

CEBRIÁN HERREROS, Mariano. Modelos de radio, desarrollos e innovaciones: del diálogo y participación a la interactividad. Madrid: Editorial Fragua, 2007.

CHAPARRO, Manuel Carlos. Fonte, sujeito jornalístico nos novos cenários da notícia. In: BIANCO, Nelia Del; SANTOS, Marli (Org.). Manuel Carlos Chaparro: 70 anos na estrada do texto. São Paulo: Intercom, 2014. p. 74-83.

CHARAUDEAU, Patrick. Discurso das mídias. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2013

EXCLUSIVO: 104 FM acirra disputa pela liderança no FM da Grande Porto Alegre. Tudo Rádio. 2017. Disponível em: <https://tudoradio.com/noticias/ver/17822-exclusivo-104-fm-acirra-disputa-pela-lideranca-no-fm-da-grande-porto-alegre>. Acesso em: 5 nov. 2017.

GONÇALVES, Jurandira Fonseca. Quem fala no jornalismo? In: LEAL, Bruno Souza; ANTUNES, Elton; VAZ, Paulo Bernardo (Org.). Para entender o jornalismo. Belo Horizonte: Autêntica, 2014. p. 89-101.

HERRERA DAMAS, Suzana. Tipología de la participación de los oyentes en los programas de radio. Anàlisi: Quaderns de comunicació i cultura, n. 30, p. 145-166, 2003.

LAGE, Nilson. A reportagem: teoria e técnica de entrevista e pesquisa jornalística. 9. ed. Rio de Janeiro: Ed. Record, 2011.

LEAL, Bruno Souza.O jornalismo à luz das narrativas: deslocamentos. In: LEAL, Bruno Souza; CARVALHO, Carlos Alberto (Org.). Narrativas e poéticas midiáticas: estudos e perspectivas. São Paulo: Intermeios, 2013. p. 25-48.

LOPEZ, Debora Cristina. Radiojornalismo hipermidiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all news brasileiro em um contexto de convergência tecnológica. Covilhã, Portugal: LabCom, 2010. Disponível em: <http://www.livroslabcom.ubi.pt/pdfs/20110415-debora_lopez_radiojornalismo.pdf>.

LOPEZ, Debora Cristina et al. Audiência radiofônica: a construção de um conceito a partir da metamorfose do meio. Ação Midiática, v. 10, p. 182-198, jul./dez. 2015.

MACHADO, Márcia Benetti. Jornalismo e perspectivas de enunciação: uma abordagem metodológica. Intexto, v. 1, n. 14, p. 1-11, jan./jun. 2006. Disponível em: <http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/26572/000547648.pdf?sequence=1>. Acesso em: 30 jun. 2014.

MARTÍNEZ-COSTA, María del Pilar; DÍEZ UNZUETA, José Ramón. Lenguaje, géneros y programas de radio: introducción a la narrativa radiofónica. Pamplona: Eunsa, 2005.

MASIP, Pere et al. Audiencias activas y periodismo? Ciudadanos implicados o consumidores motivados? Brazilian Journalism Research, v. 11, n. 1, p. 240-261, 2015.

MOTTA, Luiz Gonzaga. Análise pragmática da narrativa jornalística. In: LAGO, Cláudia; BENETTI, Marcia (Org.). Metodologia de pesquisa em jornalismo. 3. ed. Petrópolis: Ed. Vozes, 2007, p. 143-167.

______. Mediação + Representação: matriz conceitual e operacional para análise dos conflitos de poder no jornalismo. In: ENCONTRO ANUAL DA COMPÓS, 22., 2013a, Salvador. Anais... Salvador: UFBA; Compós, 2013a.

______. Análise crítica da narrativa. Brasília: Ed. UnB, 2013b.

QUADROS, Mirian Redin de. O lugar do ouvinte nas narrativas radiofônicas: concessão de voz e critérios de acionamento dos ouvintes-enunciadores. 2018. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação Midiática, Faculdade de Comunicação Social, UFSM, Santa Maria, 2018.

______.; AMARAL, Marcia Franz. O lugar do ouvinte nas narrativas jornalísticas radiofônicas: o projeto dramático como critério de acionamento e concessão de voz. Rádio-Leituras, v. 10, p. 119-137, 2019.

SCHMITZ, Aldo Antônio. Fontes de notícias: ações e estratégias das fontes no jornalismo. Florianópolis: Combook, 2011.

TUCHMAN, Gaye. Contando “estórias”. In: TRAQUINA, Nelson (Org.). Jornalismo: questões, teorias e “estórias”. 2. ed. Lisboa: Vega, 1999. p. 258-277.

Downloads

Publicado

08/09/2022

Como Citar

Quadros, M. R. de. (2022). “TEM OUVINTE DIZENDO”:: critérios de acionamento e concessão de voz no radiojornalismo. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 8(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ccs/article/view/5733