Representação da “Viúva Negra” de Vilhena-RO:

Caso Vânia nos comentários do Portal G1

Autores

Palavras-chave:

Representação da mulher, Objetificação sexual, Interação, Patriarcado, Jornalismo digital

Resumo

Vânia Rocha matou o ex-namorado com trezes facadas durante uma relação sexual, em 2015. Esse é um dos casos de maior repercussão nacional do estado de Rondônia por causa da cobertura do portal G1, com o assassinato cometido por uma mulher. O corpus desta pesquisa compreende três matérias e um total de 2.288 comentários. A seleção se baseou na ordem cronológica e na importância da produção para a compreensão do caso, concluindo-se que as matérias do G1 a representaram de maneira depreciativa e negativa. Por causa da condição mulher da assassina, em uma análise quanti e qualitativa, percebe-se que os consumidores desviaram o foco do tema das matérias para objetificar sexualmente a jovem, ressaltando sua beleza, considerando-a louca e criticando o feminismo, que teria sido responsável pelo seu ato desviante.

Biografia do Autor

Allysson Viana Martins, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Professor de Jornalismo e coordenador do MíDI - Grupo de Pesquisa em Mídias Digitais e Internet na Universidade Federal de Rondônia (UNIR). Doutor em Comunicação e Cultura Contemporâneas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA).

Quennia Mendes, Universidade Federal de Rondônia (UNIR)

Jornalista pela Universidade Federal de Rondônia (UNIR).

Referências

ALCÂNTARA, Patrícia; PEIXOTO, Camila; SILVA, Adriana. As relações patriarcais de gênero na família: influência da mídia televisiva. Holos, IFRN, Brasil, n°33, v.07, 2017 p 270-277.

BARBOSA, Suzana. Modelo Jornalismo Digital em Base de Dados (JDBD) em interação com a convergência jornalística. Revista Textual & Visual Media de la Sociedad Española

de Periodística, v. 1, Madrid, 2008, p.87-106.

BARRETO, Maria. Patriarcalismo e o feminismo: uma retrospectiva histórica. Revista Àrtemis, UFPB, v.18, Brasil, 2004, p. 64-73.

BERTOCCHI, Daniela. A narrativa jornalística no ciberespaço: transformações conceitos e questões. Dissertação. (Mestrado em Informação e Jornalismo.) Universidade do Minho, Portugal, 2006.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Tradução Maria Helena Kühner. 3ª ed., Riode Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

COSTA, Ana. As donas no poder. Mulher e politica na Bahia. Salvador: Assembleia Legislativa da Bahia. 1998.

COUTINHO, Lorena. Criminologia feminina e a mídia: o caso Suzane Louise Von Richthofen nos jornais Folha de São Paulo e Correio Braziliense. 47f. Trabalho de conclusão de Curso – Centro Universitário de Brasília, Brasília, 2008.

DRUMONT, Mary. Elementos para uma análise do machismo. Perspectivas, São Paulo, v. 3, p. 81-85, 1980.

ENGELS, Friedrich. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. Tradução de Leandro Konder. 17ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2007.

FERREIRA, Giovandro; MOURA, Clarissa. O discurso da imprensa entre constrangimentos e estratégias: a cobertura da violência contra a mulher em dois jornais de Salvador-Ba (Correio* E Massa!). In: XXXV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2012, Fortaleza. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação. São Paulo: Intercom, 2012.

GIFFIN, Karen. Nosso corpo nos pertence: a dialética do biológico e do social. Cadernos de Saúde Pública,1991, v.7, p.190-200.

GINDRI, Eduarda. A representação da mulher criminosa na revista Veja. Revista de Direito Brasileira, v. 15, São Paulo, 2016. p. 270 – 294.

GUERRA, Eliana; MARQUES, Maria. Violência contra a mulher no espaço midiático brasileiro. Temporalis, v17, Brasil, 2017, p.167-192.

MARTINS, Allysson. Guerras de memórias e os 50 anos do golpe de 1964: midiatização do passado em especiais do jornalismo digital. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura Contemporâneas). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2017.

MIELNICZUK, Luciana. Jornalismo na web: uma contribuição para o estudo do formato da notícia na escrita hipertextual. Tese (Doutorado em Comunicação e Cultura). Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2003.

MOURA, Clarissa. Um emissor e dois enunciadores: A violência contra a mulher nas páginas de Massa! e A tarde. Dissertação (Mestrado Comunicação e Culturas Contemporâneas). Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia, Salvador, 2014.

PRIMO, Alex. Interação mediada por computador: a comunicação e a educação a distância segundo uma perspectiva sistêmico-relacional. Tese (Doutorado em informática na educação) Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Rio Grande do Sul, 2003.

ROST, Alejandro. Interatividade: definições, estudos e tendências. In: CANAVILHAS, João. Webjornalismo: 7 caraterísticas que marcam a diferença. Covilhã, Portugal: Livros Labcom, 2014, p. 27-54.

SAFFIOTTI, Heleieth. O poder do macho. 3 ed. São Paulo: Moderna, 1987.

SAFFIOTI, Heleieth. Contribuições feministas para o estudo da violência de gênero. Cadernos Pagu, v16, Brasil, 2001. p.115-136.

SALAVERRÍA, Ramón. Multimedialidade: informar para cinco sentidos. In: CANAVILHAS, João. Webjornalismo: 7 caraterísticas que marcam a diferença. Covilhã, Portugal: Livros Labcom, 2014, p. 89-110.

TELES, Maria. Breve história do feminismo no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1999.

Downloads

Publicado

08/09/2022

Como Citar

Viana Martins, A., & Mendes, Q. (2022). Representação da “Viúva Negra” de Vilhena-RO:: Caso Vânia nos comentários do Portal G1. Revista Comunicação, Cultura E Sociedade, 8(1). Recuperado de https://periodicos.unemat.br/index.php/ccs/article/view/6204