Fatores de risco para o desenvolvimento da linguagem: atitudes dos profissionais da saúde e educação / Risk factors for language development: attitudes of health and education professionals / Factores de riesgo para el desarrollo del lenguaje...

Ana Carulina Spinardi Panes, Camila de Castro Corrêa, Silke Anna Theresa Weber, Luciana Paula Maximino

Resumo


Objetivo: verificar as atitudes de profissionais das áreas da saúde e educação frente a crianças com risco para desenvolver alterações de linguagem ou que já apresentam indícios dessas alterações. Método: este estudo foi observacional transversal, ocorrendo em 2015, vinculado ao Departamento de Fonoaudiologia de uma Universidade pública. Foi elaborado um questionário para verificar o conhecimento sobre fatores de risco para alterações de linguagem, bem como as práticas adotadas diante de indícios de alterações de Linguagem. As respostas dos questionários foram tabuladas no Microsoft® Excel®, sendo analisadas de modo descritivo. Resultados: 187 profissionais participaram do estudo, profissionais de saúde e professores do ensino infantil e fundamental. Ao receberem queixas dos pais em relação a linguagem do filho(a), 55,7% dos profissionais encaminham a criança para um fonoaudiólogo. Quanto aos fatores de risco, a pouca estimulação de fala foi o mais citado, identificado por meio de perguntas aos pais (75,4%). Conclusão: os profissionais quando identificam fatores de risco para o desenvolvimento da linguagem, realizaram por meio de perguntas aos pais, encaminhando a fonoaudiologia, mas ocorre que nem todas as localidades possuem especialistas na área, o que pode trazer impacto negativos para o acolhimento dessa clientela.


Palavras-chave


Fatores de Risco; Linguagem Infantil; Transtornos do Desenvolvimento da Linguagem

Texto completo:

PDF

Referências


Ministério da saúde (BR). Saúde da criança: acompanhamento do crescimento e desenvolvimento infantil. Brasília, 2002. 100p. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

Graminha SSVG, Martins MA. O. Condições adversas na vida de crianças com atraso no desenvolvimento. Medicina (Ribeirão Preto). 1997; 30(2):259-67.

Bradley H, Corwyn RF. Socioeconomic status and child development. Annu Rev Psychol. 2002; 53:371-99.

Prelock PA, Hutchins T, Glascoe FP. Speech-Language impairment: how to identify the most common and least diagnosed disability of childhood. Medscape J Med. 2008; 6(10):136.

Maximino LP, Ferreira MV, Oliveira DT, Lamônica DAC, Feniman MR, Spinardi ACP, et al. Knowledge, attitudes and practices of pediatricians regarding the development of oral communication. Rev CEFAC. 2009; 11(supl. 2):267-73.

Harrison LJ, McLeod S. Risk and protective factors associated with speech and language impairment in a nationally representative sample of 4- to 5-year-old children. J Speech Lang Hear Res. 2010; 53(2):508-29.

Crestani AH, Oliveira LD, Vendruscolo JF, Ramos-Souza AP. Specific language impairment: the relevance of the initial diagnosis. Rev Cefac. 2012; 15(1):228-37.

Maia JMD, Williams LCA. Risk and protective factors for child development. Temas psicol. 2006; 13(2):91-103.

Romski M, Sevcik RA, Adamson LB, Cheslock M, Smith A, Barker RM, Bakeman R. Randomized comparison of augmented and nonaugmented language interventions for toddlers with developmental delays and their parents. J Speech Lang Hear Res. 2010; 53(2):350-64.

Van Agt HM, Van der Stege HA, De Ridder-Sluiter H, Verhoeven LT, De Koning HJ. A cluster-randomized trial of screening for language delay in toddlers: effects on school performance and language development at age 8. Pediatrics. 2007; 120(6):1317-25.

