Recife Quilombo Urbano: Fluxo Afro-Transnacional Através das Redes Sociais

Autores

  • Josué Mariano Hebenbrock Centro Universitário Vale do Ipojuca/UNIFAVIP-DeVry Universitat Pompeu Fabra/Barcelona – UPF/Espanha
  • Kywza FIDELES Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

DOI:

https://doi.org/10.30681/rccs.v3i3.62

Palavras-chave:

Recife, Redes Sociais, Imigração, Afro – Transnacionalização, Self Communication.

Resumo

A Afro-Transnacionalização na cidade do Recife vem acontecendo desde 2011. Tudo isso devido o Brasil ter assinado em 2009 a „Lei de Anistia?. O texto objetiva apresentar a comunidade senegalesa da cidade do Recife dentro de um novo fluxo transnacional fazendo parte de um pré-projeto de pós-graduação (pós-doutoral). O artigo contou com uma base teórica de comunicólogos e sociólogos como: Deleuze e Guattari (1994), Haesbaert (2006), Castells (2009) e McLuhan (2002), os quais elucidaram conceitos como: reterritorialidade, desterritorialidade, Sellf Communication e Transnacionalismo. O texto foi trabalhando com entrevistas e uma revisão bibliográfica, trazendo como resultado um trabalho que mostra o Recife longe de ser uma cidade considerada multicultural em virtude de suas diversidades, étnicas, religiosa e social, mas sim um Quilombo Urbano, onde os negros oriundos da África na atualidade ainda são vistos como pobres, feios, diaspóricos e miseráveis.

Biografia do Autor

Josué Mariano Hebenbrock, Centro Universitário Vale do Ipojuca/UNIFAVIP-DeVry Universitat Pompeu Fabra/Barcelona – UPF/Espanha

Doutor em Comunicação Política pela Universitat Pompeu Fabra/Barcelona – UPF/Espanha e Professor do Curso de Comunicação Social com habilitação em Jornalismo e Publicidade e Propaganda do Centro Universitário Vale do Ipojuca/UNIFAVIP-DeVry.

Kywza FIDELES, Universidade Federal de Pernambuco - UFPE

Doutora em Comunicação pelo PPGCOM-UFPE.

Referências

AFRODESCENDENTES- Coleção Atlas do Estudante. Editora Didática Paulista, São Paulo, 2006.

BASTIDE, Roger. Variations sur la Négritude. In: Présence africaine. Paris: (36): 7- 17, jan.- mar., 1961.

CASTELLS, Manuel. Comunicación y poder. Madrid: Alianza. 2009.

CASTELNAU, Francis de. Renseignement sur l’Afrique Central et sur Une Nation d’Hommes à qujeu qui s’y Trouverait. D’après le Rapport de Nègres du Soudan, Esclaves à Bahia. Paris, P. Bertrand Librairie-Editeur, 1851.

DELEUZE, Giles; GUATTARI, Feliz. Mil Platôs: Capitalismo e esquizofrenia. V.5 Rio de Janeiro. Editora 34, 1997.

FERREIRA. Lígia F. “Negritude”, “Negridade”, “Negrícia”: história e sentidos de três conceitos viajantes. Disponível em http://www.letras.ufmg.br/literafro/data1/artigos/Negritude.pdf. Acesso em nov de 2012.

. n.03, vol. 3, ed.Jan-Ago , ano 2014

A

FREITAS, Sônia Maria de. O café e a imigração (coleção Que História é essa?), São Paulo, Saraiva, 2010.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo, Atlas 1999.

GUILLEN, Isabel Cristina Martins. Ancestralidade e oralidade nos movimentos negros de Pernambuco. Natal: Anais da ANPUH, 2013. Disponível em: http://www.snh2013.anpuh.org/resources/anais/27/1364666404_ARQUIVO_Ancestrali dadeeoralidadeanpuh.pdf. Acesso em 05 de julho de 2014.

GUILLEN, Isabel Cristina Martins; e LIMA, Ivaldo Marciano de Freitas. História e memória da negritude pernambucana em ritmos, cores e gestos: 1970-1990. In Revista Territórios e Fronteiras, Cuiabá, v. 5, n 2, jul-dez 2012, p. 262-274. Disponível em: http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/article/view/151. Acesso em 04 de jul. 2014.

GUIMARÃES, Antônio Sérgio. Racismo e anti-racismo no Brasil. São Paulo: FUSP; Ed. 34, 1999.

HAESBAERT, Rogério. O mito da desterritorialização: do Fim dos Territórios à Multiterritorialidade. 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

HALL, Stuart. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

_______. Raça, o significante flutuante. ZCultural, Ano VIII, 02. Trad. Liv Sovik. Disponível em: http://revistazcultural.pacc.ufrj.br/raca-o-significante- flutuante%EF%80%AA/. Acesso em 05 de mai. 2013.

HUGUES, Thomas Patrick. Lexikon des Islam, Fourier Verlag GmbH, Wiesbaden, 1995.

LIMA, Cláudia de A.R. Heranças mulçumanas no nagô de pernambuco: construindo mitos fundadores da religião de matriz africana noBrasil. Revista Brasileira de História das Religiões, Ano I, n. 3, Jan 2009.