Snowling MJ, Bishop DV, Stothard SE, Chipchase B, Kaplan C. Psychosocial outcomes at 15 years of children with a preschool history of speech-language impairment. J Child Psychol Psychiatry. 2006; 47:759-65.

Simms MD. Language disorders in children: Classification and clinical syndromes. Pediatr Clin North Am. 2007; 54:437-67.

Figueiras AC, Souza ICN, Rios VG, Benguigui Y. Manual para vigilância do desenvolvimento infantil no contexto da AIDPI. Washington, 2005. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

Zeppone SC, Volpon LC, Del Ciampo LA. Monitoramento do desenvolvimento infantil realizado no Brasil. Rev Paul Pediatr. 2012; 30(4):594-9.

Díaz AA, Gallestey JB, Vargas-Machuca R, Velarde RA. Desarrollo infantil en zonas pobres de Perú. Rev Panam Salud Publica. 2017; 41:1-8.

Gonçalves DIF. Pesquisas de marketing pela internet: As percepções sob a ótica dos entrevistados. RAM, Rev Adm Mackenzie. 2008; 9(7):70-88.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa nacional por amostra de domicílios contínua. Disponível em: . Acesso em: 24 jul. 2017.

Bernardi SA, Pupo AC, Trenche MCB, Barzaghi L. O uso da CIF no acompanhamento do desenvolvimento auditivo e de linguagem de crianças no primeiro ano de vida. Rev CEFAC. 2017; 19(2):159-170.

Alvarenga KF, Araújo ES, Melo TM, Martinez MAN, Bevilacqua MC. Questionário para monitoramento do desenvolvimento auditivo e de linguagem no primeiro ano de vida. CoDAS. 2013;25(1):16-21

Crestani AH, Oliveira LD, Vendruscolo JF, Ramos-Souza AP. Distúrbio específico de linguagem: a relevância do diagnóstico inicial. Rev CEFAC. 2013; 15(1):228-37.

Bello SF, Machado AC, Almeida MA. Parceria colaborativa entre fonoaudiólogo e professor: análise dos diários reflexivos. rev. Psicopedagogia 2012; 29(88): 46-54.

Antoniazzi D, Snow P, Dickson-Swift V. Teacher identification of children at risk for language impairment in the first year of school. Int J Speech Lang Pathol. 2010;12(3):244-52.

Wittke K, Spaulding TJ, Schechtman CJ. Specific language impairment and executive functioning: parent and teacher ratings of behavior. Am J Speech Lang Pathol. 2013 May;22(2):161-72.

Nogueira JCR, Mendonça MC. Prática dos professores da rede pública de ensino em relação à avaliação auditiva em crianças. R bras ci Saúde. 2011; 15(4):409-14.

Conselho Federal de Fonoaudiologia. Número de fonoaudiólogos no Brasil por conselho regional. Acesso em: 16 fev 2018. Disponível em: http://www.fonoaudiologia.org.br/cffa/index.php/numero-por-regiao/.

Lima BPS, Guimaraes JATL, Rocha MCG. Características epidemiológicas das alterações de linguagem em um centro fonoaudiológico do primeiro setor. Rev Soc Bras Fonoaudiol. 2008; 13(4):376-80.

Silva GMD, COUTO MIV, Molini-Avejonas DR. Identificação dos fatores de risco em crianças com alteração fonoaudiológica: estudo piloto. CoDAS. 2013; 25(5):456-62.

Perkins SC, Finegood ED, Swai JE. Poverty and language development: roles of parenting and stress. Innov Clin Neurosci. 2013; 10(4):10-9.

Pancsofar N, Vernon-Feagans L. Fathers’ early contributions to children’s language development in families from low-income rural communities. Early Child Res Q. 2010; 25:450-63.

Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Atenção à Saúde Auditiva. Portaria no 2073/GM em 28 de setembro de 2004. Acesso em: 16 fev 2018. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2004/prt2073_28_09_2004.html.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 JOURNAL HEALTH NPEPS

ISSN 2526-1010