MELLO NETO, José Antônio Gonsalves de. População negra e cultos africanos. Arrcifes. Diário de Pernambuco. Recife, n. 6, 1992.

MENDES, Maria Manuel Ferreira. Imigração, Identidades e Discriminação: imigrantes russos e ucranianos na área metropolitana de Lisboa. Lisboa, ICS-Imprensa de Ciências Sociais, 2010.

MENDONÇA, Antonio Gouvêa; e VELASQUES FILHO, Prócoro. Introdução ao Protestantismo no Brasil. São Paulo, Loyola, 2002.LIDI

. n.03, vol. 3, ed.Jan-Ago , ano 2014

A

McCOMBS, Maxwell; SHAW, Donald L. The Agenda-Setting Function of Mass Media. In: Public Opnion Quartely, Vol. 36, spring, 1972.

MARTELETO, Regina Maria. Análise de redes sociais: aplicação nos estudos de transferência da informação. Ciência da Informação, Brasília, v. 30, n. 1, p. 71-81, jan./abr. 2001.

__________. Redes e configurações de comunicação e informação: construindo um modelo interpretativo de análise para o estudo da questão do conhecimento na sociedade. Investigación Bibliotecológica, México, v. 14, n. 29, p. 69-94, jul./dic. 2000.

MARSHALL, Mcluhan. Os Meios de Comunicação como extensões do homem: understanding media. Trad. Décio Pignatari, Ed Cultrix, São Paulo, 2002.

MUNANGA, Kabengele. Negritude: usos e sentidos. São Paulo: Ática, 1988.

PEREIRA, Nathalia, In: Jornal Commercio, 11 de janeiro de 2014. Senegal na Terra dos Mascates. http://jconline.ne10.uol.com.br/canal/cidades/geral/noticia/2013/01/11/senegal- na-terra-dos-mascates-69591.php. Acesso em 27 jun. 2014.

RANDOLPH, Rainer. Sociedade em rede: paraiso ou pesadelo? Revista GEOgrafia – ano 1, n° 2, Departamento de Geografia, Niterói, 1999.

RIBEIRO, Lidice Meyer Pinto. Negros Islâmicos no Brasil: Escravocratas. Revista USP, São Paulo, n.91, p. 139-152, setembro/novembro 2011.

REICHERT, Rolf. Os Documentos Árabes do Arquivo do Estado da Bahia. Rio de Janeiro: Olímpica, 1970.

RODRIGUES, Catarina. Redes Sociais e Práticas que se impõem ao jornalismo. Libro Nuevos Medios, Nuevas Comunicación. WWW.comunicación3puntos0.com.2010. Acesso em 25 jun. 2014.

SAID, Edward. 1997. Convering Islam. New York, Vintage Books.

SALES JR., Ronaldo. Democracia Racial: o dito e o não-dito racista. In: Tempo Social, vol 18, nº.2, Nov., 2006. Disponível em: <http://www.fflch.usp.br/sociologia/temposocial/pdf/vol1 8n2/v18n2a11.pdf>. Acesso em 30 jun. 2014.

SALES JR., Ronaldo R. Políticas de Ancestralidade: negritude e africanidade na esfera pública. In: CAOS – Revista Eletrônica de Ciências Sociais, n 14, Setembro de 2009, pp. 199-133.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para além do pensamento abissal: das linhas globais a uma ecologia de saberes, in: Revista Critica de Ciências Sociais, n. 78, Coimbra, p.3- 46, 2007.

. n.03, vol. 3, ed.Jan-Ago , ano 2014

A

SPIVAK, Gayatri. Resident Alien, in: GOLDBERG, D.T e QUAYSON, A (eds.) Relocating Postcolonialism. Oxford: Blackwell Publishers, p. 47-65, 2002.

STONE, Bizz, Co-fundador do Twitter em entrevista ao jornal La Nación, 25 de Abril de 2010, disponível em: http://www.lanacion.com.ar/nota.asp?nota_id=1257552. Acesso em: 28 de junho de 2014.

TEDESCO, João Carlos; GRZYBOVSKI, Denize. Senegaleses no norte do Rio Grande do Sul: integração cultural, trabalho e dinâmica migratória internacional. In: REP – Revista Espaço Pedagógico, v. 18, n.2, Passo Fundo, p.336-355, jul/dez. 2011.

TOLDY, Teresa Maria Leal de Assunção Martinho. Allah in Deutschland? Representações da comunidade islâmica na revista Der Spiegel. In: Comunicação Mídia e Consumo-ESPM, São Paulo, v. 5, n. 14, p.33-53, Nov. 2008.

VALENTE, Waldemar. Islamismo em Pernambuco: aspectos da etnografia religiosa afro-brasileira no Nordeste. Recife: do autor, 1957.

ENTREVISTADOSxi:

BAMBA, Recife, 18 de junho de 2014. ABDULAHN, Recife, 21 de junho de 2014. IMÃ, Recife, 21 de junho de 2014.

Downloads

Publicado

2014-09-19

Como Citar

Hebenbrock, J. M., & FIDELES, K. (2014). Recife Quilombo Urbano: Fluxo Afro-Transnacional Através das Redes Sociais. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 2(1). https://doi.org/10.30681/rccs.v3i3.62